Discurso sobre diversidade esconde preconceito e desigualdade do Brasil

Discurso sobre diversidade esconde preconceito e desigualdade do Brasil

Pesquisa Oldiversity reafirma que, no País, o machismo atrasa o crescimento profissional da mulher, pessoas com deficiência não têm atendimento e oportunidades acessíveis, a população LGBT continua discriminada e o racismo persiste no mercado de trabalho.

Luiz Alexandre Souza Ventura

20 de janeiro de 2021 | 17h36

Use 26 recursos de acessibilidade digital com a solução da EqualWeb clicando no ícone redondo e flutuante à direita, ouça o texto completo com Audima no player acima, acione a tradução em Libras com Hand Talk no botão azul à esquerda ou acompanhe o vídeo no final da matéria produzido pela Helpvox com a interpretação na Língua Brasileira de Sinais.


Mulher negra está em um escritório, sentada à mesa de trabalho, com as mãos no rosto e a cabeça para trás. Crédito: Reprodução.

Descrição da imagem #pracegover: Mulher negra está em um escritório, sentada à mesa de trabalho, com as mãos no rosto e a cabeça para trás. Crédito: Reprodução.


Os discursos sobre diversidade e inclusão no Brasil, no ambiente corporativo, nos negócios e nas ações de fortalecimento das marcas, escondem uma estrutura de preconceito e discriminação que ainda controla o País.

De acordo com a segunda edição da pesquisa Oldiversity – Impactos da Longevidade e Diversidade para Marcas e Negócios, organizada pelo Grupo Croma, embora a diversidade seja um tema aceito pela maior parte do entrevistados, essa fala não tem real representatividade nos ambientes social e de negócios.

A pesquisa revela que o machismo ainda atrasa o desenvolvimento profissional feminino e as mulheres continuam ganhando 25% a menos que os homens. Além disso, microagressões do dia a dia, poucas oportunidades ao longo da carreira e a falta de mulheres em posições de liderança prejudicam essa evolução.

No caso das pessoas com deficiência, a falta de acessibilidade, produtos e serviços específicos fortalece o cenário de exclusão. Entre os entrevistados na pesquisa, a maioria afirma que empresas são preconceituosas no momento de contratar profissionais com deficiência, que há pouco investimento das marcas em lojas acessíveis e também em publicidade direcionada.

O estudo também concluiu que há preconceito contra a população LGBTQIA+ no ambiente corporativo e que o atual governo fortaleceu essa prática em vários setores.

A pesquisa Oldversity destaca ainda a persistência do racismo no mercado de trabalho, com preconceito na maioria parte das empresas e atitudes de discriminação racial por pessoas dentro das corporações.


REPORTAGEM COMPLETA EM LIBRAS (EM GRAVAÇÃO)
Vídeo produzido pela Helpvox com a versão da reportagem na Língua Brasileira de Sinais.


Para receber as reportagens do #blogVencerLimites no Whatsapp, mande ‘VENCER LIMITES’ para +5511976116558 e inclua o número nos seus contatos. Se quiser receber no Telegram, acesse t.me/blogVencerLimites.



Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.