Grupos de escoteiros ampliam participação de pessoas com deficiência

Grupos de escoteiros ampliam participação de pessoas com deficiência

Meta é ter presença constante de escoteiros com deficiências nas equipes. Regional de São Paulo mantém atividades inclusivas desde 1998 e criou, no ano passado, uma equipe de diversidade e inclusão. Projetos e iniciativas têm base nos objetivos de desenvolvimento sustentável da Agenda ONU 2030.

Luiz Alexandre Souza Ventura

31 de maio de 2019 | 13h00


Ouça essa reportagem com Audima no player acima ou acompanhe a tradução em Libras com Hand Talk no botão azul à esquerda.


Descrição da imagem #pracegover: Pessoas com deficiência e jovens escoteiros do Mutirão Escotismo para Todos, Grupo Escoteiro Corrente, participam de atividade em São Paulo, em frente ao Parque da Vila Prudente. Crédito: Divulgação / Gilberto Kota.


A participação de pessoas com deficiência em grupos de escoteiros está crescendo no País, a partir de iniciativas e projetos que atendem aos objetivos de desenvolvimento sustentável da Agenda 2030 da ONU (Organização das Nações Unidas). Em 2016, o planejamento estratégico da União dos Escoteiros do Brasil incluiu temas relacionados a diversidade e inclusão, mas o grupo Escoteiros do Brasil – Região de São Paulo promove atividades voltadas ao tema desde 1998.

“Em setembro de 2018, criamos a equipe de Diversidade e Inclusão, que ajuda os grupos escoteiros a atender, de acordo com a política interamericana, toda a variedade de pessoas com e sem deficiência”, explica Alexandre Liber, coordenador regional da equipe de inclusão do Mundo Melhor. “Assim, promove um escotismo inclusivo com todas as pessoas tratadas de forma igualitária, sem preconceito ou discriminação”, diz o coordenador.

A meta é ter presença constante de escoteiros com deficiências nos grupos, mas ainda não é possível determinar quantas pessoas com deficiência fazem parte. A Regional de São Paulo está levantando esse número. “Isso não quer dizer que as unidades escoteiras locais paulistas já não estejam atuando com pessoas com deficiência”, ressalta Liber.


Descrição da imagem #pracegover: Pessoas com deficiência e jovens escoteiros do Mutirão Escotismo para Todos, Grupo Escoteiro Corrente, participam de atividade em São Paulo, em frente ao Parque da Vila Prudente. Crédito: Divulgação / Gilberto Kota.


O movimento escoteiro é voltado para jovens de 6,5 a 21 anos. Após 21 anos, o participante se torna chefe-voluntário para educação dos demais jovens. Na primeira fase, entre 6,5 e 10 anos, integra o Ramo Lobinho. Depois, entre 11 a 14 anos, o Ramo Escoteiro. Dos 15 aos 17 anos, o Ramo Sênior. A partir de 18 anos até 21, entra no Ramo Pioneiro.

“Dentro da faixa etária, qualquer pessoa pode fazer inscrição em qualquer grupo (o recomendado é que seja o mais próximo da casa dele)”, comenta Liber.

MAIS INCLUSÃO – “O método escoteiro e o programa educativo dos Escoteiros do Brasil são nossas principais ferramentas de trabalho. Tais recursos já são suficientemente flexíveis para incluir uma ampla variedade de situações. Nosso maior desafio hoje está no envolvimento e na qualificação de nossos educadores voluntários (chefes) para a causa da inclusão”, define o coordenador.

“Para isso, estamos à disposição dos grupos escoteiros que queiram tirar dúvidas de como ser acessível ou melhorar sua acessibilidade. De forma que eles estejam prontos para receber a pessoa com deficiência em qualquer momento. E a qualificação dos chefes será dada durante cursos que já acontecem para seu aperfeiçoamento”, afirma.


Descrição da imagem #pracegover: Pessoas com deficiência e jovens escoteiros do Mutirão Escotismo para Todos, Grupo Escoteiro Corrente, participam de atividade em São Paulo, em frente ao Parque da Vila Prudente. Crédito: Divulgação / Gilberto Kota.


ESCOTEIROS SÃO INCLUSIVOS? – “Da mesma forma que nossa sociedade vem avançando progressivamente no tema da inclusão e acessibilidade, o escotismo, na condição de mais um integrante dessa sociedade, vem trabalhando também neste sentido”, defende o coordenador.

“Já é relativamente comum encontrarmos em nossas unidades escoteiras associados com deficiência. O objetivo é estar cada vez mais aberto e realmente preparado para recebê-los. Exemplos próximos são os grupos escoteiros Corrente e Sardarabad. Ambos têm jovens com deficiência e transtornos neurológicos”, completa Alexandre Liber.

Para receber nossas notícias direto em seu smartphone, basta incluir o número (11) 97611-6558 nos contatos e mandar a frase ‘VencerLimites’ pelo Whatsapp. VencerLimites.com.br é um espaço de notícias sobre o universo das pessoas com deficiência integrado ao portal Estadão. Nosso conteúdo também está acessível em Libras, com a solução Hand Talk, e áudio, com a ferramenta Audima. Todas as informações publicadas no blog, nas nossas redes sociais e enviadas pelo Whatsapp são verdadeiras, produzidas e divulgadas após checagem e comprovação. Compartilhe apenas informação de qualidade e jamais fortaleça as ‘fake news’. Se tiver dúvidas, verifique.


Mande mensagem, crítica ou sugestão para blogVencerLimites@gmail.com

Acompanhe o #blogVencerLimites nas redes sociais

Facebook Twitter Instagram LinkedIn YouTube


Tudo o que sabemos sobre:

EscotismoEscoteirosInclusão

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: