Cultura democrática para estimular novos sentidos

Cultura democrática para estimular novos sentidos

Memorial da Inclusão, em São Paulo, recebe a exposição 'Duplo Acesso: Sair da Superfície', que convida o visitante a experimentações fora do habitual.

Luiz Alexandre Souza Ventura

29 Abril 2016 | 11h35

'Poesia em braile': feltro adesivado sobre placa de acrílico. Descrição: Duas mãos seguram uma placa retangular de acrílico transparente com a palavra 'céu' em braile feita com feltro adesivado. A placa está posicionada para o céu encoberto por nuvens em tons de cinza, que aparece através da transparência do acrílico. Imagem: Divulgação

‘Poesia em braile’: feltro adesivado sobre placa de acrílico. Descrição: Duas mãos seguram uma placa retangular de acrílico transparente com a palavra ‘céu’ em braile feita com feltro adesivado. A placa está posicionada para o céu encoberto por nuvens em tons de cinza, que aparece através da transparência do acrílico. Imagem: Divulgação

———-

Experimentar impressões sensoriais em um contexto fora do usual é a proposta da mostra ‘Duplo Acesso: Sair da Superfície’, que o Memorial da Inclusão, em São Paulo, recebe entre os dias 2 e 30 de maio. São cinco instalações, concebidas pela artista plástica Diana Tsonis.

Um dos destaques é ‘A pele das coisas’, com objetos construídos em arame moldável, expostos em cavaletes, que proporcionam uma nova experiência a pessoas com deficiência visual. Nas ‘Poesias em braile’, poemas serão expostos em feltro adesivado sobre o expositor de vidro, convidando a novas possibilidades de confecção e contatos com a leitura em braile.

Há também o ‘Cinema Cego’, com exibição de um curta-metragem que apresenta depoimentos de pessoas com deficiência visual. O espaço simboliza uma sala de estar, com um aparelho televisor, dois bancos e uma mesa. Em ‘Feche os olhos e imagine’, fones de ouvido com áudiodescrição de um texto que remete a própria temática da exposição permite a imersão do visitante no universo da exposição, sentado em espreguiçadeiras.

E na ‘Saia da superfície’, a reflexão da passagem é simbolizada por uma cortina sensorial azul com ondulações e um instrumento musical imitando o som do mar.

'Pele das coisas': contorno de objeto com arame moldável. Descrição: Uma das mãos segura o contorno de um bule feito com arame moldável. Ele está posicionado para o céu encoberto por nuvens em tons de cinza, que aparece através do vão dentro e fora do contorno. Imagem: Divulgação

‘Pele das coisas’: contorno de objeto com arame moldável. Descrição: Uma das mãos segura o contorno de um bule feito com arame moldável. Ele está posicionado para o céu encoberto por nuvens em tons de cinza, que aparece através do vão dentro e fora do contorno. Imagem: Divulgação

Saiba mais – Além das exposições temporárias, o Memorial da Inclusão tem um acervo fixo que aborda cada uma das quatro deficiências – auditiva, visual, intelectual e física – além de atrações como a Sala Preparatória dos Sentidos, um local escuro com painéis de texturas diversas, alteração de temperatura e sensores sonoros e olfativos.

SERVIÇO:
Exposição: Duplo Acesso: Sair da Superfície
Data: De 2 a 30 de maio (de segunda a sexta-feira)
Horário: das 10h às 17h
Local: Memorial da Inclusão – Sede da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo
Endereço: Av. Auro Soares de Moura Andrade, 564 – Portão 10 – Barra Funda – São Paulo/SP
Visitas agendadas: memorial@sedpcd.sp.gov.br ou (11) 5212-3727
Entrada gratuita
=> No dia 21 de maio, sábado, das 13h às 17h, o Memorial da Inclusão estará aberto para visitação.

———-

Mais conteúdo sobre:

CulturaDeficiência Visual