Google amplia acessibilidade do Android

Google amplia acessibilidade do Android

Principal novidade é a função para comandar o smartphone com os olhos e o rosto, recurso liberado em 80 idiomas, inclusive o português. Atualização de aplicativos traz digitalização de palavras escritas à mão e melhor reconhecimento de objetos, imagens e textos para reprodução em voz, além de recursos para pessoas com deficiência intelectual.

Luiz Alexandre Souza Ventura

23 de setembro de 2021 | 13h29

Novo recurso do Android usa a câmera do smartphone e associa comandos aos movimentos dos olhos e do rosto. Crédito: Divulgação.

Novo recurso do Android usa a câmera do smartphone e associa comandos aos movimentos dos olhos e do rosto. Crédito: Divulgação.


O Google anunciou nesta quinta-feira, 23, a ampliação dos recursos de acessibilidade do sistema operacional Android, usado em smartphones e tablets. A principal novidade é o lançamento dos ‘Interruptores de Câmera’, ferramenta que permite usar o aparelho por meio de gestos faciais e pela movimentação dos olhos.

O novo recurso usa a câmera do aparelho e associa comandos aos movimentos dos olhos – para cima, para a direita e para a esquerda – ou do rosto – levantar sobrancelhas, sorrir e abrir a boca – para ouvir música, assistir vídeos ou acessar emails, por exemplo. Também é possível atribuir gestos para abrir notificações, voltar para a tela inicial ou pausar a detecção de gestos.

A função foi desenvolvida para atender pessoas que não conseguem manusear o smartphone ou usar comandos de voz. “A câmera pode ser transformada em um botão personalizado”, afirma diz Allen Nikka, gerente de produto do time de acessibilidade do Google.



Atualizações – Dois aplicativos lançados em 2019 – Lookout e Action Blocks – foram atualizados. “Os recursos de acessibilidade são fundamentais para proporcionar experiências inclusivas. E o constante aprimoramento das ferramentas torna essas experiências ainda melhores, construir um Android cada vez mais acessível”, declara o Google.

O Lookout usa inteligência artificial para tornar o mundo físico mais acessível para pessoas cegas ou com baixa visão. Por meio da visão computacional, a ferramenta reconhece objetos, imagens e textos no mundo físico e anuncia em voz alta. Faz, por exemplo, identificação de embalagens de produtos até a descrição de objetos e pessoas ao redor. O modo Documentos, que em 2020 foi introduzido ao recurso para capturar textos, agora também lê textos escritos à mão. Basta apontar a câmera do smartphone para uma anotação que o aplicativo faz a digitalização.

O aplicativo Action Blocks, voltado principalmente a pessoas com deficiência intelectual, ganhou versão em português. Ele pode desbloquear o smartphone, fazer uma ligação, mandar uma mensagem de texto, tocar música, ler as notícias do dia, procurar vídeo YouTube e iniciar uma chamada de vídeo. Tudo é feito com atalhos identificados por ícones personalizados e reunidos na tela inicial. A meta é simplificar o processo.

O Google tem uma página que reúne todas as informações sobre a acessibilidade do Android, inclusive com a publicação de um eBook (clique aqui).



Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.