Coronavírus: defesa de um, proteção de todos

Coronavírus: defesa de um, proteção de todos

Eu sou responsável pela sua segurança e você deve garantir a minha. Para defender grupos de risco, como idosos e pessoas com deficiências, nós precisamos agir em conjunto. Neste momento, isso significa seguir as recomendações dos médicos especialistas. Proposta de Bolsonaro de isolar somente quem tem mais de 60 anos ou está doente é irracional. Esclarecendo de forma direta, se a covid-19 proliferar, não haverá leitos, hospitais, equipamentos e remédios para todos os doentes. E muita gente vai ficar sem atendimento.

Luiz Alexandre Souza Ventura

25 de março de 2020 | 11h21


Ouça essa reportagem com Audima no player acima ou acompanhe a tradução em Libras com Hand Talk no botão azul à esquerda.


Descrição da imagem #pracegover: Foto do presidente Jair Bolsonaro com uma máscara azul cobrindo o nariz e a boca. Crédito: Reprodução.


A responsabilidade sobre o controle da pandemia do coronavírus é coletiva. Depende de mim, de você, da cidade, da Prefeitura, do governo estadual, das autoridades médicas, do governo federal e de cada pessoa. Em conjunto, devemos reduzir a carga de quem está na rua, sujeito aos perigos que isso representa neste momento, porque sua função na sociedade é fundamental, essencial, ou simplesmente porque não foi dispensado do trabalho e pode ser demitido se faltar.

Especialistas em infectologia de todo o mundo alertam para a velocidade de disseminação da covid-19 e destacam a avalanche que pode atingir os sistemas de saúde em todos os países, caso a propagação do vírus não seja contida.

Esclarecendo de forma direta, se essa doença crescer em larga escala, não haverá leito em hospital nem equipamentos e remédios para todos os doentes. E muita gente vai morrer sem atendimento.

Irracional – Após pronunciamento criticando o confinamento e defendendo a abertura de comércios, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira, 25, que vai pedir ao Ministério da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, mudança na orientação de isolamento da população durante a pandemia do novo coronavírus. O presidente defende isolamento apenas para que é idoso ou está doente (com outras doenças).

É uma medida irracional, que vai colocar todos em risco.

Mentira e desinformação – A Sociedade Brasileira de Infectologia divulgou nota na noite desta terça-feira, 24, rebatendo as declarações de Jair Bolsonaro. A entidade criticou a classificação de “resfriadinho” dada pelo presidente à doença e se mostrou preocupada com a “falsa impressão” espalhada por ele de que as medidas anunciadas são inadequadas.

“Neste difícil momento da pandemia de Covid-19 em todo o mundo e no Brasil, trouxe-nos preocupação o pronunciamento oficial do presidente da República Jair Bolsonaro, ao ser contra o fechamento de escolas e ao se referir a essa nova doença infecciosa como ‘um resfriadinho’. Tais mensagens podem dar a falsa impressão à população que as medidas de contenção social são inadequadas e que a Covid-19 é semelhante ao resfriado comum, esta sim uma doença com baixa letalidade”, diz a instituição.

“É também temerário dizer que as cerca de 800 mortes diárias que estão ocorrendo na Itália, realmente a maioria entre idosos, seja relacionada apenas ao clima frio do inverno europeu. A pandemia é grave, pois até hoje já foram registrados mais de 420 mil casos confirmados no mundo e quase 19 mil óbitos, sendo 46 no Brasil”, afirma o presidente da entidade, Clóvis Arns da Cunha.

Perigo – Desde a semana passada, o #blogVencerLimites tem publicado reportagens sobre o tema, com explicações de neurologistas e geneticistas sobre como essa doença pode afetar pessoas com deficiências, principalmente deficiências severas.

Indivíduos com Alzheimer, paralisia cerebral, que têm sequelas de Acidente Vascular Cerebral (AVC), síndromes com Charcot-Marie-Tooth (CMT), neuropatias diabéticas e outras semelhantes, podem ter uma piora brusca no quadro geral de saúde, com perda de memória, mobilidade e força, além de fadiga repentina. “Isso ocorre porque a pessoa já tem uma inflamação. Se contrair o coronavírus, o corpo direciona energia para combater a infecção e o quadro neurológico geral tende a ser agravar, explica Guilherme Olival, coordenador médico da Associação Brasileira de Esclerose Múltipla (ABEM) e neurologista listado no Doctoralia.

No caso de pessoas que têm condições autoimunes (quando o sistema de defesa do corpo ataca partes específicas do próprio corpo) – como Esclerose Múltipla (EM), Lupus, Artrite Reumatóide e a Diabetes Tipo 1 -, o uso dos medicamentos imunossupressores é constante, o que pode elevar o risco desse indivíduo contrair a infecção.

“Esse grupo precisa de muitos cuidados e ações de prevenção, porque tem o sistema de defesa mais enfraquecido”, ressalta Olival. “Se há suspeita de infecção pelo coronavírus, é fundamental seguir as recomendações das autoridades de saúde e procurar um hospital imediatamente”, diz o neurologista.

Quem tem síndrome de Down, apesar de não estar doente, também faz parte do grupo de risco. Uma das características dessa condição genética é a malformação cardíaca, especificamente com Defeito do Septo Atrioventricular (DSAV), da Comunicação Interventricular (CIV) ou da Comunicação Interatrial (CIA).

“Explicando de maneira muito simples, esse problema cardíaco cria dificuldade para bombear o sangue”, explica Caio Bruzaca, geneticista do ambulatório de diagnósticos do Instituto Jô Clemente (IJC). “Pessoas com malformação cardíaca têm maior risco de desenvolver complicações geradas por qualquer infecção, não apenas pelo coronavírus, mas no resfriado comum, bronquiolite ou pneumonia”, diz o especialista.

Vão faltar respiradores – Em sua coluna de hoje no Estado, o especialista em biologia molecular Fernando Reinach afirma que “vamos ser inundados de notícias sobre a falta de respiradores para tratar os casos graves de coronavírus em São Paulo. Esse é um problema que todos os países estão enfrentando e conosco não vai ser diferente”, diz.

Agressão – Nas ruas, surgem relatos de profissionais de saúde hostilizados por usuários do transporte coletivo. O Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (Coren/SP) já recebeu neste mês 20 denúncias de agressões, na maioria verbais, contra esses profissionais em ônibus, trens e metrôs. Na visão dos agressores, os profissionais de saúde estariam disseminando a doença.

Evento mundial – Nesta terça-feira, 24, foi anunciado o adiamento dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio 2020 para o próximo ano. E o motivo é a pandemia do coronavírus. Hoje, o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, revelou que a decisão foi tomada em conjunto com o governo do Japão.

Para receber nossas notícias direto em seu smartphone, basta incluir o número (11) 97611-6558 nos contatos e mandar a frase ‘VencerLimites’ pelo Whatsapp. VencerLimites.com.br é um espaço de notícias sobre o universo das pessoas com deficiência integrado ao portal Estadão. Nosso conteúdo também está acessível em Libras, com a solução Hand Talk, e áudio, com a ferramenta Audima. Todas as informações publicadas no blog, nas nossas redes sociais e enviadas pelo Whatsapp são verdadeiras, produzidas e divulgadas após checagem e comprovação. Compartilhe apenas informação de qualidade e jamais fortaleça as ‘fake news’. Se tiver dúvidas, verifique.


Mande mensagem, crítica ou sugestão para blogVencerLimites@gmail.com

Acompanhe o #blogVencerLimites nas redes sociais

Facebook Twitter Instagram LinkedIn YouTube


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.