Países europeus não poderão cuidar de todos os refugiados ucranianos com deficiência

Países europeus não poderão cuidar de todos os refugiados ucranianos com deficiência

Após seis operações e mais de 300 pessoas com deficiência resgatadas, instituição tenta ampliar abrigos e prevê mais dificuldades com o avanço da guerra.

Luiz Alexandre Souza Ventura

26 de março de 2022 | 13h54

Homem em cadeira de rodas faz oração antes de comer uma pizza.

Além dos abrigos, é necessário ter produtos de higiene, atendimento médico, roupas, alimentação e aconselhamento para traumas psicológicos. Foto: Joni & Friends.


Após coordenar seis operações e resgatar mais de 300 pessoas com deficiência na Ucrânia, a organização Joni & Friends, dos Estados Unidos, prevê dificuldades para manter os refugiados ucranianos com deficiência por longos períodos nos países europeus que abriram suas fonteiras.

Aproximadamente 2,7 milhões de pessoas com deficiência vivem na Ucrânia. Um mês após a invasão da Rússia e o começo da guerra, não há informações oficiais sobre o total resgatado ou quantas continuam no país.

“Não sabemos como a situação vai ficar, quanto tempo irão permanecer em uma nação estrangeira. Se a guerra continuar por meses, os países europeus não poderão cuidar de todas as pessoas com deficiência”, afirma a instituição.

A Agência das Nações Unidas para Refugiados diz que mais de 3,5 milhões de pessoas fugiram da Ucrânia desde o início da invasão russa. Mais de 2 milhões entraram na Polônia, onde uma integrante da Joni & Friends distribui referições e providencia quartos em hotéis aos refigiados com deficiência, até que um transporte leve grupos para estadias mais prolongadas na Alemanha e na Holanda.

Segundo a ONG, na Polônia, universidades, albergues estudantis e moradores estão abrindo suas casas para abrigar pessoas. Na Holanda, diz a organização, a estrutura montada tem capacidade para receber 400 refugiados com deficiência e 118 já chegaram.

As operações de resgate podem durar um dia inteiro e as viagens são feitas de carro. Além dos abrigos, é necessário ter produtos de higiene, atendimento médico, roupas, alimentação e aconselhamento para traumas psicológicos.


LEIA MAIS:

“Grito no travesseiro e parece que o planeta inteiro treme com meu desamparo”

Mara Gabrilli lidera missão do Senado na ONU para mandar insumos e resgatar civis na Ucrânia

Quem liga para as pessoas com deficiência?

Idosos com deficiência que ficaram sozinhos em casa de repouso na Ucrânia são resgatados

Não há ação coletiva para salvar pessoas com deficiência na Ucrânia

40 idosos com deficiência estão sozinhos em casa de repouso na Ucrânia

Pessoas com deficiência estão em porões na Ucrânia, sem água, comida e remédios

Ucrânia é potência paralímpica que tem população com deficiência invisível

Jornalistas resgatam alunos surdos após bombardeio a escola na Ucrânia

Mulheres com e sem deficiência na Ucrânia

Crianças com deficiências severas permanecem em hospital sob forte bombardeio na Ucrânia

Sem acessibilidade, resgates na Ucrânia não incluem pessoas com deficiência

“Tropas russas capturam pessoas com deficiência e usam como escudo humano”

“Pessoas com deficiência estão morrendo na Ucrânia sem chance de defesa”

Diretoras de dois orfanatos salvam crianças com deficiência durante bombardeios na Ucrânia

Sanções à Rússia bloqueiam recursos de instituições que cuidam de pessoas com deficiência na Ucrânia

Mulheres com deficiência fazem coquetéis molotov na Ucrânia

ONG consegue levar 35 pessoas com deficiência da Ucrânia para a Polônia

“Guerra pode dizimar a população com deficiência da Ucrânia”

“Guerra expõe antipatia da Ucrânia à população com deficiência”, diz Accessibility.com

Ator alemão lidera ação para resgatar pessoas com deficiência na Ucrânia

Pessoas com deficiência estão presas em Kiev

Guerra na Ucrânia já provoca abandono de pessoas com deficiência intelectual

“Situação das pessoas com deficiência na Ucrânia é terrível”, diz Fórum Europeu da Deficiência

ONU prevê deslocamento de 225 mil pessoas com deficiência na Ucrânia


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.