Homens héteros brancos e sem deficiência permanecem dominantes nas empresas

Homens héteros brancos e sem deficiência permanecem dominantes nas empresas

Pesquisa sobre diversidade feita durante dois anos com 26 mil pessoas mostra a profunda desigualdade ainda predominante no mercado de trabalho brasileiro. Enquete constata que discurso inclusivo das corporações tem pouco reflexo na representatividade.

Luiz Alexandre Souza Ventura

19 de janeiro de 2022 | 16h16

Foto de Liliane Rocha ministrando palestra para um grupo de maioria masculina e branca. Público está de costas para a câmera. A palestrante é negra e está em pé, falando ao microfone.

“Agir é trabalhoso e demanda tempo, mas é necessário começar hoje”, alerta Liliane Rocha, fundadora e CEO da Gestão Kairós. Foto: Divulgação.


Homens héteros brancos e sem deficiência permanecem dominantes no mercado de trabalho no Brasil, diz o estudo ‘Diversidade, Representatividade & Percepção – Censo Multissetorial da Gestão Kairós’, que entrevistou 26.619 pessoas, entre líderes, liderados, aprendizes e estagiários de empresas, no período de 2019 a 2021. A pesquisa constatou que homens são 68% dos funcionários, 64% brancos, 94,6% heterossexuais, 99,6% cisgênero e 97,3% sem deficiência.

A enquete também mostra que 84% dos entrevistados afirmaram haver valorização da diversidade de gênero nas empresas, mas o levantamento revela que as mulheres são 32% da força de trabalho, percentual que cai para 8,9% quando se trata de mulheres negras. Lésbicas, gays e bissexuais são 6% e pessoas transgênero apenas 0,4%.

Funcionários negros representam 33%, amarelos são 2,5% e indígenas somente 0,9%. As pessoas com deficiência são 2,7% e 5,2% são pessoas com 50 anos ou mais.

População – Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), nosso País tem 214 milhões de habitantes. Desse total, 54% são pessoas negras. De acordo com a PNAD Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), as mulheres são 51,8% do total de habitantes no País. A Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) estima em 18 milhões o número de pessoas LGBTQIA+. E o Ministério da Saúde, em sua Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), divulgada em 2021, afirma que o Brasil tem 17 milhões de pessoas com deficiência.

“Mesmo empresas que atuam com seriedade para implementar práticas de diversidade e inclusão, que fazem a ‘lição de casa’, com diagnósticos, metas e indicadores, não conseguem representar a demografia da sociedade brasileira nos quadros funcionais, principalmente na liderança. O mercado de trabalho permanece desigual quando se trata de contratar mulheres, mulheres negras, LGBTQIA+, pessoas com deficiência, pessoas com 50 anos ou mais”, diz Liliane Rocha, fundadora e CEO da Gestão Kairós.

“As empresas compreenderam que falar sobre diversidade e inclusão é importante, fazem eventos, palestras e treinamentos sobre o assunto, mas é fundamental compreender que ela só serão inclusivas de fato quando a perspectiva da diversidade for incorporada, contemplada na governança e na gestão”, afirma a especialista, que faz parte do conselho de diversidade do CEO´s Legacy, iniciativa da Fundação Dom Cabral, da Ambev e da Novelis.

“A única forma de fazer essa mudança em um curto período de tempo é por meio de ações afirmativas. Olhar a diversidade, querer trazê-la para dentro da empresa e realmente trazer. As empresas não podem continuar se apoiando na justificativa de que ainda estão no início da jornada, de que não têm informação, de que não sabem como valorizar a diversidade. Já passamos dessa fase. Agora, precisamos agir. É trabalhoso e demanda tempo, mas é necessário começar hoje”, alerta Liliane Rocha.


Foto de Liliane Rocha ministrando palestra para um público diverso em um grande salão. A imagem feita de um ponto alto mostra o público sentado no chão. A palestrante é negra e está em pé, falando ao microfone. No alto, uma tela com trecho da apresentação.

Pesquisa mostra que o discurso inclusivo das corporações têm pouco reflexo na representatividade. Foto: Divulgação.


DIVERSIDADE, REPRESENTATIVIDADE & PERCEPÇÃO
Censo Multissetorial da Gestão Kairós

26.619 entrevistados

DIVERSIDADE
Homens (68%)
Brancos (64%)
Cisgênero (99,6%)
Sem Deficiência (97,3%)
Heterossexuais (94,6%)

REPRESENTATIVIDADE
Negros (33%)
Mulheres (32%)
Mulheres Negras (8,9%)
Lésbicas, Gays e Bissexuais (6%)
Pessoas com 50 anos ou mais (5,2%)
Pessoas com Deficiência (2,7%)
Amarelos (2,5%)
Indígenas (0,9%)
Transgênero (0,4%)

PERCEPÇÃO

Valorização da Diversidade
SIM para 84% dos entrevistados
NÃO para 26% das mulheres

Valorização de Raça e Etnia
SIM para 83% dos entrevistados
NÃO para 16% de negros

Valorização das Pessoas com Deficiência
SIM para 78% dos entrevistados
NÃO para 22% das pessoas com deficiência

Valorização da diversidade sexual
SIM para 80% dos entrevistados
NÃO para 38% de Lésbicas, Gays e Bissexuais
NÃO para 24% de Transgêneros


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.