Google investe em projeto brasileiro para fazer mapa mundial de acessibilidade a partir do segundo semestre de 2013

Google investe em projeto brasileiro para fazer mapa mundial de acessibilidade a partir do segundo semestre de 2013

Luiz Alexandre Souza Ventura

22 Março 2013 | 02h00

Curta Facebook.com/VencerLimites
Siga @LexVentura
Mande mensagem para blogvencerlimites@gmail.com
O que você precisa saber sobre pessoas com deficiência

A partir do segundo semestre de 2013, qualquer pessoa que tiver um smartphone e acesso à internet poderá ajudar o Google a fazer um mapa mundial de acessibilidade. Pelo menos, é isso que promete o Access View, aplicativo brasileiro que tem previsão de lançamento em agosto. O projeto, batizado inicialmente de Accessibility View, foi vencedor da edição de 2012 do Creative Sandbox, concurso da empresa americana que reúne tecnologias inovadoras e ideias criativas para melhorar a vida das pessoas nas cidades.

Criado por Eduardo Battiston, o Access View tinha como ideia original fazer uma parceria com cadeirantes, somente em São Paulo. “Eles carregariam as câmeras e fariam todas as rotas de acessibilidade que a cidade possui, mas isso teria um custo aproximado de R$ 4,5 milhões, o que acabou tornando o trabalho inviável”, explica Battiston. Por isso, o projeto foi reavaliado e surgiu então o aplicativo, que será lançado com versões para Android, iPhone e – possivelmente – para BlackBerry.

Como funciona – O Access View terá comunicação direta com o Google Street View. O usuário chegará ao ponto escolhido, acionará o aplicativo e verá na tela do smartphone o local onde está. A partir disso, terá a opção de consultar duas listas. Uma com os principais problemas de acessibilidade e outra com bons exemplos. Desta forma, rampas, passarelas, calçadas, degraus, faixas para pedestres, elevadores, corrimões, pisos e inclinações poderão ser avaliados em tempo real. “Os bons exemplos receberão um pin de cor verde. E os problemas, uma marcação de cor vermelha”, explica Eduardo Battiston.

Um detalhe inovador e que deve fazer sucesso é a possibilidade de marcar estabelecimentos acessíveis ou não. “Você marca a rua, a calçada, a rampa e percebe que está em frente a um prédio comercial, por exemplo. Se este edifício tiver os itens de acessibilidade necessários, ganha o pin verde. Se falta algo, o usuário pode marcar com o pin vermelho. A informação ficará armazenada e, antes de pensar em ir ao local, a pessoa com deficiência já saberá o que vai encontrar”, diz o criador do Access View.

AACD – Ainda no projeto original, em 2012, uma das possibilidades seria trabalhar em conjunto com a Associação de Assistência à Criança com Deficiência (AACD). E, apesar das modificações, a ideia não foi abandonada, esclarece Eduardo Battiston. Sobre o assunto João Octaviano Machado Neto, CEO e superintendente da instituição, disse ter total interesse em colaborar.

Este blog tentou contato com representantes do Google no Brasil para conversar sobre o Access View, mas não houve resposta.

Exemplo de possíveis marcações da acessibilidade em São Paulo. Imagem: Reprodução

Exemplo de possíveis marcações da acessibilidade em São Paulo. Imagem: Reprodução