“O Brasil não tem estrutura para desenvolvimento do atleta com deficiência”

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

“O Brasil não tem estrutura para desenvolvimento do atleta com deficiência”

Diogo Ualisson é velocista e afirma que há poucas iniciativas privadas para incentivar os atletas com deficiência, o que cria uma dependência excessiva do poder público.

Luiz Alexandre Souza Ventura

19 de maio de 2015 | 10h59

Curta Facebook.com/VencerLimites
Siga @LexVentura
Mande mensagem para blogvencerlimites@gmail.com
O que você precisa saber sobre pessoas com deficiência

Diogo Uallison se dedica totalmente ao esporte. Foto: Divulgação

Diogo Ualisson se dedica totalmente ao esporte. Foto: Divulgação

Diogo Ualisson Jerônimo da Silva nasceu e foi criado em Bom Sucesso, no Rio de Janeiro. Aos 22 anos, é velocista e compete nos 100, 200 e 400 metros. Já fez parte da seleção brasileira e representou o País em torneios internacionais. Para conseguir ficar entre os melhores e manter o alto desempenho, tem uma rotina diária de intenso treinamento, com foco nos Jogos Paralímpicos de 2016. “O cenário nacional para desenvolvimento do atleta com deficiência é muito precário. A maioria depende muito do poder público. Apesar disso, têm surgido bons resultados”, diz.

Patrocinado pela Seguros Unimed, ele credita à iniciativa privada o crescimento no número de competidores com destaque nos principais eventos. “Não é possível melhorar o atleta sem apoio, sem o auxílio de especialistas, como treinadores, nutricionistas, fisioterapeutas e até psicólogos. É isso que amplia a vantagem dos nossos adversários”, comenta Diogo, que foi destaque no Open Paraolímpico Internacional, em 2013, realizado no Complexo Esportivo do Ibirapuera, em São Paulo, quando venceu os 100m e 200m, categoria T12, para pessoas com deficiência visual.

Diogo nasceu com baixa visão e enxerga até uma distância de quatro metros. Sua mãe teve rubéola durante a gravidez. O atletismo surgiu quando era aluno do Instituto Benjamin Constant (IBC), no Rio de Janeiro, a convite de um amigo. Em 2009, foi destaque Paraolimpíadas Escolares e do Circuito Brasileiro. Ainda na escola, conheceu as dificuldades impostas pela falta de acessibilidade, mas afirma que a atitude da pessoa com deficiência é fundamental. “Antes do IBC, tive dificuldades porque havia sim muito preconceito, de colegas e também de professores”, lembra. “Mas há também muito desconhecimento sobre sobre os direitos de cada um. Quando vou ao banco, por exemplo, entro na fila preferencial. E muita gente me julga sem saber da minha situação. É algo do cotidiano, mas é um constrangimento, porque frequentemente tenho que explicar e até comprovar minha deficiência. Só que eu não abro mão dos meus direitos”, desabafa o atleta.

Ele afirma que jamais permitiu ser excluído, mesmo quando era xingado por outras crianças. “Ainda falta muita informação sobre a pessoa com deficiência no Brasil. Essas crianças não sabia nada sobre isso. É uma questão de conhecimento, de educação nos primeiros anos de vida”, diz.

Diogo Uallison treina para os Jogos Paralímpicos de 2016. Foto: Divulgação

Diogo Ualisson treina para os Jogos Paralímpicos de 2016. Foto: Divulgação

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.