Documentário sobre Dudu do Cavaco percorre o País

Documentário sobre Dudu do Cavaco percorre o País

Pré-estreia de 'No Compasso do Amor' ocorreu neste domingo, 13, em Belo Horizonte/MG. Filme conta a vida de Eduardo Gontijo, com base no livro 'Mano Down'.

Luiz Alexandre Souza Ventura

14 de março de 2016 | 12h21

———-

“Quando eu vi o documentário contando a minha trajetória, eu fiquei muito feliz e muito emocionado. Chorei muito porque isso tudo faz parte da minha vida. Foi um momento muito importante pra mim e mexeu muito comigo”, diz Eduardo Gontijo, o Dudu do Cavaco, personagem principal do documentário ‘No Compasso do Amor’, que teve pré-estreia neste domingo, 13, em Belo Horizonte (MG) e começa a percorrer o País.

O filme será exibido inicialmente nos locais onde Dudu e seu irmão, Leonardo Gontijo, apresentam suas palestras. Estão confirmadas sessões em Valinhos (SP), nesta quinta-feira, 17, e em Limeira (SP), na sexta-feira, 18. No dia 29 o filme volta a Belo Horizonte, com exibição na Casa Una de Cultura. No dia 31 haverá sessão na UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).

“A ideia é liberar a exibição no YouTube. Também vamos criar uma página específica sobre o documentário no Facebook e divulgar um link com a agenda de sessões pelo Brasil”, explica Leonardo Gontijo.

Documentário conta a história de Dudu do Cavaco (Divulgação)

Documentário conta a história de Dudu do Cavaco (Divulgação)

Saiba mais – Eduardo Gontijo nasceu em um ambiente musical. Sua família tem oito músicos. Ele participa de rodas de samba desde bebê e começou a tocar pandeiro ainda nos primeiros anos de vida, instrumento que o acompanhou em muitos encontros. Na sequência, descobriu o cavaquinho e, por sua habilidade, ganhou o apelido de Dudu do Cavaco.

Os estímulos constantes o levaram a participar de diversos grupos. Atualmente, com 25 anos, faz parte do ‘Trem das Onze’. Além de músico, é ator e palestrante. “Quando estou tocando, pego a minha emoção, coloco no meu cavaquinho e jogo para todo mundo. E me sinto feliz”, diz Dudu, que toca sete instrumentos. Seu maior sonho é conhecer e tocar com Roberto Carlos.

A facilidade que Eduardo demonstrou desde pequeno para memorizar números foi o ponto de partida de um método de ensino criado pelo músico Hudson Brasil, seu professor de cavaco já há seis anos, para apresentar a Dudu as notas musicais, os compassos e as batidas.

Além do filme, a trajetória do artista está também nos livros ‘Mano Down: relatos de um irmão apaixonado’ e ‘Não importa a pergunta, a resposta é o amor’, além de uma terceira publicação que reúne depoimentos, todos escritos por seu irmão Leonardo Gontijo.

Autor de mais de 40 canções (ouça aqui), Dudu lança ainda neste ano um CD que terá a participação de diversos convidados, como Marco Túlio e Rogério Flausino, do Jota Quest, além de Thiago Delegado, Aline Calixto e Hudson Brasil.

Livros escritos por Leonardo Gontijo contam a história de Dudu (Reprodução)

Livros escritos por Leonardo Gontijo contam a história de Dudu (Reprodução)

Mano Down Criado para apoiar a carreira de Dudu do Cavaco, o projeto busca a inclusão de fato, por meio da aceitação das diferenças. A meta do trabalho é abrir espaços para que pessoas com deficiência mostrem suas habilidades e talentos muitas vezes escondidos ou com pouco espaço para expressão social.

“Sabemos que a invisibilidade social imprime um tipo de sofrimento que fere o cerne da dignidade humana. Mesmo que muitas pessoas com deficiência já participem do mercado de trabalho ou possuam uma vida ativa em outras áreas sociais, pensamos que uma parte da existência deles clama por um lugar de maior expressão e participação. Queremos minimizar a invisibilidade social para que as pessoas com deficiência tenham liberdade para dirigir a própria vida, mesmo que, para isso, seja necessário suporte por parte de amigos, familiares e de outras participações sociais, para que essas pessoas possam fazer suas próprias escolhas e projetos de vida”, diz a organização do projeto.

———-

Tudo o que sabemos sobre:

Dudu do CavacoSíndrome de Down

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.