Coronavírus: “Traqueostomizados precisam de proteção máxima”, diz associação

Coronavírus: “Traqueostomizados precisam de proteção máxima”, diz associação

ACBG Brasil faz alerta sobre os perigos da covid-19 para quem não respira pela boca ou nariz e, por isso, perdeu a defesa natural do organismo para filtrar, umedecer e controlar a temperatura do ar que entra nos pulmões. Fonoaudióloga explica a importância dos filtros e adesivos protetores, que ainda não estão no rol do SUS.

Luiz Alexandre Souza Ventura

03 de abril de 2020 | 16h55


Ouça essa reportagem com Audima no player acima ou acompanhe a tradução em Libras com Hand Talk no botão azul à esquerda.


Descrição da imagem #pracegover: Foto de Melissa Ribeiro, presidente da ACBG Brasil. Ela tem cabelos loiros e encaracolados, que estão presos. Veste camiseta branca e usa óculos. Está com a mão direita sobre o pescoço e gesticula com a mão esquerda. Crédito: Reprodução.


Pessoas que passaram por uma traqueostomia e respiram permanentemente por uma estomia no pescoço (comunicação entre a traqueia e o ambiente externo), precisam de proteção máxima durante a pandemia do coronavírus. O alerta é da ACBG Brasil – Associação de Câncer de Boca e Garganta.

“Nós, os traqueostomizados, estamos completamente vulneráveis. Não usamos boca e nariz para respirar e, por isso, perdemos a proteção natural do organismo para filtrar, umedecer e controlar a temperatura do ar sujo que entra direto nos pulmões. Temos pneumonias recorrentes. E como somos pacientes oncológicos em tratamento ou seguimento, nossa imunidade é mais baixa”, explica Melissa Ribeiro, presidente da ACBG Brasil.

O uso da traqueostomia também é comum em pessoas com deficiências causadas por condições como a Atrofia Muscular Espinhal (AME) e a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA).

Filtros – Para a fonoaudióloga Suzana Areosa, neste momento de pandemia, com uma doença que compromete principalmente a respiração, o acesso aos insumos, como os filtros e adesivos de proteção, é fundamental.

“O paciente que respira melhor tem defesa maior, melhora o sistema imunológico porque também permite que ele retome a capacidade de fazer expansão pulmonar durante a respiração, além de dificultar a entrada do vírus, por ser um aparelho que fecha a entrada da estomia”, diz.

Em muitos países são usados os Filtros Micron e os HMEs (Heat and Moisture Exchanger), que fazem o papel do nariz com cristais de cálcio que filtram impurezas, aquecem e purificam o oxigênio que entraria frio e sujo no pulmão.

“Os pacientes precisam um filtro diferente por dia, inclusive para dormir. Esses dispositivos não estão no rol do Sistema Único de Saúde (SUS). O governo liberou verbas para deter a contaminação pelo coronavírus e precisa prever a dispensação desses dispositivos com urgência e de forma contínua. Acreditamos que 15 mil pessoas no Brasil precisam dessa proteção“, afirma a presidente da ACBG Brasil.

Orientação – A associação reforça as recomendações das autoridades de saúde sobre distanciamento social, quarentena e isolamento, com exceção de quem faz tratamento de câncer, como quimioterapia e radioterapia. “Pacientes que precisam ir ao hospital ou serviço de saúde deve usar máscara sobre a estomia ou um protetor de estomia”, esclarece a fonoaudióloga Suzana Areosa.

Para receber nossas notícias direto em seu smartphone, basta incluir o número (11) 97611-6558 nos contatos e mandar a frase ‘VencerLimites’ pelo Whatsapp. VencerLimites.com.br é um espaço de notícias sobre o universo das pessoas com deficiência integrado ao portal Estadão. Nosso conteúdo também está acessível em Libras, com a solução Hand Talk, e áudio, com a ferramenta Audima. Todas as informações publicadas no blog, nas nossas redes sociais e enviadas pelo Whatsapp são verdadeiras, produzidas e divulgadas após checagem e comprovação. Compartilhe apenas informação de qualidade e jamais fortaleça as ‘fake news’. Se tiver dúvidas, verifique.


Mande mensagem, crítica ou sugestão para blogVencerLimites@gmail.com

Acompanhe o #blogVencerLimites nas redes sociais

Facebook Twitter Instagram LinkedIn YouTube


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.