Escola de Impacto amplia atuação no segundo ano de trabalho

Escola de Impacto amplia atuação no segundo ano de trabalho

Projeto para estudantes de 14 a 19 anos, com e sem deficiência, das redes pública e privada, forma empreendedores sociais. Alunos aprendem a construir iniciativas de inclusão, diversidade e representatividade. Inscrições estão abertas.

Luiz Alexandre Souza Ventura

18 de janeiro de 2021 | 16h34

Use 26 recursos de acessibilidade digital com a solução da EqualWeb clicando no ícone redondo e flutuante à direita, ouça o texto completo com Audima no player acima, acione a tradução em Libras com Hand Talk no botão azul à esquerda ou acompanhe o vídeo no final da matéria produzido pela Helpvox com a interpretação na Língua Brasileira de Sinais.


Foto de um grupo de crianças e adolescentes sentados no chão, em volta de papéis brancos com frases impressas em tinta preta. Crédito: Divulgação.

Descrição da imagem #pracegover: Foto de um grupo de crianças e adolescentes sentados no chão, em volta de papéis brancos com frases impressas em tinta preta. Crédito: Divulgação.


A Escola de Impacto, projeto do Instituto Serendipidade com a Turma do Jiló, entra no segundo ano de trabalho abrindo ainda mais seus braços para receber alunos de 14 a 19 anos, com e sem deficiência, da redes pública e privada. Inscrições para novas turmas estão abertas (clique aqui), com aulas a partir de março.

“Nos propomos a entregar uma experiência completa de inclusão, diversidade e representatividade”, diz Henri Zylberstajn, fundador do Serendipidade. “Neste segundo ano, com novas mentorias, os alunos vão construir soluções e empreendimentos nas áreas que quiserem, coletivamente”, explica.

“Nossa equipe de educadores é representativa, para que os alunos enxerguem a si mesmos em seus mestres. Temos investidores sociais, apoiadores, gente que nos dá conselhos, pessoas em posições de liderança conquistadas com esforço próprio e uma história de crescimento por meio da educação, diretamente ligadas à filantropia e ao terceiro setor”, esclarece.

O projeto tem 100 alunos atualmente e a meta da Escola de Impacto é chegar no fim do ano com 500 estudantes matriculados. “Estamos desenvolvendo um projeto piloto para aplicar os conhecimentos adquiridos no curso, na prática em uma empresa, para funcionários, colaboradores, seus familiares, desde o trabalhador operacional até o presidente”, comenta o empreendedor.

“Queremos inspirar jovens a se tornarem mentores, para que tenham um propósito e possam contribuir para a evolução da sociedade. Somos uma ferramenta para disseminação e implementação da cultura ESG no País, formando a próxima geração de empreendedores sociais, de agentes de transformação”, afirma Henri Zylberstajn.

O termo ESG é uma referência a aspectos financeiros, impactos ambientais, sociais e de governança. A sigla é uma abreviação de Environmental, Social and Governance. O conceito foi criado para avaliar o desempenho das companhias e obter dados mais comparativos de cada área.

E = Environmental (Ambiental) se preocupa com a gestão das emissões de gases de efeito estufa, consumo de recursos naturais, como água, energia, produção e o descarte adequados de resíduos.

S = Social observa a diversidade de funcionários e campanhas externas, segurança no trabalho, relacionamento com colaboradores e valores da companhia.

G = Governança verifica se a empresa tem políticas e práticas controladas, diversidade nos conselhos, ética e práticas anticorrupção.

O curso é online e presencial, com dois anos de duração. No primeiro ano, os alunos são separados por idade e têm aulas de temas como sustentabilidade, direitos humanos, educação política, inclusão e desigualdade social, racismo, cultura de doação e filantropia, neurociência e preconceito, cultura ESG, saúde mental e assédio, para entender as demandas e problemas sociais do Pais.

Fazem parte dessa fase duas saídas ao campo de trabalho voluntário para sensibilização e concretização do aprendizados.

No segundo ano, os estudantes participam de laboratórios de inovação, criatividade e empreendedorismo, guiados e mentorados por especialistas. Nessa fase é aplicada a metodologia de design thinking, para desenvolvimento de produtos e serviços centralizados nas necessidades, desejos e limitações dos usuários.


REPORTAGEM COMPLETA EM LIBRAS (EM GRAVAÇÃO)
Vídeo produzido pela Helpvox com a versão da reportagem na Língua Brasileira de Sinais.


Para receber as reportagens do #blogVencerLimites no Whatsapp, mande ‘VENCER LIMITES’ para +5511976116558 e inclua o número nos seus contatos. Se quiser receber no Telegram, acesse t.me/blogVencerLimites.



Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.