Mara Gabrilli lidera missão do Senado na ONU para mandar insumos e resgatar civis na Ucrânia

Mara Gabrilli lidera missão do Senado na ONU para mandar insumos e resgatar civis na Ucrânia

Senadora fala com exclusividade ao blog Vencer Limites sobre as articulações para enviar avião da FAB com suprimentos, itens médicos, água e comida, além de retornar ao Brasil com cidadãos brasileiros e refugiados da guerra.

Luiz Alexandre Souza Ventura

16 de março de 2022 | 13h25

Foto de um monitor de vídeo que mostra a senadora Mara Gabrilli falando ao microfone em reunião da ONU em Genebra.

Mara Gabrilli viajou para Genebra, na Suiça, no começo deste mês, onde participa, até o dia 25, das reuniões presenciais do Comitê da ONU sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Foto: Divulgação.


Uma missão do Senado brasileiro na Organização das Nações Unidas (ONU), liderada pela senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP), tenta enviar à Ucrânia um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) com suprimentos, insumos médicos, água e comida, além de retornar ao País com cidadãos brasileiros e refugiados da guerra.

A parlamentar fala com exclusividade ao blog Vencer Limites sobre a operação. “Tenho conversado diariamente com cidadãos ucranianos, que fazem relatos sobre a situação em meio à guerra. Alguns querem deixar o país”, diz Gabrilli.

Entre essas pessoas está Victoria Stasiv, prinicipal responsável pelo resgate de 40 idosos com deficiência que ficaram sozinhos em uma casa de acolhimento. Ela mora em Lviv, a região foi bombardeada e Victoria busca maneiras de escapar dos ataques russos.

“Tropas russas invadem as casas das pessoas e as matam. O mesmo acontece com quem está de carro. Fugi para o subsolo por causa do ataque aéreo. A situação piora a cada dia. Pensamos em ir para a Alemanha porque a Polônia já está superlotada”, contou Victoria nesta quarta-feira, 16, em relato exclusivo ao blog Vencer Limites.

Mara Gabrilli viajou para Genebra, na Suiça, no começo deste mês, onde participa, até o dia 25, das reuniões presenciais do Comitê da ONU sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Ela continua comparecendo remotamente às sessões e votações do Senado.

A senadora foi eleita para o Comitê em 2018, para um mandato de 2019 a 2023. As reuniões são semestrais, com 20 dias de duração. A ONU banca a passagem e a estadia durante o encontro. Não há custo para o integrante nem para o País.

A missão oficial do Senado na ONU acompanha as tratativas do Brasil sobre direitos humanos na Ucrânia durante a guerra. Gabrilli mantém conversas com a Missão Permanente do Brasil na ONU em Genebra, com o governo federal, por meio dos ministérios da Saúde e das Realações Exteriores, com voluntários brasileiros na Ucrânia, entidades internacionais do terceiro setor, empresários, parceiros médicos e fornecedores no Brasil.

Mara Gabrilli está em contato com representantes do Frente Brazuca, um grupo de voluntários que ajuda brasileiros e ucranianos. “Esse grupo apresentou lista com 26 insumos hospitalares, além de água e comida, que precisam chegar aos feridos em um hospital da Ucrânia, na região da fronteira com a Polônia”. afirma a senadora.

Gabrilli também conversou pessoalmente com Rachel Levitan, vice-presidente da HIAS International (Hebrew Immigrant Aid Society), organização sem fins lucrativos que fornece ajuda humanitária e assistência a refugiados. “Essa entidade vai atuar para a garantir chegada do avião da FAB à Ucrânia e a distribuição correta dos insumos”, diz a parlamentar brasileira.

A senadora tenta ainda se reunir com integrante da ACNUR (Agência da ONU para Refugiados), da Handicap International (ONG que trabalha com refugiados com deficiência) e da International Disability Alliance (IDA).

“Falei com o embaixador brasileiro na missão permanente do Brasil na ONU Genebra, Tovar da Silva Nunes. Ele se colocou à disposição para conseguir o avião da FAB”, relata Gabrilli. “O Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, ofereceu os serviços da assessoria internacional da pasta”, comentou a senadora.

O corpo diplomático brasileiro informou que o avião só pode ser liberado quando estiver carregado de insumos, por isso, Gabrilli pediu ajuda à bancada feminina do Senado, a diversos senadores, inclusive o presidente Rodrigo Pacheco, também para Jorge Solla, coordenador-geral de cooperação humanitária da Agência Brasileira de Cooperação (ABC) do Ministério da Relações Exteriores, além de médicos e empresários.

“Algumas empresas já demonstraram interesse em doar, mas o entrave neste momento está na questão da nota fiscal. Estou trabalhando em uma proposta legislativa para conseguir isenção fiscal para essas doações. Nossa expectativa é avançar nas tratativas durante os próximos dias e reunir a quantidade de insumos necessária para que o avião brasileiro possa decolar à Ucrânia, levando suprimentos e retornando ao Brasil com vítimas da guerra”, completou Mara Gabrili.


Foto de pessoas dormindo em um porão.

Cidadãos ucranianos fazem relatos sobre a guerra e querem deixar o país. Foto: Victoria Stasiv.


LEIA MAIS:

Quem liga para as pessoas com deficiência?

Idosos com deficiência que ficaram sozinhos em casa de repouso na Ucrânia são resgatados

Não há ação coletiva para salvar pessoas com deficiência na Ucrânia

40 idosos com deficiência estão sozinhos em casa de repouso na Ucrânia

Pessoas com deficiência estão em porões na Ucrânia, sem água, comida e remédios

Ucrânia é potência paralímpica que tem população com deficiência invisível

Jornalistas resgatam alunos surdos após bombardeio a escola na Ucrânia

Mulheres com e sem deficiência na Ucrânia

Crianças com deficiências severas permanecem em hospital sob forte bombardeio na Ucrânia

Sem acessibilidade, resgates na Ucrânia não incluem pessoas com deficiência

“Tropas russas capturam pessoas com deficiência e usam como escudo humano”

“Pessoas com deficiência estão morrendo na Ucrânia sem chance de defesa”

Diretoras de dois orfanatos salvam crianças com deficiência durante bombardeios na Ucrânia

Sanções à Rússia bloqueiam recursos de instituições que cuidam de pessoas com deficiência na Ucrânia

Mulheres com deficiência fazem coquetéis molotov na Ucrânia

ONG consegue levar 35 pessoas com deficiência da Ucrânia para a Polônia

“Guerra pode dizimar a população com deficiência da Ucrânia”

“Guerra expõe antipatia da Ucrânia à população com deficiência”, diz Accessibility.com

Ator alemão lidera ação para resgatar pessoas com deficiência na Ucrânia

Pessoas com deficiência estão presas em Kiev

Guerra na Ucrânia já provoca abandono de pessoas com deficiência intelectual

“Situação das pessoas com deficiência na Ucrânia é terrível”, diz Fórum Europeu da Deficiência

ONU prevê deslocamento de 225 mil pessoas com deficiência na Ucrânia


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.