Empresa cria sistema inovador para incluir braile em 3 milhões de embalagens por mês

Empresa cria sistema inovador para incluir braile em 3 milhões de embalagens por mês

Fabricante de sacos de lixo adaptou máquina e desenvolveu placas de metal para impressão de pacotes de plástico. Maior desafio foi chegar na carga de pressão e na velocidade corretas. Trabalho da Embalixo teve consultoria da Fundação Dorina.

Luiz Alexandre Souza Ventura

09 de fevereiro de 2022 | 15h00

Foto em zoom de uma embalagem de sacos de lixo com informações em braile sobre quantidade e tamanho do produto.

Embalixo modificou área de impressão das informações escritas e local de fechamento dos sacos para inserir as informações em braile. Foto: Divulgação.


Desde dezembro do ano passado, a Embalixo, empresa que fabrica sacos de lixo, inclui informações em braile nas 2,8 milhões de embalagens que confecciona todo mês para seus produtos. O trabalho teve consultoria da Fundação Dorina Nowill para Cegos e exigiu um sistema inovador, com o desenvolvimento de placas de metal específicas, adaptação no maquinário e aumento no tempo de produção.

“Montar a máquina foi difícil, mas chegar na carga de pressão e na velocidade corretas foi muito mais difícil”, diz Rafael Costa, diretor comercial da Embalixo. A fabricante produz aproximadamente 14 toneladas de embalagens mensalmente. O plástico dos pacotes tem base em polietileno e polipropileno, com textura, espessura e flexibilidade calculadas.

“Estamos investindo nas fábricas, nos processos, nos produtos a nas práticas para zerar nossas emissões de carbono. Nossos produtos já são 100% recicláveis. Usamos energia solar na sede administrativa e reaproveitamos materiais”, comenta o executivo.


Foto das placas de alumínio com informações em braile usadas pela Embalixo.

Foram desenvolvidos Clichês com informações sobre o produto, tamanho e quantidade. Foto: Divulgação.


Costa explica que a pandemia chamou a atenção da empresa para a necessidade de ampliar suas ações sociais. A aproximação com instituições que defendem a inclusão ou que cuidam de pessoas com deficiência e a convivência com um funcionário que tem baixa visão mostraram a importância da acessibilidade. Com pouco conhecimento sobre o braile, a empresa buscou orientações da Fundação Dorina.

“Foi um caso atípico, nossa primeira experiência com plástico. Fizemos muitas reuniões para chegar a um entendimento sobre o espaçamento entre os pontos, a altura do relevo, a ortografia e a utilidade das informações”, conta Carla De Maria, gerente de soluções em acessibilidade da Fundação Dorina Nowill para Cegos.

“Uma das etapas é o teste manual por pessoas cegas. Nesse caso, foi usado o braile interponto, que fura a superfície”, esclarece a gerente. “Braile no saco plástico tem maior durabilidade. No papel pode perder o relevo mais rápido”, destaca a especialista.

Após a definição do formato e das informações, foi criado um arquivo digital, em PDF, com o pontos em cor preta sobre fundo branco, que serviu de modelo para as matrizes de alumínio, chamadas de clichê.


Foto de embalagens prontas, com informações escritas e impressas em braile.

“Modificamos a área de impressão do que vai escrito na embalagem e a localização da solda”, diz diretor da Embalixo.


De volta à fábrica, a Embalixo precisou definir em qual etapa da produção e em qual máquina seria incluída a impressão do braile.

“Tivemos que criar um novo equipamento, a partir de uma máquina de corte. O braile entrou no meio do processo, na parte de identificação de produto, marca e tamanho. As placas com as informações são pressionadas, mas sem furar a embalagem. Modificamos a área de impressão do que vai escrito na embalagem e a localização da solda (fechamento do pacote). Conseguimos manter a mesma espessura da embalagem”, ressalta Rafael Costa.

O diretor comercial da Embalixo afirma que a inclusão do braile na produção das embalagens aumentou em 10% o tempo dessa fabricação, o que gera um crescimento do custo por quilo produzido. “É algo muito recente e que vai receber melhorias. Ainda não é possível verificar o impacto nas vendas”, diz.

Carla De Maria chama a atenção para a importância do braile na alfabetização de pessoas cegas. “Ainda é insubstituível. As novas gerações, felizmente, estão próximas do braile. É libertador porque promove autonomia. Esse processo é mais difícil pra quem perde a visão ao longo da vida, mas pode ser apoiado por recursos complementares”, completa a gerente de soluções em acessibilidade da Fundação Dorina.


Foto das placas de alumínio da Embalixo com as informações em braile.

Após a definição do formato e das informações, foi criado um arquivo digital, em PDF, com o pontos em cor preta sobre fundo branco, que serviu de modelo para as matrizes de alumínio, chamadas de clichê. Foto: Divulgação.


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.