Projeto promove a inclusão de pessoas com deficiência intelectual no mercado de trabalho

Projeto promove a inclusão de pessoas com deficiência intelectual no mercado de trabalho

'IncluiCCEE', da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, tem apoio da Apae de São Paulo. Quatro jovens já foram contratados. Meta é ampliar potencial dos funcionários.

Luiz Alexandre Souza Ventura

03 de junho de 2016 | 09h31

Meta do projeto é fortalecer o potencial dos funcionários com deficiência intelectual, fortalecendo suas habilidades e competências. Imagem: Divulgação

Meta do projeto é fortalecer o potencial dos funcionários com deficiência intelectual. Imagem: Divulgação

———-

O acesso da pessoa com deficiência ao trabalho tem muitos obstáculos. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), das 46 milhões de pessoas que afirmam ter deficiência no Brasil, somente 350 mil têm emprego formal, com carteira assinada e benefícios previstos na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

A frequente oferta de vagas menores, com baixos salários, a falta de qualificação dos candidatos, além do estigma, do preconceito e também do desinteresse de empresários na inclusão, criam barreiras difíceis de vencer, que ampliam a exclusão.

Para destruir esses obstáculos e abrir cada vez mais as portas do mercado de trabalho para a diversidade, a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) criou, parceria com a Apae de São Paulo, um programa de inclusão profissional para pessoas com deficiência intelectual batizado de ‘IncluiCCEE, oportunidade para todos’.

Os interessados devem procurar a Apae, que elabora o perfil vocacional dos candidatos, com atenção às vontades e potencialidades da pessoa dentro de um universo específico de trabalho.

“A qualidade da educação torna pessoas com deficiência mais competitivas no mercado de trabalho”

O projeto tem duração de um ano e a meta é ampliar o potencial dos funcionários, fortalecendo suas habilidades e competências. Quatro colaboradores, com idade entre 20 e 27 anos, já foram contratados e trabalham no setor administrativo, com as secretárias, e também na central de documentação da Câmara. A jornada diária é de 4 horas.

O desenvolvimento desses profissionais é acompanhado pela Apae, que esclarece dúvidas e reforça a importância da diversidade no ambiente de trabalho. A contratação por meio do projeto tem três fases: análise do perfil, desenvolvimento no ambiente de trabalho e acompanhamento após a contratação.

A CCEE tem mais de 300 empregados, inclusive profissionais com deficiência física, auditiva e visual. Na página da Câmara na internet é possível acompanhar a oferta de vagas, cadastrar currículo e se candidatar.

———-

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: