Brasil ainda tem menos de 1% de websites acessíveis

Brasil ainda tem menos de 1% de websites acessíveis

Terceira edição da pesquisa sobre a experiência de pessoas com deficiência na internet avaliou 16 milhões de páginas e 2 mil aplicativos. Estudo foi conduzido pela BigDataCorp e o Movimento Web para Todos. "Resultados melhoraram, mas estamos muito longe do ideal", dizem organizadores.

Luiz Alexandre Souza Ventura

22 de julho de 2021 | 18h24

Foto de um notebook aberto com as páginas do Movimento Web Para Todos e da BIgDataCorp na tela. Ao lado do computador, um copo com a frase 'um mundo inclusivo aquece nosso coração'.

Empresas se preocupam com a experiência de clientes em seus sites e blogs, mas esquecem de se preocupar com a acessibilidade. Crédito: blog Vencer Limites.


O Brasil ainda tem menos de 1% de websites realmente acessíveis, revela a terceira edição da pesquisa conduzida pela BigDataCorp e o Movimento Web para Todos sobre a experiência de pessoas com deficiência em páginas e aplicativos.

No total, 16,89 milhões de sites ativos no País foram avaliados entre abril e maio de 2021. Apenas 0,89% tiveram sucesso em todos os testes de acessibilidade aplicados. Na edição anterior do estudo, esse percentual foi de 0,74%.

“Os resultados de 2021 mostraram que houve uma melhora na comparação com o ano anterior, mas ainda estamos muito longe do ideal”, diz Thoran Rodrigues, CEO da BigDataCorp.

“As empresas se preocupam tanto com a experiência de clientes em seus sites e blogs, mas esquecem de se preocupar com a acessibilidade para pessoas com deficiência, que acabam por ter uma péssima experiência”, afirma Rodrigues.

Além do resultado geral, que é muito preocupante, também se destaca de maneira alarmante a quantidade de sites que tiveram alguma falha de acessibilidade no testes. Foram 96,79%, ou seja, praticamente todos.

“Essa pesquisa nos dá uma dimensão de como ainda precisamos melhorar a acessibilidade nos sites brasileiros”, ressalta Simone Freire, idealizadora do Movimento Web para Todos.

Aplicativos – A pesquisa avaliou 2.369 aplicativos com a maior quantidade de downloads (média de 10 milhões) na loja de apps do Google.

Em média, 11,54% dos elementos de interface dos aplicativos têm descrição e 14,64% usam texto descritivo. A descrição dos elementos visuais de um aplicativo, na prática, melhora a experiência de acesso de uma pessoa com deficiência visual porque permite que ela compreenda a imagem. Da mesma forma, o uso de descrições em botões e em campos editáveis permite que a pessoa compreenda para que serve cada um dos botões e o que deve ser preenchido em cada campo disponível.

Tipos de problemas

Abril 2020

Maio 2021

Têm

Não têm

Têm

Não têm

Formulário (forms)

Verificação da acessibilidade de campos de formulário e botões

55,19%

44,81%

70,84%

29,16%

Links

Verificação se links abrem em nova janela sem avisar ao usuário

93,65%

6,35%

77,28%

22,72%

Imagens

Verificação se imagens têm texto alternativo

83,36%

16,64%

71,98%

28,02%

Verificação de marcação do HTML com a ferramenta do W3C

97,22%

2,78%

90,66%

9,34%


Para receber as reportagens do
#blogVencerLimites no Telegram,
acesse t.me/blogVencerLimites.



Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.