“Guerra pode dizimar a população com deficiência da Ucrânia”

“Guerra pode dizimar a população com deficiência da Ucrânia”

Aliança Internacional da Deficiência, que representa mais de mil instituições no mundo, alerta para obrigações da Europa em garantir proteção e segurança. "Todas as pessoas com deficiência enfrentam um alto risco de perderem suas vidas com a escalada do conflito e das tropas da Rússia".

Luiz Alexandre Souza Ventura

01 de março de 2022 | 11h07

Foto de homem de 63 anos, careca e de barba cheia, com a perna direita amputada, sentado em uma cama, de frente para uma cadeira de rodas.

Idosos com deficiência não conseguem fugir dos ataques da Rússia à Ucrânia. Foto: Yulia Gorbunova / Human Rights Watch (Casa ‘Sviati Hory’ de Acolhimento, em Sviatohirsk, Ucrânia).


“Com a escalada do conflito e das tropas russas na Ucrânia, todas as pessoas com deficiência enfrentam um alto risco de perderem suas vidas e não terem acesso a evacuação segura, abrigo e assistência humanitária”, alertou a Aliança Internacional da Deficiência (IDA).

O grupo que representa mais de mil instituições do planeta declarou que os países da Europa, inclusive a Rússia e a Ucrânia, têm obrigações sob o direito internacional humanitário e o direito internacional dos direitos humanos para garantir proteção e segurança para pessoas com deficiência na Ucrânia.

“Em particular, o Artigo 11 da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, ratificada pela Rússia e pela Ucrânia, e a Resolução 2475 do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que cria obrigações claras e inderrogáveis ​​para garantir proteção e segurança iguais para todas as pessoas com deficiência, bem como o acesso oportuno e desimpedido à assistência humanitária”, diz o comunicado da IDA.

A entidade ressaltou ainda que as medidas tomadas para enfrentar a situação devem garantir os direitos, a inclusão e a participação de todos os grupos de pessoas com deficiência de acordo com as normas internacionais.


LEIA TAMBÉM:

“Guerra expõe antipatia da Ucrânia à população com deficiência”, diz Accessibility.com

Ator alemão lidera ação para resgatar pessoas com deficiência na Ucrânia

Pessoas com deficiência estão presas em Kiev

Guerra na Ucrânia já provoca abandono de pessoas com deficiência intelectual

“Situação das pessoas com deficiência na Ucrânia é terrível”, diz Fórum Europeu da Deficiência

ONU prevê deslocamento de 225 mil pessoas com deficiência na Ucrânia


Leia a íntegra de ‘No conflito na Ucrânia, o que acontece com as pessoas com deficiência?’

“A guerra prejudica a vida, a saúde e a segurança de todos os seres humanos, mas para aproximadamente três milhões de pessoas com deficiência e suas famílias que vivem na Ucrânia, a situação é muito pior. Como uma pessoa com deficiência que defende os direitos dos refugiados com deficiência há muitos anos, estou profundamente preocupado com meus irmãos e irmãs na Ucrânia que enfrentam múltiplas barreiras para acessar evacuação segura e assistência humanitária”, disse Yannis Vardakastanis, presidente da Aliança Internacional da Deficiência (IDA) e do Fórum Europeu da Deficiência (EDF).

“A guerra pode ser a causa de violações dos direitos humanos, incluindo os direitos das pessoas com deficiência, e deve terminar imediatamente. Enquanto isso, todas as partes envolvidas devem respeitar plenamente suas obrigações internacionais para garantir proteção e segurança para pessoas com deficiência”.

Representando mais de 1.100 organizações de pessoas com deficiência em todo o mundo, pedimos a todas as partes envolvidas que respeitem suas obrigações sob o direito internacional humanitário e o direito internacional dos direitos humanos para garantir proteção e segurança para pessoas com deficiência na Ucrânia. Em particular, o Artigo 11 da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, ratificada pela Rússia e pela Ucrânia, e a Resolução 2475 do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que cria obrigações claras e inderrogáveis ​​para garantir proteção e segurança iguais para todas as pessoas com deficiência, bem como o acesso oportuno e desimpedido à assistência humanitária.

A International Disability Alliance também apela a todos os atores humanitários, incluindo atores estatais e a União Europeia (UE), que estão ativamente envolvidos na prestação de ajuda à Ucrânia, para garantir o cumprimento das normas humanitárias internacionais – incluindo as Diretrizes do IASC sobre a Inclusão de Pessoas com Deficiência em Ação Humanitária. Quaisquer decisões, resoluções ou medidas internacionais adotadas para lidar com a situação na Ucrânia devem incluir as pessoas com deficiência, facilitando sua participação nas decisões que as afetam.

A Ucrânia, em particular as áreas orientais, está passando por uma emergência humanitária desde 2014. Mesmo antes da recente escalada da situação, muitas pessoas com deficiência enfrentaram desafios no acesso à ajuda humanitária e segurança. Um relatório do OCHA de 2021 estimou que, do número total de pessoas que precisavam de assistência humanitária, naquela época na Ucrânia, 13% tinham alguma deficiência. Agora, com a escalada do conflito e das tropas russas no país, todas as pessoas com deficiência enfrentam um alto risco de perder suas vidas e não ter acesso a evacuação segura, abrigo e assistência humanitária.

De acordo com as pessoas com deficiência e suas organizações representativas na Ucrânia, a situação para eles “é terrível. Por exemplo, os abrigos em Kiev são inacessíveis, então as pessoas com deficiência são forçadas a ficar em casa, sem saber para onde podem ir.”

Quando o conflito ocorre, todos correm para se mudar para áreas seguras, garantindo a segurança e a saúde para si e seus familiares. Mas para muitas pessoas com deficiência isso não é possível. Os planos de evacuação muitas vezes não são concebidos de forma acessível. Pessoas com deficiência não podem chegar a estações de metrô e bunkers. Em muitos casos, os abrigos são inacessíveis para pessoas que usam cadeiras de rodas, para entrar e navegar. Informações sobre evacuação de emergência, localização de abrigos e como procurar assistência não são fornecidas em formatos acessíveis. Consequentemente, muitas pessoas com deficiência sensorial, como cegos e com deficiência visual, surdos e com deficiência auditiva, e aqueles com surdocegueira não entendem como acessar a segurança e assistência limitadas disponíveis. O nível de estigma e ignorância contra pessoas com deficiência intelectual e pessoas com deficiência psicossocial aumenta durante o conflito, colocando-as em maior risco de serem deixadas para trás em evacuações e sofrerem violência e abuso.

Existem grupos que enfrentam risco adicional. Mulheres e meninas, crianças e idosos com deficiência e deslocados internos antes de incidentes recentes enfrentam vários desafios agravados durante o conflito. Milhares de crianças e adultos com deficiência também estão presos em instituições que correm o risco de serem abandonados ou de negligência grave.

A invasão desencadeou uma rápida condenação internacional e promessas de apoio e ajuda à Ucrânia. Em particular, o conflito levou a uma transformação sem precedentes na região, com a UE e os seus Estados Membros a tomarem medidas, tanto individualmente como em conjunto, para enfrentar a crise. É vital que os direitos e necessidades das pessoas com deficiência sejam incorporados a essas ações. Que todas as partes relevantes envolvidas na prestação de ajuda e apoio a civis em zonas de conflito compreendam e atendam às necessidades das pessoas com deficiência. Uma forte resposta europeia à invasão deve ser também aquela que reflete os valores da Europa de fazer avançar os direitos humanos.

“Temos fortes padrões internacionais. Como a voz representativa de mais de um bilhão de pessoas com deficiência em todo o mundo, quero lembrar a todos os atores que quaisquer medidas tomadas para enfrentar a situação e ajudar as pessoas afetadas devem garantir plenamente os direitos, a inclusão e a participação de todos os grupos de pessoas com deficiência de acordo com as normas internacionais”, disse Vladimir Cuk, Diretor Executivo da International Disability Alliance.


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.