Holanda começa a vacinar pessoas com deficiência contra a covid-19

Holanda começa a vacinar pessoas com deficiência contra a covid-19

Mulher com síndrome de Down foi a primeira a ser imunizada. População com deficiência está no grupo prioritário do país europeu. No Brasil, o governo do Pará incluiu as pessoas com deficiência na primeira fase da campanha.

Luiz Alexandre Souza Ventura

19 de janeiro de 2021 | 10h56

Use 26 recursos de acessibilidade digital com a solução da EqualWeb clicando no ícone redondo e flutuante à direita, ouça o texto completo com Audima no player acima, acione a tradução em Libras com Hand Talk no botão azul à esquerda ou acompanhe o vídeo no final da matéria produzido pela Helpvox com a interpretação na Língua Brasileira de Sinais.


Foto de uma mulher com síndrome de Down, de cabelos loiros e compridos. Ela está sorrindo e olhando para outra mulher. Ambas usam luvas. Crédito: Reprodução.

Descrição da imagem #pracegover: Foto de uma mulher com síndrome de Down, de cabelos loiros e compridos. Ela está sorrindo e olhando para outra mulher. Ambas usam luvas. Crédito: Reprodução.


Pessoas com deficiência já estão tomando a vacina contra a covid-19 na Holanda. A primeira foi Sanne, uma mulher com síndrome de Down, que aparece sorrindo, ao lado da mãe e de uma enfermeira, momento registrado pelo jornal De Telegraaf em reportagem publicada nesta terça-feira, 19. O governo holandês está usando as vacinas Moderna, BioNTech/Pfizer, Astrazeneca, CureVac, Janssen e Sanofi.

A brasileira Fatima de Kwant, que vive na Holanda, em Papendrecht, e tem um filho autista de 24 anos, disse ao #blogVencerLimites que nunca houve dúvida sobre a vacina para as pessoas com deficiência ou foi necessário pressionar as autoridades. “A gente nunca duvidou ou teve que lutar para que fossem vacinados logo”, afirma.

“A Holanda dividiu a vacina com outros países da Europa. Assim sendo, tomaremos em grupos de prioridade. O meu é o último, pela idade e condição de saúde”, explica a brasileira.


Página do jornal holandês 'De Telegraaf' com a reportagem sobre a vacinação de pessoas com deficiência. Crédito: Reprodução.

Descrição da imagem #pracegover: Página do jornal holandês De Telegraaf com a reportagem sobre a vacinação de pessoas com deficiência.Crédito: Reprodução.


Edinho, filho de Fátima, estuda Ciências Contábeis na Da Vinci College, na cidade de Purmerend, e trabalha como auxiliar de administração em uma empresa de empacotamento de alimentos. Por ser um setor essencial, não parou de trabalhar na pandemia, mas a empresa reforçou as medidas de proteção. Além de usar máscara e luva, ele está almoçando em uma sala separada e não na cantina.

“Edinho tem a opção de tomar a vacina, mas como é muito independente, não quis. Vai tomar com o resto da população, a partir de março”, explica Fátima, que é especialista em autismo, desenvolvimento e comunicação, é co-idealizadora da Reunida (Rede Unificada Nacional e Internacional pelos Direitos dos Autistas) e assessora do apresentador Marcos Mion para o tema.

Fátima celebrou o início da vacinação em uma publicação no Instagram, com a imagem do jornal holandês. “A foto diz mais que mil palavras. Sanne recebe a vacina com carinho, junto ao pessoal treinado, e de um parente. Com ela, milhares de outros holandeses com deficiência receberão a vacina a partir de hoje. As pessoas com deficiência são um grupo de risco, devido a vários fatores, entre outros, sua dificuldade em manter os protocolos de higiene para o público em geral (não abraçar, não tocar no rosto, lavar as mãos com frequência, manter distância, etc.) em razão da sua deficiência. É dever da sociedade protegê-las”, escreveu a brasileira.


Foto de Edinho de Kwant, homem branco de 24 anos, de cabelos castanhos e curtos, com óculos de aros retangulares e prateados. Usa máscara de proteção facial cinza e luvas de látex azuis. Crédito: Arquivo pessoal / Fátima de Kwant.

Descrição da imagem #pracegover: Foto de Edinho de Kwant, homem branco de 24 anos, de cabelos castanhos e curtos, com óculos de aros retangulares e prateados. Usa máscara de proteção facial cinza e luvas de látex azuis. Crédito: Arquivo pessoal / Fátima de Kwant.


Brasil – A Coordenação Estadual de Políticas para o Autismo do Pará (CEPA) anunciou nesta segunda-feira, 18, o Plano Paraense de Vacinação PPV/COVID-19, em acordo com o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a COVID-19.

“Estaremos aguardando maiores orientações do governo federal. A Coordenação Estadual de Políticas para o Autismo, juntamente com a Coordenação Estadual da Pessoa com Deficiência, estará atuando ativamente nas orientações técnicas e na logística adotada no processo de imunização dos grupos prioritários (4º fase)”, informou o órgão.


REPORTAGEM COMPLETA EM LIBRAS (EM GRAVAÇÃO)
Vídeo produzido pela Helpvox com a versão da reportagem na Língua Brasileira de Sinais.


Para receber as reportagens do #blogVencerLimites no Whatsapp, mande ‘VENCER LIMITES’ para +5511976116558 e inclua o número nos seus contatos. Se quiser receber no Telegram, acesse t.me/blogVencerLimites.



Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.