Campanha orienta pessoas trans para mudança de nome no registro civil

Campanha orienta pessoas trans para mudança de nome no registro civil

Iniciativa do Instituto Cultural Barong com o Programa USP Diversidade tem apoio da ONU. Página oferece lista de organizações que ajudam no processo burocrático, formulários necessários e legislação. Confira vídeo exclusivo.

Luiz Alexandre Souza Ventura

28 de janeiro de 2022 | 13h15

Curta “Nome - #RespeitaMeuNome”, projeto do Programa USP Diversidade em parceria com o Instituto Cultural Barong, com apoio do Programa Conjunto da ONU sobre HIV/AIDS (UNAIDS) estreia nas redes.

Curta ‘Nome – #RespeitaMeuNome’, projeto do Programa USP Diversidade com o Instituto Cultural Barong, tem apoio do Programa Conjunto da ONU sobre HIV/AIDS (UNAIDS). Crédito: Divulgação.


A campanha Nome – #RespeitaMeuNome, uma iniciativa do Instituto Cultural Barong com o Programa USP Diversidade e apoio do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), orienta pessoas trans para a mudança do nome oficial no registro civil.

O projeto tem uma página com a lista organizações que ajudam no processo burocrático, os formulários necessários para a mudança e também a legislação sobre o tema.

O ‘SOS Dignidade’, coordenado pelo Instituto Cultural Barong, já promoveu a retificação do nome de mais de 2.500 pessoas trans.

Segundo dados da pesquisa do UNAIDS ‘Índice de Estigma em relação às pessoas vivendo com HIV/aids no Brasil’, que mostra o cenário de exclusão de pessoas travestis e transexuais no País, 80% das travestis e trans sentem que membros de suas próprias famílias fizeram comentários discriminatórios sobre a identidade de gênero delas, 70% já foram assediadas e também 70% se sentiram excluídas de atividades familiares por causa da identidade de gênero.



Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.