Lições de inclusão para a vida

Lições de inclusão para a vida

Empresa abraça projeto para pessoas com deficiência vencedor de mostra científica do Colégio Dante Alighieri. Atividade escolar reuniu 76 soluções acessíveis desenvolvidas pelos alunos e quatro foram premiadas com visitas a grandes corporações.

Luiz Alexandre Souza Ventura

20 de dezembro de 2018 | 17h30

IMAGEM 01: Empresa abraça projeto para pessoas com deficiência vencedor de mostra científica do Colégio Dante Alighieri. Atividade escolar reuniu 76 soluções acessíveis desenvolvidas pelos alunos e quatro foram premiadas com visitas a grandes corporações. Descrição da imagem #pracegover: Quatro estudantes estão um laboratório, em volta de uma mesa que tem várias ferramentas e peças para montagem de equipamentos eletrônicos. Ao redor, outras peças penduradas, caixas e prateleiras. Crédito: Colégio Dante Alighieri.

IMAGEM 01: Empresa abraça projeto para pessoas com deficiência vencedor de mostra científica do Colégio Dante Alighieri. Atividade escolar reuniu 76 soluções acessíveis desenvolvidas pelos alunos e quatro foram premiadas com visitas a grandes corporações. Descrição da imagem #pracegover: Quatro estudantes estão um laboratório, em volta de uma mesa que tem várias ferramentas e peças para montagem de equipamentos eletrônicos. Ao redor, outras peças penduradas, caixas e prateleiras. Crédito: Colégio Dante Alighieri.


“Acessibilidade, inclusão e as deficiências têm de fazer parte da pauta diária. Precisamos influenciar formadores de opinião, idealizadores de políticas públicas e a sociedade”, afirma Valdenice de Cerqueira, diretora de tecnologia do Colégio Dante Alighieri, em São Paulo.

“Empresas que pensam em soluções, tecnológicas ou não, precisam incluir pessoas com deficiência no público que pretendem atingir. Neste sentido, a escola tem obrigações com a inclusão de uma maneira ampla, geral, para o aluno reproduzir essa visão fora do ambiente educacional. A meta é que os alunos concluam essa formação com olhar ampliado, observando tudo e todos na perspectiva da inclusão”, defende a educadora.

Os resultados dessa prática no Dante Alighieri foram apresentados em outubro, durante a mostra científica Dante GEN, que premiou dez projetos, sendo quatro voltados para a acessibilidade e a inclusão de pessoas com deficiência.




Uma das soluções já foi abraçada por uma grande corporação e está em fase de registro de patente para ser incluída na lista de produtos comercializados pela companhia. Os nomes da corporação e do estudante são mantidos em sigilo.

“Foi uma surpresa. Isso ocorreu logo após a mostra. A negociação entre a empresa e família do aluno, que tem menos de 18 anos, já está acontecendo”, conta Sandra Tonidandel, coordenadora-geral pedagógica do colégio. “Um dos nossos professores e um advogado da escola acompanham esse processo”, comenta a professora.

A coordenadora considera muito positivo o grande número de alunos envolvidos com os projetos voltados às pessoas com deficiência. “Foram centenas de estudantes, no plural mesmo, e seus familiares, envolvidos num processo de empreendedorismo social, pensando além do lucro financeiro, com prioridade para melhorar a qualidade de vida”, celebra Sandra Tonidandel.



PROJETO – Ranking de estabelecimentos com base em sua acessibilidade para pessoas com deficiência. Projeto dos alunos do 2º ano Lucas de Almeida Pires, Pedro Henrique Brosco Batistella de Moraes,Pedro Ribeiro Ferros e Rafaela Porto Abdalla, que participaram de uma vivência na startup Explorum.

RESUMO – Criação de um website para pessoas com deficiência darem notas e estabelecerem um ranking dos locai acessíveis. O possível lucro seria gerado com propagandas e parcerias com empresas. A página funciona como uma espécie de ferramenta de busca que seleciona estabelecimentos com base em sua acessibilidade, além de condensar os tipos de estabelecimento na mesma plataforma, com filtros e ferramentas de pesquisa e utilização.



PROJETO – Theia, o óculos leitor. Projeto dos alunos do 2º ano Luisa Henriette Antonini Ripoli, Pedro Paulo Herrero Matos, Pedro Silveira Prodonoff e Raphael Augusto Silva Giannattasio, que visitaram a Cisco.

RESUMO – Projeto criado para dar autonomia a pessoas com deficiência visual na leitura de livros escritos que não foram impressos em braile. O dispositivo funciona com inteligência artificial (IBM Visual Recognition) para identificação de texto na imagem e de ‘Text-to-Speech’, que transforma o texto em áudio, reproduzido por um pequeno alto falante na haste. Maior inovação do projeto é a popularização do acesso, com oferta do óculos em bibliotecas, livrarias, escolas e outros ambientes de leitura. Vínculo empresa/aparelho será estabelecido por contrato de locação que contempla relatório diário sobre estado do produto.



PROJETO – #PraCegoComprar. Projeto dos alunos do 2º ano Ana Beatriz Barbosa Casolaro, Guilherme Porfirio Ferla, Isabella Sadakata Takara e Lucca Pontes Baldan, que visitaram a IBM.

RESUMO – Em um supermercado, a pessoas com deficiência aciona aplicativo instalado no smartphone, clica no botão ‘lista’, e o app faz a audiodescrição dos itens. Para encontrar cada produto, usa localização indoor Wi-Fi para chegar na sessão desejada e alcançar a prateleira onde está o produto. O usuário faz uma foto desse produto e o aplicativo, por áudio, informa nome, preço, detalhes nutricionais e especificações (contém leite ou glúten, por exemplo).



PROJETO – Boné sensorial. Projeto dos alunos do 2º ano Lorenzo Percussi, Rafaella Gozzi Maksoud, Thomaz Nogueira Raimondo e Yanly Kassin Erh, que visitaram o laboratório Fleury.

RESUMO – Solução para a locomoção de pessoas com deficiência visual que não têm cão-guia. O boné tem na parte da frente um sensor Sharp, com alcance de 80 cm, e uma placa Vibracall, ambos ligados com uma placa Arduino. O sistema é ajustável e programado para detectar um obstáculo que estiver a até 40 cm de distância. A placa vibra para alertar o usuário. Produto de custo baixo e longa duração. O boné é utilizado na solução porque acidentes que envolvem a cabeça são normalmente mais graves e podem ser evitados porque a solução vai avisar sobre a aproximação de placas e objetos pendurados.

Para receber nossas notícias direto em seu smartphone, basta incluir o número (11) 97611-6558 nos contatos e mandar a frase 'VencerLimites' pelo Whatsapp. VencerLimites.com.br é um espaço de notícias sobre o universo das pessoas com deficiência, integrado ao portal Estadão. Nosso conteúdo também está acessível em Libras, com a solução Hand Talk, e áudio, com a ferramenta Audima. Todas as informações publicadas no blog, nas nossas redes sociais e enviadas pelo Whatsapp são verdadeiras, produzidas e divulgadas após checagem e comprovação. Compartilhe apenas informação de qualidade e jamais fortaleça as 'fake news'. Se tiver dúvidas, verifique.

Para receber nossas notícias direto em seu smartphone, basta incluir o número (11) 97611-6558 nos contatos e mandar a frase ‘VencerLimites’ pelo Whatsapp. VencerLimites.com.br é um espaço de notícias sobre o universo das pessoas com deficiência, integrado ao portal Estadão. Nosso conteúdo também está acessível em Libras, com a solução Hand Talk, e áudio, com a ferramenta Audima. Todas as informações publicadas no blog, nas nossas redes sociais e enviadas pelo Whatsapp são verdadeiras, produzidas e divulgadas após checagem e comprovação. Compartilhe apenas informação de qualidade e jamais fortaleça as ‘fake news’. Se tiver dúvidas, verifique.


Mande mensagem, crítica ou sugestão para blogVencerLimites@gmail.com

Acompanhe o #blogVencerLimites nas redes sociais

Facebook Twitter Instagram LinkedIn Google+ YouTube