Na audiência sobre acessibilidade não havia acesso

Na audiência sobre acessibilidade não havia acesso

Professora tetraplégica compareceu a encontro que seria realizado no último andar do Fórum de Osasco (SP), mas foi improvisado em um corredor no térreo porque o prédio não tem elevador. "Tudo parece um teatro", desabafa a docente. "Quando cheguei na cadeira de rodas, nem perguntaram em qual andar eu iria, apenas disseram que a audiência teria de ser transferida para baixo", conta a educadora.

Luiz Alexandre Souza Ventura

27 Setembro 2018 | 17h06

IMAGEM 01: Professora tetraplégica compareceu a encontro que seria realizado no último andar do Fórum de Osasco (SP), mas foi improvisado em um corredor no térreo porque o prédio não tem elevador.

IMAGEM 01: Professora tetraplégica compareceu a encontro que seria realizado no último andar do Fórum de Osasco (SP), mas foi improvisado em um corredor no térreo porque o prédio não tem elevador. “Tudo parece um teatro”, desabafa a docente. “Quando cheguei na cadeira de rodas, nem perguntaram em qual andar eu iria, apenas disseram que a audiência teria de ser transferida para baixo”, conta a educadora. Descrição #pracegover: Placa fixada em um muro tem as frases ‘aqui está sendo construído o novo Fórum de Osasco’ e ‘é a Prefeitura trabalhando’, além de dois símbolos da administração municipal de Osasco e outro do governo estadual de São Paulo. Crédito: Reprodução / Google Maps.


Uma audiência sobre acessibilidade para pessoas com deficiência no Juizado Especial Civel (JEC) de Osasco, na Grande SP, foi realizada em um corredor no andar térreo, nesta quinta-feira, 27, porque o Fórum da cidade não tem elevador ou qualquer outro equipamento de acesso aos andares superiores para quem usa cadeira de rodas.

A requerente é a professora Ivana Bandeira, de 30 anos, que é tetraplégica e mora em Osasco. No começo deste ano, ela ajuizou ação por danos morais contra a casa de shows Tom Brasil, de São Paulo, após ser empurrada e espremida pela multidão que invadiu a área reservada do estabelecimento durante show de Chico Buarque.

O caso foi divulgado com exclusividade pelo blog Vencer Limites e resultou em inquérito do Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP).



A audiência estava marcada para a sala de número 10, que fica no último pavimento do prédio de dois andares, na Avenida das Flores, nº 703, no Jardim das Flores. Assim que chegou ao Fórum de Osasco, antes mesmo de informar para qual sala pretendia ir, ela foi abordada por um segurança.

“Na verdade, ele nem respondeu se havia ou não elevador. Falou apenas que, se a audiência fosse no andar de cima, teria de ser transferida para baixo”, conta Ivana. “É repugnante, em uma audiência sobre falta de acessibilidade, ser imposta a uma nova situação de descaso semelhante ao que motivou a ação na Justiça, mas dessa vez pelo poder público. Parece que é tudo um teatro”, desabafa a professora.


IMAGEM 02: Professora tetraplégica chegou em cadeira de rodas. Descrição #pracegover: Imagem da entrada do Fórum de Osasco, com acesso pelo andar térreo. Crédito: Reprodução / Google Maps.

IMAGEM 02: Professora tetraplégica chegou em cadeira de rodas. Descrição #pracegover: Imagem da entrada do Fórum de Osasco, com acesso pelo andar térreo. Crédito: Reprodução / Google Maps.


O blog Vencer Limites telefonou para o Forum de Osasco no número (11) 3684-0497 para perguntar sobre o acesso de pessoas em cadeira de rodas. O funcionário que atendeu a ligação confirmou que o edifício não tem elevador.

Um novo prédio que deve abrigar o tribunal está em construção no terreno atrás do edifício atual. Uma placa no muro, na esquina da Avenida das Flores com a Rua Flor de Liz (confira no Google Maps), alertava a população sobre a obra, com destaque para a frase “é a Prefeitura trabalhando”. A sinalização, que já foi removida, estampava dois símbolos da administração municipal e outro do governo de SP.

RESPOSTA – “O prédio onde está alocada a Justiça Especial Cível (JEC) é de responsabilidade do Poder Judiciário. As obras eram desenvolvidas numa parceria entre o governo estadual e a Prefeitura. No entanto, em junho de 2017, a Secretaria de Justiça do Estado assumiu a continuidade”, informou a Prefeitura de Osasco em nota enviada por email pela secretaria de Comunicação Social.

Para receber nossas notícias direto em seu smartphone, basta incluir o número (11) 97611-6558 nos contatos e mandar a frase 'VencerLimites' pelo Whatsapp. VencerLimites.com.br é um espaço de notícias sobre o universo das pessoas com deficiência, integrado ao portal Estadão. Nosso conteúdo também está acessível em Libras, com a solução Hand Talk, e áudio, com a ferramenta Audima. Todas as informações publicadas no blog, nas nossas redes sociais e enviadas pelo Whatsapp são verdadeiras, produzidas e divulgadas após checagem e comprovação. Compartilhe apenas informação de qualidade e jamais fortaleça as 'fake news'. Se tiver dúvidas, verifique.

Para receber nossas notícias direto em seu smartphone, basta incluir o número (11) 97611-6558 nos contatos e mandar a frase ‘VencerLimites’ pelo Whatsapp. VencerLimites.com.br é um espaço de notícias sobre o universo das pessoas com deficiência, integrado ao portal Estadão. Nosso conteúdo também está acessível em Libras, com a solução Hand Talk, e áudio, com a ferramenta Audima. Todas as informações publicadas no blog, nas nossas redes sociais e enviadas pelo Whatsapp são verdadeiras, produzidas e divulgadas após checagem e comprovação. Compartilhe apenas informação de qualidade e jamais fortaleça as ‘fake news’. Se tiver dúvidas, verifique.


Mande mensagem, crítica ou sugestão para blogVencerLimites@gmail.com

Acompanhe o #blogVencerLimites nas redes sociais

Facebook Twitter Instagram LinkedIn Google+ YouTube