Enem 2015 tem mais de 50 mil pessoas com deficiência inscritas

Enem 2015 tem mais de 50 mil pessoas com deficiência inscritas

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), responsável pelo exame, garante que estrutura de acessibilidade vai promover inclusão de todos os estudantes.

Luiz Alexandre Souza Ventura

21 Outubro 2015 | 10h46

Exame tem lista de recursos de acessibilidade. Imagem: Reprodução

Imagem: Reprodução

———-

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) será realizado neste fim de semana em todo o País por 7.746.285 estudantes. São 211.890 salas em 1.723 municípios. Segundo dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), responsável pelo exame, entre os inscritos, 50.220 pessoas declaram ter alguma deficiência.

A lista inclui autismo, baixa visão, cegueira, deficiência auditiva, deficiência física, deficiência intelectual, déficit de atenção, discalculia (dificuldade no aprendizado dos números), dislexia, surdez e surdocegueira.

No total, 53.056 estudantes solicitaram recursos específicos, como auxílio de um ledor, ajuda para transporte, guia-intérprete, intérprete de Libras (Língua Brasileira de Sinais), leitura labial, mesa com cadeira separada, mesa para cadeira de rodas, prova ampliada, super ampliada ou em braille, além de acessibilidade para entrar na sala.

Imagem: Divulgação/INEP

Imagem: Divulgação/INEP

Imagem: Divulgação/INEP

Imagem: Divulgação/INEP

———-

No site do Enem há uma lista com todos os recursos de acessibilidade oferecidos. Consulte a mesma lista abaixo.

1 – Prova em Braille: prova transcrita segundo um código em relevo, destinado a pessoas que se declararam cegas. Os participantes que vão fazer a prova em Braille serão lotados em salas individuais e atendidos por duplas de ledores.

2 – Prova ampliada: prova impressa com fonte de tamanho 18 e com imagens ampliadas para facilitar a leitura por parte de pessoas com deficiência visual. O participante com baixa visão que, além de prova ampliada, tiver solicitado auxílio de ledor ou transcritor, será atendido em sala individual. Os que não tiverem solicitado auxílio serão acomodados em número máximo de 12 por sala.

3 – Prova superampliada: prova impressa com fonte de tamanho 24 e com imagens ampliadas para facilitar a leitura por parte de pessoas com deficiência visual. O participante com baixa visão que, além de prova superampliada, tiver solicitado auxílio de ledor ou transcritor, será atendido em sala individual. Os que não tiverem solicitado auxílio serão acomodados em número máximo de 12 por sala.

4 – Tradutor-intérprete de Libras: profissional capacitado para usar a Língua Brasileira de Sinais no atendimento de pessoas com deficiência auditiva ou surda, habilitado para mediar a comunicação entre surdos e ouvintes e, no ato da prova, esclarecer dúvidas dos usuários de Libras na leitura de palavras, expressões e orações escritas em Língua Portuguesa. Os profissionais que auxiliam participantes com surdez devem atuar em dupla, em sala com, no máximo, seis participantes.

5 – Leitura labial: profissional capacitado na comunicação oral de pessoas com deficiência auditiva ou surda, cujo serviço destina-se a pessoas com deficiência auditiva que não desejam a comunicação por meio de Libras e que se valem de técnicas de interpretação e da leitura dos movimentos labiais. O atendimento deve ser prestado por tradutores-intérpretes de leitura labial ou por profissionais que conheçam as necessidades das pessoas com deficiência auditiva. Os profissionais que prestam serviço de leitura labial devem atuar em dupla, em sala com, no máximo, oito participantes.

6 – Auxílio ledor: profissional capacitado para realizar a leitura de textos e descrição de imagens, cujo serviço destina-se a pessoas com deficiência visual, deficiência intelectual, autismo, déficit de atenção ou dislexia. Os ledores atuam em duplas e prestam serviço individualizado, em salas com apenas um participante. Também podem atuar como transcritores.

7 – Auxílio para transcrição: profissional capacitado para transcrever as respostas das provas objetivas e a redação, cujo serviço destina-se a pessoas impossibilitadas de escrever ou de preencher o cartão-resposta. Os transcritores prestam atendimento individualizado, em sala com apenas um participante.

8 – Guia-intérprete: profissional capacitado no atendimento de pessoas com surdocegueira, cujo serviço envolve formas de comunicação e técnicas de guia, tradução e interpretação para mediar a interação entre as pessoas com surdocegueira, a prova e os demais envolvidos na aplicação do exame. Guias-intérpretes atuam em dupla e prestam serviço individualizado, em salas com apenas um participante.

9 – Mobiliário acessível: mesas, cadeiras ou carteiras que garantam a realização das provas com conforto e segurança.

10 – Sala de fácil acesso: sala de prova com acesso facilitado a pessoas com mobilidade reduzida.

11 – Sala para amamentação: espaços reservados, nos locais de aplicação de prova, para a acomodação de crianças em fase de amamentação. A responsabilidade pelos cuidados da criança é do adulto indicado pelo participante do exame. É vedado o acesso da criança e do adulto às dependências onde se realizam as provas.

12 – Sala extra: sala extraordinária destinada a acolher participantes em condições que recomendem a separação dos demais, como em caso de doenças infectocontagiosas. Esse recurso não é disponibilizado no ato de inscrição.

13 – Classe hospitalar: é considerado participante em situação de classe hospitalar aquele cujo processo formal de escolarização se dá no interior de instituição hospitalar ou afim, na condição de estudante internado para tratamento de saúde. Não se caracteriza como participante em situação de classe hospitalar aquele que, na data do exame, estiver internado para realizar partos, cirurgias ou tratamentos esporádicos, bem como pessoas que trabalham na área de saúde.

14 – Sabatistas: participantes que indicaram no ato da inscrição que guardam os sábados por motivos religiosos. Para esses participantes, o exame será realizado em horário específico no sábado. Entretanto, deverão comparecer ao local de realização do exame no mesmo horário dos demais participantes, ou seja, às 12h (horário oficial de Brasília) e aguardar na sala de provas, para iniciá-las às 19h (horário oficial de Brasília). Os participantes inscritos para realização das provas nos estados de Roraima, Rondônia, Amazonas, Acre e Mato Grosso e Mato Grosso do Sul deverão aguardar até às 19h, horário local, para iniciarem as provas do primeiro dia. Ressalta-se que os participantes nesta condição não poderão realizar qualquer espécie de consulta, de comunicação ou de manifestação, do momento de ingresso na sala de provas até o término do exame.

———-

Mais conteúdo sobre:

Enem 2015