Brasil faz história no Mundial Paralímpico de Natação

Brasil faz história no Mundial Paralímpico de Natação

Equipe brasileira terminou a competição na quarta posição do quadro geral de medalhas. Foram 23 no total: 11 de ouro, oito de prata e quatro de bronze. Além da conquista de sete vagas diretas para os Jogos Paralímpicos do Rio-2016.

Luiz Alexandre Souza Ventura

20 de julho de 2015 | 12h17

Curta Facebook.com/VencerLimites
Siga @LexVentura
Mande mensagem para blogvencerlimites@gmail.com
O que você precisa saber sobre pessoas com deficiência

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A participação brasileira no Mundial Paralímpico de Natação, em Glasgow, na Escócia, foi a melhor da modalidade na história. No domingo, o Brasil terminou a competição na quarta posição do quadro geral de medalhas, com 11 de ouro, oito de prata e quatro de bronze, 23, no total. Além disso, ainda foram conquistadas sete vagas diretas para os Jogos Paralímpicos do Rio-2016. O resultado aguradou não só atletas, mas também a comissão técnica e dirigentes do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB).

De acordo com o presidente da entidade, Andrew Parsons, o desempenho dos 23 atletas que representaram o Brasil no Mundial foi o resultado de um trabalho do Comitê que começou logo depois do Mundial de Montreal, em 2013. “Uma nova comissão técnica foi contratada, com Leonardo Tomasello como técnico-chefe. Ele implementou uma nova filosofia de trabalho e criamos o Centro de Referência em São Caetano do Sul. Nossa ideia era colocar nossa comissão técnica, atletas e toda nossa infraestrutura geograficamente no mesmo local. Isso foi algo que mudamos do ciclo de Londres para esse ciclo do Rio”, explicou Parsons.

Em dois anos, os resultados da nova comissão apareceram e o Brasil alcançou a quarta colocação no quadro de medalhas de Glasgow. “Dos 23 atletas que estão aqui, 22 fizeram final. Mostra que o critério que criamos foi muito coerente. Os que estão aqui são ótimos atletas. E se colocarmos aqui que a nadadora que não fez final individual conseguiu uma medalha de ouro por ter participado do revezamento [4x50m livre misto 20 pontos], isso mostra o nível que estamos alcançando com o grupo”, analisou Jonas Freire, coordenador de Seleções do CPB e chefe de missão neste Mundial.

Há pouco mais de um ano para os Jogos Paralímpicos do Rio-2016, o desempenho dos atletas chama a atenção para a importância da modalidade no objetivo de alcançar o quinto posto no quadro de medalhas dos Jogos. Com um grande número de medalhas em disputa na natação, manter o alto nível na reta final antes de chegar ao Rio será prioridade da comissão técnica.

“A natação é uma das nossas modalidades mais fortes, e o Mundial serve como termômetro para o que está por vir no Rio de Janeiro. Nossa meta de quinto lugar no Rio depende muito do resultado que obtivemos aqui. Este foi um trabalho novo da biomecânica que estreamos aqui. Fizemos uma avialiação da semifinal para a final para melhorar o atleta, a estratégia dele e buscar o melhor resultado. Um trabalho que pode influenciar para uma mudança de tempo que pode fazer diferença para buscar uma medalha”, ressaltou Edilson Rocha, o Tubiba, diretor técnico do CPB.

Complementando o discurso de Tubiba, o técnico-chefe, Leonardo Tomasello, esclareceu que o Mundial foi o termômetro não apenas para os atletas, mas também para a comissão técnica. “Essa foi a nossa primeira oportunidade para confrontar os principais adversários internacionais, conhecer a realidade dos rivais, que nadam muito forte. Aqui o nível foi excelente, com muitos recordes mundiais. Foi importante também para testar a estrutura da comissão técnica, com a parte da biomecânica, fisioterapia, área médica, do grupo em geral. Foi um trabalho fundamental para os resultados em 2016?, observou Tomasello.

O Brasil participou do Mundial com 23 atletas. Nos sete dias de disputa, o país conquistou 11 medalhas de ouro, oito de prata e quatro de bronze. O maior medalhista da Seleção e da competição foi Daniel Dias, que levou seis medalhas de ouro individuais, e mais duas em revezamentos: uma de ouro no 4x50m livre misto 20 pontos e uma de prata no 4x100m livre 34 pontos.

A participação da Seleção Brasileira de Natação do Mundial de Glasgow é custeada por um convênio entre o Ministério do Esporte e o Comitê Paralímpico Brasileiro.

Fonte: Comitê Paralímpico Brasileiro.

Mais conteúdo sobre:

NataçãoParalímpico