Estudantes transformam capacete em guia de movimentos para cegos

Estudantes transformam capacete em guia de movimentos para cegos

Alunos da rede pública do Ceará desenvolveram dispositivo que transmite vibrações para o braço e avisa quando um obstáculo está a dois metros de distância. Projeto concorre a prêmio científico da Samsung.

Luiz Alexandre Souza Ventura

05 de outubro de 2020 | 11h48

Use 26 recursos de acessibilidade digital com a solução da EqualWeb clicando no ícone redondo e flutuante, ouça o texto completo com Audima no player acima, acione a tradução em Libras com Hand Talk no botão azul à esquerda ou acompanhe o vídeo no final da matéria produzido pela Helpvox com a interpretação na Língua Brasileira de Sinais.


Foto de um capacete branco de construção civil adaptado com sensor de movimentos. Em volta estão peças de papel paraná e EVA,, bateria, cabo de alimentação e outros itens como uma placa eletrônica. Crédito: Divulgação.

Descrição da imagem #pracegover: Foto de um capacete branco de construção civil adaptado com sensor de movimentos. Em volta estão peças de papel paraná e EVA,, bateria, cabo de alimentação e outros itens como uma placa eletrônica. Crédito: Divulgação.


Alunos da Escola de Ensino Médio (EEM) Júlia Alenquer Fontenele, unidade da rede estadual do Ceará na cidade de Pindoretama, região metropolitana de Fortaleza, transformaram um capacete de construção civil em um guia de movimentos para pessoas com deficiência visual.

O dispositivo funciona de maneira similar ao sistema usado em automóveis. Quando um obstáculo está a dois metros de distância, o equipamento transmite para o braço um alerta vibratório gerado por um motor de corrente contínua.

Semifinalista do Prêmio Respostas para o Amanhã, da Samsung, desafio científico e tecnológico para alunos e professores da rede pública, o equipamento foi construído com papel paraná e EVA, além de sensores de infravermelho, uma bateria de nove volts e um cabo de alimentação.

O capacete tem sensores na frente e nas laterais. Detecta a presença de qualquer ser humano, animal ou objeto com tempo suficiente para a pessoa com deficiência visual conseguir parar. Ganhou o nome de TAAPDV (Tecnologia Assistiva Acessível para Pessoas com Deficiência Visual). Foi testado e aprovado por um usuário que tem baixa visão. Atualmente, está em fase de aprimoramentos.

O TAAPDV se destacou entre 520 projetos de 300 escolas públicas do País. Está entre os dez semifinalistas do prêmio da Samsung.

São parceiros dessa iniciativa a UNESCO no Brasil (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), Reduca (Rede Latino-Americana pela Educação), OEI (Organização dos Estados Ibero-americanos), Consed (Conselho Nacional de Secretários de Educação) e o CENPEC (Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária.


REPORTAGEM COMPLETA EM LIBRAS (EM GRAVAÇÃO)
Vídeo produzido pela Helpvox com a versão da reportagem na Língua Brasileira de Sinais gravada pelo intérprete e tradutor Gabriel Finamore.


Para receber as reportagens do #blogVencerLimites no Whatsapp, mande ‘VENCER LIMITES’ para +5511976116558 e inclua o número nos seus contatos. Se quiser receber no Telegram, acesse t.me/blogVencerLimites.



Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: