Mulheres com deficiência fazem coquetéis molotov na Ucrânia

Mulheres com deficiência fazem coquetéis molotov na Ucrânia

Foto foi compartilhada no Facebook. "Alguém pode nos derrotar com um povo assim?", pergunta a autora da publicação; vice-primeira-ministra da Ucrânia pediu prioridade na retirada de civis com deficiência do país.

Luiz Alexandre Souza Ventura

02 de março de 2022 | 11h53

Foto de uma idosa e uma menina, ambas em cadeiras de rodas, montando as garrafas incendiárias em frente a um prédio.

“Somos invencíveis!”, escreveu a autora da publicação. Foto: Reprodução.


Uma jovem ucraniana celebrou no Facebook a participação de mulheres com deficiência na produção de coquetéis molotov para uso contra as forças armadas da Rússia.

“Bem, alguém pode nos derrotar com um povo assim?!! Somos invencíveis! Glória à Ucrânia!”, escreveu Liliya Blokhina no post que mostra uma idosa e uma menina, ambas em cadeiras de rodas, montando as garrafas incendiárias em frente a um prédio.

Segundo as informações no perfil, a autora da publicação mora na capital Kiev.


Cópia da tela com a publicação original no Facebook.

“Bem, alguém pode nos derrotar com um povo assim?!! Somos invencíveis! Glória à Ucrânia! Uma foto incrível, histórica!”, escreveu a jovem ucraniana Liliya Blokhina. Foto: Reprodução.


Nesta quarta-feira, 2, a vice-primeira-ministra da Ucrânia para a Reintegração dos Territórios Ocupados Temporariamente, Iryna Vereshchuk, pediu às organizações humanitárias internacionais que forneçam corredores humanitários para a retirada de civis, com prioridade para pessoas com deficiência, idosos e crianças.

“Esperávamos mais apoio e assistência reais de organizações humanitárias internacionais, em primeiro lugar do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, da ONU e da OSCE (Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa)”, declarou Vereshchuk.

“Entendo a preocupação com a segurança das equipes, mas ao mesmo tempo o status de neutralidade reconhecido internacionalmente dá mais segurança do que temos em nossas estruturas nacionais. Nem todo trabalho humanitário pode ser feito sentado em Lviv”, afirmou a vice-primeira-ministra

“Se você não pode trabalhar diretamente, pedimos que nos forneça assistência urgente e transporte motorizado. E o mais importante: pedimos que você faça todo o possível para fornecer corredores humanitários para a retirada de civis, em primeiro lugar, pessoas com deficiência, idoso, crianças e mulheres”, pediu.


LEIA MAIS:

ONG consegue levar 35 pessoas com deficiência da Ucrânia para a Polônia
“Guerra pode dizimar a população com deficiência da Ucrânia”

“Guerra expõe antipatia da Ucrânia à população com deficiência”, diz Accessibility.com

Ator alemão lidera ação para resgatar pessoas com deficiência na Ucrânia

Pessoas com deficiência estão presas em Kiev

Guerra na Ucrânia já provoca abandono de pessoas com deficiência intelectual

“Situação das pessoas com deficiência na Ucrânia é terrível”, diz Fórum Europeu da Deficiência

ONU prevê deslocamento de 225 mil pessoas com deficiência na Ucrânia


Foto inteira, feita na posição vertical, mostra um prédio com a bandeira da Ucrânia pendurada, e três pessoas na área externa, com piso de terra. Um homem e duas mulheres estão montando coquetéis molotov. As duas mulheres, uma idosa e uma menina, estão em cadeiras de rodas.

Autora da publicação mora em Kiev. Foto: Reprodução.


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.