“Emprego apoiado busca o desenvolvimento profissional da pessoa com deficiência”

“Emprego apoiado busca o desenvolvimento profissional da pessoa com deficiência”

Após denunciar boicote a uma enfermeira com autismo no Hospital do Servidor Público de SP, o blog Vencer Limites convidou autoridades que atuam pela inclusão para avaliar o caso em artigos exclusivos. O segundo texto é assinado pela gerente de projetos de inclusão da i.Social, Mara Ligia Kiefer. Em pauta, a importância da estrutura de emprego apoiado para igualdade e equidade no ambiente de trabalho.

Luiz Alexandre Souza Ventura

27 Agosto 2018 | 10h32

IMAGEM 01: Após denunciar boicote a uma enfermeira com autismo no Hospital do Servidor Público de SP, o blog Vencer Limites convidou autoridades que atuam pela inclusão para avaliar o caso em artigos exclusivos. O segundo texto é assinado pela gerente de projetos de inclusão da i.Social, Mara Ligia Kiefer. Em pauta, a importância da estrutura de emprego apoiado para igualdade e equidade no ambiente de trabalho. Descrição #pracegover: Foto de Mara Ligia Kiefer. Ela tem cabelos castanhos e curtos. Está olhando para a câmera e sorrindo. Veste uma camisa preta. Crédito: Arquivo Pessoal / Mara Ligia Kiefer

IMAGEM 01: Após denunciar boicote a uma enfermeira com autismo no Hospital do Servidor Público de SP, o blog Vencer Limites convidou autoridades que atuam pela inclusão para avaliar o caso em artigos exclusivos. O segundo texto é assinado pela gerente de projetos de inclusão da i.Social, Mara Ligia Kiefer. Em pauta, a importância da estrutura de emprego apoiado para igualdade e equidade no ambiente de trabalho. Descrição #pracegover: Foto de Mara Ligia Kiefer. Ela tem cabelos castanhos e curtos. Está olhando para a câmera e sorrindo. Veste uma camisa preta. Crédito: Arquivo Pessoal / Mara Ligia Kiefer


A falta de estrutura de emprego apoiado, para garantir a pessoas com deficiência oportunidades equivalentes de aprendizado no ambiente de trabalho, pode destruir por completo um projeto de inclusão. O que deveria ampliar os acessos ao emprego, acaba por reduzir as chances de evolução profissional. Nesse processo, ficam evidentes as práticas de discriminação e exclusão.

Um exemplo dessa dinâmica invertida está escancarado na denúncia da enfermeira Andrea Batista da Silva, que tem autismo e relatou boicote de colegas e superiores no Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE) de São Paulo. O caso foi publicado com exclusividade pelo blog Vencer Limites. A reportagem levou o Ministério Público do Trabalho em São Paulo (MPT-SP) a abrir uma investigação.

O blog Vencer Limites convidou especialistas e autoridades que atuam pela inclusão para avaliar o caso em artigos exclusivos. O segundo texto é assinado por Mara Ligia Kiefer, gerente de projetos de inclusão da i.Social, consultoria de recursos humanos especializada na colocação de pessoas com deficiência mercado de trabalho.

Leia também o texto escrito pelo secretário municipal da pessoa com deficiência de São Paulo, Cid Torquato.


IMAGEM 01: Em denúncia publicada com exclusividade pelo blogVencerLimites, Andrea Batista da Silva afirma ter sido boicotada por colegas e superiores, avaliada sem receber apoio especializado para conhecer rotinas do HSPE e demitida após levar situação a público. Caso gerou reação de diversas instituições de defesa dos direitos das pessoas com deficiência. Descrição #pracegover: Foto dupla. No lado esquerdo, Andrea aparece sorrindo junto com quatro colegas em uma ala infantil hospitalar. No lado direito, imagem área do Hospital do Servidor Público de SP e a lista de aprovado em concurso, com o nome da enfermeira na quarta colocação. Crédito da foto: Arquivo pessoal / Andrea Batista da Silva

IMAGEM 02: Em denúncia publicada com exclusividade pelo blogVencerLimites, Andrea Batista da Silva afirma ter sido boicotada por colegas e superiores, avaliada sem receber apoio especializado para conhecer rotinas do HSPE e demitida após levar situação a público. Caso gerou reação de diversas instituições de defesa dos direitos das pessoas com deficiência. Descrição #pracegover: Foto dupla. No lado esquerdo, Andrea aparece sorrindo junto com quatro colegas em uma ala infantil hospitalar. No lado direito, imagem área do Hospital do Servidor Público de SP e a lista de aprovado em concurso, com o nome da enfermeira na quarta colocação. Crédito da foto: Arquivo pessoal / Andrea Batista da Silva


Emprego apoiado

Mara Ligia Kiefer*

As pessoas com deficiência mais severa sempre sofreram sérios obstáculos à sua inclusão no mercado formal de trabalho. Seja pelo fato de não haver acesso adequado ao ambiente de trabalho, seja pela falta de informação, pelo preconceito e pelas barreiras culturais. No entanto, nos últimos anos, temos visto um pequeno movimento no sentido de incluir essa parcela da população. E um dos motivos é a estrutura do Emprego Apoiado.

A metodologia do Emprego Apoiado trabalha primeiro a empregabilidade e depois a qualificação profissional. Parte do pressuposto de que todas as pessoas com deficiência têm a condição da empregabilidade. E o processo de inclusão é centrado no desenvolvimento profissional dessa população, para inserção nas empresas em condições de igualdade aos demais trabalhadores.

Nesse processo, a pessoa com deficiência tem o suporte de um agente do emprego apoiado que, ao conhecê-la, vai determinar seu perfil profissional, com base em suas habilidades, competências, potencialidades e, ainda, assiste e coordena sua inclusão nas vagas disponíveis.

É da responsabilidade desse agente construir a relação entre a empresa e a candidatura da pessoa com deficiência, além de alinhar o perfil profissional do candidato à vaga oferecida. Outra atribuição é oferecer assistência à empresa na integração desse trabalhador, apoiando na preparação do ambiente de trabalho, na gestão e retenção do contratado.

Ao mesmo tempo, acompanhar o profissional em treinamentos necessários para a execução das suas atividades, de forma a garantir-lhe a maior autonomia possível e a equidade de oportunidades.

*Mara Ligia Kiefer é gerente de projetos de inclusão da i.Social Consultoria e Responsabilidade Social.

Para receber nossas notícias direto em seu smartphone, basta incluir o número (11) 97611-6558 nos contatos e mandar a frase 'VencerLimites' pelo Whatsapp. VencerLimites.com.br é um espaço de notícias sobre o universo das pessoas com deficiência, integrado ao portal Estadão. Nosso conteúdo também está acessível em Libras, com a solução Hand Talk, e áudio, com a ferramenta Audima. Todas as informações publicadas no blog, nas nossas redes sociais e enviadas pelo Whatsapp são verdadeiras, produzidas e divulgadas após checagem e comprovação. Compartilhe apenas informação de qualidade e jamais fortaleça as 'fake news'. Se tiver dúvidas, verifique.

Para receber nossas notícias direto em seu smartphone, basta incluir o número (11) 97611-6558 nos contatos e mandar a frase ‘VencerLimites’ pelo Whatsapp. VencerLimites.com.br é um espaço de notícias sobre o universo das pessoas com deficiência, integrado ao portal Estadão. Nosso conteúdo também está acessível em Libras, com a solução Hand Talk, e áudio, com a ferramenta Audima. Todas as informações publicadas no blog, nas nossas redes sociais e enviadas pelo Whatsapp são verdadeiras, produzidas e divulgadas após checagem e comprovação. Compartilhe apenas informação de qualidade e jamais fortaleça as ‘fake news’. Se tiver dúvidas, verifique.


Mande mensagem, crítica ou sugestão para blogVencerLimites@gmail.com

Acompanhe o #blogVencerLimites nas redes sociais

Facebook Twitter Instagram LinkedIn Google+ YouTube