Câncer de mama na mulher com deficiência intelectual

Câncer de mama na mulher com deficiência intelectual

Instituição faz alerta sobre a importância do exame e divulga lista com orientações. "A falta de conhecimento e a infantilização aumentam o risco porque afastam a pessoa do tratamento", diz médica oncologista.

Luiz Alexandre Souza Ventura

14 de outubro de 2020 | 16h09

Use 26 recursos de acessibilidade digital com a solução da EqualWeb clicando no ícone redondo e flutuante, ouça o texto completo com Audima no player acima, acione a tradução em Libras com Hand Talk no botão azul à esquerda ou acompanhe o vídeo no final da matéria produzido pela Helpvox com a interpretação na Língua Brasileira de Sinais.


Foto de cinco mulheres que estão em pé na frente da logomarca da 'Special Olympics'. Registro feito no ano passado em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos. Crédito: Divulgação.

Descrição da imagem #pracegover: Foto de cinco mulheres que estão em pé na frente da logomarca da ‘Special Olympics’. Registro feito no ano passado em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos. Crédito: Divulgação.


A OEB (Olimpíadas Especiais Brasil), instituição com 52 mil atletas cadastrados para treinamento e competição durante todo o ano, lançou um alerta sobre a importância das medidas de prevenção contra o câncer de mama em mulheres com deficiência intelectual e divulgou uma lista de orientações.

Embora pessoas com deficiência não tenham maior ou menor risco de desenvolver a doença, prevenção é fundamental. No caso das mulheres com deficiência intelectual, táticas simples e autoconhecimento são medidas que podem estimular o cuidado.

“O que vemos é uma dificuldade em fazer o exame. A falta de conhecimento e a infantilização do indivíduo aumentam esse risco porque afastam a pessoa do tratamento”, diz Melissa Meirelles, médica oncologista clínica e parceira da OEB.

Anote as recomendações:

– Redobrar o cuidado da família

– Ensinar o toque e a autoanálise para que a mulher identifique qualquer alteração, seja na cor, formato ou toque da mama

– No consultório ou ainda em casa, atenção ao explicar as etapas do exame, utilizando linguagens menos técnicas, se possíveis ilustrações, vídeos e demonstração

– Alertar a equipe de atendimento para que tenha maior cuidado e atenção ao explicar e manusear a paciente

– Permitir acompanhantes sempre que possível

– Explicar que haverá um desconforto nos exames, mas que será passageiro

– Cuidar da região quando surgir dor após o exame

– Manter a confiança para que ela retorne nos próximos anos

Entre de ações do Outubro Rosa, a instituição está organizando conversas com as atletas e suas famílias para ressaltar a prevenção.

“É importante frisar o papel da família e da rede de saúde que atende essa mulher, porque muitas vezes ela não entende a necessidade ou o que precisa ser feito”, comenta a médica parceria da OEB.

“São essas pessoas e instituições que devem assumir esse papel e estar atentas”, afirma a oncologista Melissa Meirelles.

No último ano, somente no Brasil, 59 mil casos da doença foram registrados e, em 2020, mais 66 mil devem ser confirmados, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA).



Vídeo produzido pela Helpvox com a versão da reportagem na Língua Brasileira de Sinais.

Para receber as reportagens do #blogVencerLimites no Whatsapp, mande ‘VENCER LIMITES’ para +5511976116558 e inclua o número nos seus contatos. Se quiser receber no Telegram, acesse t.me/blogVencerLimites.



Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: