Pandemia ameaça tratamento da hanseníase no SUS

Pandemia ameaça tratamento da hanseníase no SUS

Condição pode afetar o sistema nervoso central e provocar diversas deficiências. Remédio é doado ao Brasil pela OMS, mas dificuldades de transporte impedem chegada ao País. Falta de insumo atrasou produção do medicamento em fábrica da Novartis na Índia. Ministério da Saúde tenta importar produto com urgência para abastecer estados. "O atendimento já foi interrompido em Pernambuco, Goiás, Maranhão, Mato Grosso e Rio de Janeiro. É urgente organizar uma produção nacional", diz movimento de pacientes. Problema crítico pode prejudicar 37 mil pessoas.

Luiz Alexandre Souza Ventura

28 de agosto de 2020 | 19h22


Ouça essa reportagem com Audima no player acima ou acompanhe a tradução em Libras com Hand Talk no botão azul à esquerda.


Descrição da imagem #pracegover: Foto da carreta da hanseníase da Novartis, um caminhão que transporta um longo contêiner pintado de branco Crédito: Reprodução.


A pandemia de covid-19 no mundo ameaça o tratamento de pessoas com hanseníase no Brasil, pelo Sistema Único de Saúde (SUS), e pode afetar até 37 mil pacientes. Segundo o Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan), a falta de medicamentos atinge diversos países, mas a situação brasileira é a mais crítica.

“Temos denúncias de que o atendimento já foi interrompido em Pernambuco, Goiás, Maranhão, Mato Grosso e Rio de Janeiro. É urgente organizar uma produção nacional de estoque de emergência até que a distribuição da OMS seja regularizada”, defende Artur Custodio, coordenador nacional do Morhan.

O Ministério da Saúde esclareceu ao #blogVencerLimites que recebe da Organização Mundial da Saúde (OMS) doação da poliquimioterapia (PQT) paucibacilar e multibacilar para o tratamento da hanseníase e a clofazimina para as reações hansênicas crônicas.

Segundo a pasta, em junho de 2020 foram encaminhados aos estados medicamentos suficientes para abastecimento da rede pública até o final de outubro de 2020, a partir do planejamento com antecedência de um ano, considerando critérios epidemiológicos e dados de estoque, e os quantitativos são destinados para atendimento dos pacientes que estão em tratamento e de novos casos diagnosticados.

“Em função de problemas técnicos na produção do insumo farmacêutico ativo da dapsona – que levou à paralisação da produção de PQT – e de dificuldades no transporte de medicamentos para o Brasil causadas pela pandemia da covid-19, houve desabastecimento temporário do tratamento multibacibar adulto no Sistema Único de Saúde (SUS). No entanto, já encontra-se em andamento um processo de importação de urgência. Todos os esforços estão sendo envidados para que a distribuição aos estados ocorra ainda até início de setembro”, diz o Ministério da Saúde.

Uma mensagem que circula entre grupos de pacientes – assinada pela CGDE/DCCI/SVS/MS (Coordenação-geral de Vigilância das Doenças em Eliminação do Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde) – afirma que não há previsão de envio da carga para os estados e que um carregamento deve chegar ao Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, neste domimgo, 30, mas ainda vai passar por trâmites de desembaraço alfandegário e transporte para o almoxarifado.

A poliquimioterapia PQT é fabricada pela Novartis na Índia. Questionada pelo #blogVencerLimites, a empresa farmacêutica respondeu em nota.

“A Novartis informa que, entre o final de 2019 e início de 2020, houve uma suspensão temporária do insumo farmacêutico ativo da dapsona, ocasionado por problemas técnicos na produção, levando à paralisação da produção de PQT, e que a situação foi regularizada desde março de 2020, não comprometendo o abastecimento para a OMS”, afirma a empresa.

“Sobre o problema de abastecimento de medicamento para Hanseníase no Brasil, a Novartis continua à disposição do Ministério da Saúde, como sempre esteve, fornecendo o medicamento gratuitamente há mais de 10 anos. Reforçamos que o abastecimento da Novartis para a OMS continua sendo realizado normalmente.”, declarou a corporação.

________________________________________

Para receber as reportagens do #blogVencerLimites no Whatsapp, mande ‘VENCER LIMITES’ para +5511976116558 e inclua o número nos seus contatos. Se quiser receber no Telegram, acesse t.me/blogVencerLimites.

VencerLimites.com.br é um espaço de notícias sobre o universo das pessoas com deficiência integrado ao portal Estadão. Nosso conteúdo também está acessível em Libras, com a solução Hand Talk, e áudio, com a ferramenta Audima.

Todas as informações publicadas no blog, nas nossas redes sociais, enviadas pelo Whatsapp ou Telegram são produzidas e publicadas após checagem e comprovação. Compartilhe apenas informação de qualidade e jamais fortaleça as ‘fake news’. Se tiver dúvidas, verifique.

Mande mensagem, crítica ou sugestão para blogVencerLimites@gmail.com. E acompanhe o #blogVencerLimites nas redes sociais:
Facebook.com/VencerLimites
Twitter.com/VencerLimitesBR
Instagram.com/blogVencerLimites

________________________________________

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: