Dois projetos brasileiros ganham prêmio mundial de impacto social

Dois projetos brasileiros ganham prêmio mundial de impacto social

Plataforma de saúde feminina e sistema que digitaliza pagamento de impostos foram selecionados pelo World Summit Award (WSA). Competição avaliou 290 iniciativas em 182 países.

Luiz Alexandre Souza Ventura

11 de fevereiro de 2022 | 12h00

Foto mostra uma mulher em um palco. A imagem dela está desfocada. Mais próximo da câmera, um homem fotografa a mulher com um smartphone.

Premiados serão apresentados no WSA Global Congress, evento online entre os dias 22 e 24 de março (clique aqui para fazer inscrição). Foto: Reprodução.


Dois projetos brasileiros estão na lista de 40 vencedores globais ao World Summit Awards (WSA), maior premiação mundial de conteúdos digitais que promovem impacto social.

ANARIÁ, da SAS Brasil, é uma plataforma de teleatendimentos oncológicos, ginecológicos e de valorização da mulher que reúne iniciativas de saúde feminina, com ações concretas de combate à violência doméstica. A ferramenta rastreia lesões precursoras do câncer de colo de útero, leva atendimento com consultórios em contêineres e faz exames, inclusive de HPV.

VELOTAX é um Saas (Software as a Service ou Software como Serviço) que tem base na nuvem e digitaliza processos de pagamento de impostos, cálculo, emissão de DARF, com inteligência artificial para ajudar investidores a entender as regras da Receita Federal.

A competição passou por seleções nacionais em 182 países e avaliou 290 projetos nas áreas de Governo, Saúde, Educação, Ambiente e Energia Verde, Cultura e Turismo, Urbanização, Negócios e Inclusão.

Os premiados serão apresentados no WSA Global Congress, evento online entre os dias 22 e 24 de março (clique aqui para fazer inscrição).

“Nosso País é um campo fértil de projetos inovadores, com tecnologias modernas atreladas às causas sociais com conteúdo inteligente, que melhoram a igualdade, o acesso à informação e à inclusão”, diz Cid Torquato, embaixador do Prêmio WSA Brasil.

Torquato lidera no País, junto com jornalista Ciça Cordeiro, uma ação para inclusão da acessibilidade como o 18º Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU). A proposta é defendida no Guia Prático de Acessibilidade e Inclusão Digital, do Legal Grounds Institute, e na petição online lançada em dezembro do ano passado, que já tem mais de 4 mil assinaturas. “O WSA Brasil escolhe projetos que cumprem esses ODSs e dá visibilidade internacional”, comenta Torquato.

Segundo a ONU, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável são um apelo global à ação para acabar com a pobreza, proteger o meio ambiente e o clima e garantir que as pessoas, em todos os lugares, possam desfrutar de paz e de prosperidade. “Contribuem para atingirmos a Agenda 2030 no Brasil’, diz a Organização.


Card com fundo branco e uma ilustração colorida com 18 quadrados, com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Acessibilidade é o 18º. Clique na imagem para assinar a petição online.

Petição online pede a inclusão da acessibilidade como o 18º Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Clique na imagem para assinar. Foto: Reprodução.


“Empresas com grandes inovações continuam a surgir e a gerar um impacto positivo na sociedade. Soluções criativas digitais de alta qualidade que são de vital importância para alcançar os ODSs da ONU e enfrentar os desafios globais causados por desigualdades, injustiças e a pandemia de Covid19”, ressalta Torquato.

A etapa brasileira do WSA teve apoio de ICOM Libras, Digitalks, Ouvi, Associação Amigos Metroviários dos Excepcionais (AME), Associação Brasileira de Agências de Publicidade (ABAP), Associação Brasileira de Marketing de Dados (ABEMD), Associação Brasileira dos Agentes Digitais (ABRADI), Associação dos Profissionais de Propaganda no Brasil (APP Brasil) e Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e de Tecnologias Digitais (BRASSCOM).


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.