OAB SP lança pesquisa sobre acessibilidade nas praias paulistas

OAB SP lança pesquisa sobre acessibilidade nas praias paulistas

Avaliações serão feitas em Santos, São Vicente, Cubatão, Guarujá, Praia Grande, Itanhaém, Peruíbe, Iguape, Bertioga, Caraguatatuba, São Sebastião e Ubatuba. Primeiros resultados devem sair em 30 dias. Meta é repetir o trabalho a cada seis meses.

Luiz Alexandre Souza Ventura

22 de setembro de 2016 | 12h02

O litoral paulista tem mais de 300 praias. Algumas muito famosas e frequentadas, outras praticamente inexploradas e quase inacessíveis (clique aqui para conferir a lista completa). Para pessoas com deficiência, chegar ao mar em muitas dessas praias pode ser uma tarefa impossível somente porque não existem nesses locais recursos que garantam o acesso.

Para saber mais sobre o assunto e criar um ranking com os locais mais e menos acessíveis, além de apontar problemas e destacar inovações, a Seção São Paulo da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB SP), lançou uma pesquisa sobre a acessibilidade nas praias paulistas.

Serão listados e avaliados recursos como estacionamento com vagas exclusivas para pessoas com deficiência próximo das praias, apoio às pessoas com mobilidade reduzida e oferta de cadeira de rodas anfíbias, rampas de acesso, além de locais de banho e lava-pés com barras de apoio.

O trabalho será feito em Santos, São Vicente, Cubatão, Guarujá, Praia Grande, Itanhaém, Peruíbe, Iguape, Bertioga, Caraguatatuba, São Sebastião e Ubatuba. As comissões que lidam diretamente com a temática dos direitos da pessoa com deficiência vão aliar as condições de acessibilidade.

Os primeiros resultados, segundo a OAB SP, devem ser apresentados em 30 dias. A meta é repetir a pesquisa semestralmente.