Instituto Mauá lança pós-graduação em Diversidade e Inclusão

Instituto Mauá lança pós-graduação em Diversidade e Inclusão

Inédito no País - e, talvez, no mundo -, o curso de aperfeiçoamento é voltado a profissionais, empresários, consultores, analistas e gestores estratégicos atuantes na área de Recursos Humanos - e outros segmentos - que precisam entender e implantar, em curto ou médio prazo, a diversidade e a inclusão de pessoas com deficiência nas empresas.

Luiz Alexandre Souza Ventura

29 Maio 2015 | 11h00

Curta Facebook.com/VencerLimites
Siga @LexVentura
Mande mensagem para blogvencerlimites@gmail.com
O que você precisa saber sobre pessoas com deficiência

Aulas são ministradas no campus São Paulo. Imagem: Reprodução

Aulas serão ministradas no campus São Paulo. Imagem: Reprodução

Empresas que apostam na diversidade são mais produtivas e rentáveis. Quem afirma é o professor Fábio Uzunof, coordenador do curso de pós-graduação em Gestão Estratégica em Diversidade e Inclusão, lançado nesta sexta-feira, 29, pelo Instituto Mauá de Tecnologia. “Quando falamos em diversidade, além de pessoas com deficiência, devemos incluir crença, regionalidade, sexualidade, etnia, refugiados, aprendizes e até a situação da mulher no mercado corporativo”, diz.

Inédito no País – e, talvez, no mundo -, o curso de aperfeiçoamento é voltado a profissionais, empresários, consultores, analistas e gestores estratégicos atuantes na área de Recursos Humanos – e outros segmentos – que precisam entender e implantar, em curto ou médio prazo, a diversidade e a inclusão de pessoas com deficiência nas empresas. “Há uma grande demanda por trabalhadores com deficiência. Com a Lei de Cotas, existem 1 milhão e 50 mil vagas, mas somente 350 mil estão preenchidas. A dificuldade para encontrar as outras 650 mil pessoas é fruto da falta de profissionais multidisciplinares preparados para integrar essas pessoas, que compreendam a diversidade em sua totalidade e sejam realmente capazes de implantar projetos com essa finalidade”, afirma o professor.

Para Fábio Uzunof, é necessário desmitificar esse universo. “É falsa a ideia de que não existe pessoa com deficiência com formação intelectual e acadêmica. De acordo com Censo 2010 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), nosso país tem 10 milhões de pessoas com deficiência que concluíram o ensino médio e, desse total, 2,5 milhões têm formação superior. Por isso, as empresas precisam avaliar o conhecimento e não a deficiência. O foco precisa ser em competências, conhecimentos e habilidades”.

Campus São Paulo do Instituto Mauá fica na Vila Mariana. Imagem: Reprodução/Google Maps

Campus São Paulo do Instituto Mauá fica na Vila Mariana. Imagem: Reprodução/Google Maps

Com início previsto para a primeira semana de agosto, o curso tem 180 horas de duração, com aulas duas vezes por semana (segunda-feira e quarta-feira), durante dez meses, no campus São Paulo, que fica na Rua Pedro de Toledo, nº 1.071, na Vila Mariana (consulte o mapa). Para participar, o candidato precisa ter graduação e experiência profissional nos setores abordados. A seleção dos inscritos será feita por meio da avaliação do currículo e também em uma entrevista.

A grade foi estruturada em dez disciplinas.
– Panorama histórico da Diversidade e Inclusão de Pessoas com Deficiência.
– Legislação de A a Z e Renúncia Fiscal como Financiadora de Projetos.
– Barreiras Arquitetônicas, Digitais, Atitudinais e Tecnologias Assistivas.
– Planejamento Integrado de Recursos e Investimentos.
– Recrutamento, Seleção, Politicas de Retenção dentro da realidade de Diversidade.
– Gestão Através de Indicadores.
– Cultura Organizacional.
– Parcerias com Governo Estadual, Municipal e Terceiro Setor.
– Marketing e Comunicação como Ferramentas de Gestão.
– Geração de Valor através da Inovação e o “Futures Thinking”.

Já estão confirmados 19 professores:

– José Carlos do Carmo, médico e sanitarista (USP), mestre pela Faculdade de Medicina da USP e Auditor Fiscal do Trabalho (MTE/SP).
– Lilia Guedes Cardoso, arquitetura e urbanista (UFMG) e especialista em Gestão (Dom Cabral).
– Elisa Prado de Assis, arquiteta e urbanista (Universidade Presbiteriana Mackenzie), pós-graduada em Tecnologia de Edificações (Poli/USP) e mestre pela (FAU-USP).
– Andréa Dos Santos Regina – bacharel em Letras ( Alemão/Português) pela USP, com especialização em Promoção da Saúde (FMUSP), em Terceiro Setor e Responsabilidade Social (CEATS/USP), Administração de Marketing (FGV/SP) e MBA em Administração de Empresas com Ênfase em Gestão (FVG).
– Marli Santander, graduada em Administração de Empresas (PUC/SP) e mestre em Tecnologia da Inteligência e Design Digital (PUC-SP).
– Adriano Bandini, psicólogo com licenciatura plena (USJT) e especialização em Diversidade.
– Daniel Egger, engenheiro mecânico e de automação (HTL-Áustria), formado em Administração de Empresas pela Leopold-Franzens Universität Innsbruck, com mestrado em Empreendedorismo e Inovação (BI International / Babson School).
– Fernanda Borges Esposito, formada em Administração (PUC-SP), com especialização em Marketing (ESPM) e MBA em Gestão de Negócios (BI Internacional/ Business School).
– Marcelo Vitoriano – psicologia clínico (UNIA – Centro Universitário de Santo André) e mestre em Psicologia da Saúde (Universidade Metodista de São Paulo).
– Eliane Vieira de Oliveira, psicóloga clínica (UNIP), com especialização em Psicologia Organizacional e do Trabalhador (Universidade Presbiteriana Mackenzie).
– Rodrigo Guilhen, psicólogo clínico (Universidade Presbiteriana Mackenzie) e mestre em Psicologia (USP).
– Flávio Gonzalez, psicólogo clínico (UNIA – Centro Universitário de Santo André), com especialização em Psicossomática e Psicologia Clinica Hospitalar (UNIA).
– Edson Defendi, psicólogo clínico (Universidade São Francisco), com especialização em Psicologia Hospitalar e Reabilitação (USP), e mestre em Psicologia (PUC/SP).
– Maria Isabel Silva, bacharel em Comunicação Social e Jornalismo (PUC/SP), com especialização em Gestão de Processos Comunicacionais e Psicologia da Comunicação (USP) e em Psicologia da Comunicação (Fundação Cásper Líbero).
– Rodrigo Vilella, fisioterapeuta (Universidade de Santo Amaro/SP), com especialização em Medicina Comportamental (UNIFESP) e mestre em Reumatologia (FMUSP).
– Cid Torquato, advogado (Faculdade de Direito da USP), com especialização em Direito Empresarial (USP).
– Luiz Carlos Lopes, jornalista (ECA-USP), com especialização em Gestão Pública (USP).
– Marinalva da Silva Cruz, formada em Administração de Recursos Humanos (UniSant’Anna/SP), com especialização em Gestão Pública (FESPSP).
– Antonio Carlos Munhoz, filósofo (Universidade Metodista/SP) e Secretário Adjunto da Secretaria da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida da Cidade de São Paulo (SMPED).

Mais conteúdo sobre:

DiversidadeEducaçãoInclusão