Curitiba leva videoconsulta em Libras à rede pública para surdos com sintomas de covid-19

Curitiba leva videoconsulta em Libras à rede pública para surdos com sintomas de covid-19

CONTEÚDO ABERTO PARA NÃO-ASSINANTES: Atendimento é diário e deve ser marcado por Whatsapp ou email. Expectativa é reduzir a circulação de pessoas nos postos de saúde durante a pandemia do coronavírus. Tecnologia de videoconferência foi doada ao município pela Doctoralia. Empresa está implementando o serviço sem cobrança para moradores das comunidades Cantagalo-Pavão-Pavãozinho, no Rio de Janeiro, em parceria com a Rede Postinho, além de cinco cidades das regiões Sul e Sudeste.

Luiz Alexandre Souza Ventura

07 de abril de 2020 | 17h46


Ouça essa reportagem com Audima no player acima ou acompanhe a tradução em Libras com Hand Talk no botão azul à esquerda.


Descrição da imagem #pracegover: Uma intérprete da Língua Brasileira de Sinais e uma médica fazem o atendimento a uma moradora surda por videoconsulta na Central de Libras. Crédito: Divulgação.


Começou a funcionar nesta semana em Curitiba (PR) o serviço diário de videoconsulta em Libras, a Língua Brasileira de Sinais, para pessoas com deficiência auditiva que têm sintomas da covid-19. A iniciativa é coordenada pela Prefeitura, com participação da Secretaria de Saúde e da Central de Libras, que faz parte do departamento dos Direitos da Pessoa com Deficiência. A tecnologia de videoconferência usada no projeto foi doada pela empresa de agendamento de consultas online Doctoralia.

A moradora Celma Siqueira Gomes, que é surda, foi a primeira paciente a ser atendida. Ela procurou a Central de Libras porque, nos últimos dias, começou a ter febre, coriza e tosse, mas pretendia marcar uma visita ao posto médico, o que não foi necessário. Com a consulta por vídeo, a Prefeitura espera reduzir a circulação de pessoas nas unidades de saúde durante o período de pandemia do coronavírus.

Quem precisar do atendimento em Língua Brasileira de Sinais na cidade deve entrar em contato com a Central de Libras, pelo Whatsapp 041992558206 ou no email centraldelibras@curitiba.pr.gov.br. Tem agenda para todos os dias, das 15h às 16h30.

Curitiba tem atendimento específico na Língua Brasileira de Sinais há seis anos para consultas médicas, entrevistas de trabalho, tribunais, instituições de ensino, órgãos públicos e privados em geral, além de atividades culturais, contação de histórias infantis, shows e eventos. São três intérpretes que se revezam no acompanhamento presencial às pessoas surdas e também por Skype e Whatsapp, com até 20 atendimentos por dia.



Rio de Janeiro – A tecnologia da empresa Doctoralia também deve começar a ser usada a partir da próxima segunda-feira, 13, nas comunidades Cantagalo-Pavão-Pavãozinho, no Rio de Janeiro, em uma parceria com a Rede Postinho, organização que cuida da saúde preventiva e integral de mulheres em situação de vulnerabilidade nas favelas, com atendimentos de aspectos físicos, psicológicos e sociais.

A equipe que fará esse atendimento recebeu treinamento nesta segunda-feira, 6, e o cadastro dos voluntários na plataforma já teve início, além da divulgação para os moradores.

Outras cidades que já acertaram a parceria com a Doctoralia são Guarapuava e Ponta Grossa, no Paraná; Penha e Piçarras, em Santa Catarina, e Itanhaém, no litoral sul de SP.

Para receber nossas notícias direto em seu smartphone, basta incluir o número (11) 97611-6558 nos contatos e mandar a frase ‘VencerLimites’ pelo Whatsapp. VencerLimites.com.br é um espaço de notícias sobre o universo das pessoas com deficiência integrado ao portal Estadão. Nosso conteúdo também está acessível em Libras, com a solução Hand Talk, e áudio, com a ferramenta Audima. Todas as informações publicadas no blog, nas nossas redes sociais e enviadas pelo Whatsapp são verdadeiras, produzidas e divulgadas após checagem e comprovação. Compartilhe apenas informação de qualidade e jamais fortaleça as ‘fake news’. Se tiver dúvidas, verifique.


Mande mensagem, crítica ou sugestão para blogVencerLimites@gmail.com

Acompanhe o #blogVencerLimites nas redes sociais

Facebook Twitter Instagram LinkedIn YouTube


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: