Os desafios da acessibilidade em São Paulo – Parte 2

Os desafios da acessibilidade em São Paulo – Parte 2

Luiz Alexandre Souza Ventura

07 Maio 2013 | 05h18

Curta Facebook.com/VencerLimites
Siga @LexVentura
Mande mensagem para blogvencerlimites@gmail.com
O que você precisa saber sobre pessoas com deficiência

Os desafios de acessibilidade em São Paulo começam na porta de casa, mas as dificuldades que a metrópole impõe vão muito além da falta de calçadas com rampas ou sinalizações adequadas. A pouca oferta de ônibus acessíveis em toda a cidade obriga pessoas com deficiência a ficar por mais de uma hora esperando em pontos e terminais urbanos.

Na segunda reportagem da série ‘Caminhos de Michelle’, a realidade do transporte coletivo pelas ruas e avenidas da capital paulista. A estudante Michelle Balderama, que usa uma cadeira de rodas há 6 anos, já enfrentou uma ladeira e disputou espaço com os veículos em uma avenida do Tremembé, na zona norte, para chegar ao ponto de ônibus.

Agora, é necessário ter paciência para esperar a chegada de um veículo com equipamentos de acessibilidade, como rampa ou elevador. “Eu vejo passar dois, três, até quatro ônibus. Fico quase uma hora aguardando no ponto e o mesmo tempo no terminal”, diz Michelle.

Veja também:

Marianne Pinotti: “Temos sempre de pensar em um modelo universal”

“São Paulo precisa investir mais em acessibilidade”, diz Michelle Balderama

Metrô tem boa acessibilidade, mas precisa de planejamento

Falta de calçadas acessíveis coloca pessoas com deficiência em perigo