Estudante surda mobiliza internet para tornar plataforma de educação digital acessível

Estudante surda mobiliza internet para tornar plataforma de educação digital acessível

Maria Clara Rosa Meier, de 18 anos, reuniu 80 mil assinaturas na Change.org para o site Descomplica incluir legendas e tradução em Língua Brasileira de Sinais nas videoaulas. Jovem passou no vestibular e vai cursar a faculdade de Letras-Libras na UFRJ. Acessibilidade é uma obrigação prevista na Lei Brasileira de Inclusão.

Luiz Alexandre Souza Ventura

30 de junho de 2021 | 14h07

Foto da estudante Maria Clara Rosa Meier, de 18 anos, que é branca, tem cabelos curtos e encaracolados, usa óculos de aros grandes e finos, veste uma camisa estampada e está com um notebook nas mãos, que tem na tela a página da plataforma Change.org.

“Minha forma de ouvir não é 100% igual a de ouvintes, tenho mais dificuldade de captar alguns sons”, diz a estudante Maria Clara Rosa Meier. Crédito: Divulgação (descrição da imagem em texto alternativo).


A estudante Maria Clara Rosa Meier, de 18 anos, que é surda e mora Niterói (RJ), mobilizou a internet durante nove meses e conseguiu reunir 80 mil assinaturas na plataforma Change.org para uma das maiores empresas de educação digital do Brasil, a Descomplica, incluir legendas e tradução em Língua Brasileira de Sinais nas videoaulas.

A oferta de recursos de acessibilidade é uma obrigação para empresas públicas e privadas prevista na Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (n° 13.146/2015).

Em setembro do ano passado, a jovem comprou um pacote de cursinho online e depois percebeu que não havia recursos de acessibilidade no conteúdo. Ela tem implante coclear, mas prefere usar aparelho auditivo. Mesmo com o dispositivo, escutar as aulas é difícil.

“Minha forma de ouvir não é 100% igual a de ouvintes, tenho mais dificuldade de captar alguns sons. A legenda, que a Descomplica não oferece, me ajuda nisso”, diz Maria Clara.

A Change.org enviou a reivindicação para empresas ou autoridades. Além disso, a estudante e seus apoiadores fizeram, em outubro, uma ação no Facebook da Descomplica, que ainda não havia se manifestado. A própra plataforma de abaixo-assinados entrou em contato com a empresa de educação digital, que tem aulas preparatórias para o vestibular e para o Enem

De acordo com a Change.org, os responsáveis pela Descomplica informaram que o tema seria considerado com atenção e que um plano de adaptação seria providenciado.

Na semana passada, segundo a plataforma de abaixo-assinados, a empresa de educação confirmou o início da legendagem das aulas.

Maria Clara passou no vestibular e vai cursar Letras, com ênfase em Libras, na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a partir de julho.

No ano passado, também pela plataforma Change.org, uma família, com pais surdos e filhas ouvintes, reuniu 152 mil assinatura para pedir recursos de acessibilidade nos cinemas (previsto desde 2015 na Lei Brasileira Inclusão, mas postergado pelo governo federal e pelas empresas), que resultou em mudanças em duas redes.


Para receber as reportagens do
#blogVencerLimites no Telegram,
acesse t.me/blogVencerLimites.



Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.