Projeto gratuito prepara pessoas com deficiência intelectual para o trabalho

Projeto gratuito prepara pessoas com deficiência intelectual para o trabalho

Programa da secretaria de Saúde de São Paulo com o CEJAM desenvolve autonomia e protagonismo. Atividades duram seis meses.

Luiz Alexandre Souza Ventura

25 de setembro de 2020 | 11h35

Use 26 recursos de acessibilidade digital com a solução da EqualWeb clicando no ícone redondo e flutuante, ouça o texto completo com Audima no player acima, acione a tradução em Libras com Hand Talk no botão azul à esquerda ou acompanhe o vídeo no final da matéria produzido pela Helpvox com a interpretação na Língua Brasileira de Sinais.


Descrição da imagem #pracegover: Um grupo de 15 pessoas, negras e brancas, mulheres e homens, está reunido, lado a lado, de frente para a câmera. Algumas estão sorrindo, outras seguram pastas, bolsas e sacolas. Todas estão em pé. Crédito: Divulgação.


Kaíque Santos Pimentel do Nascimento, de 23 anos, trabalha como empacotador em um hortifruti na cidade de São Paulo. O emprego garante a independência que ele sempre buscou, uma conquista possível quando há apoio e oportunidade para enfrentar e derrubar as barreiras impostas à população com deficiência para o acesso ao trabalho.

O jovem tem deficiência intelectual leve e restrições de mobilidade no lado esquerdo do corpo, sequelas de uma meningite. Durante seis meses, participou do programa Estratégia Acompanhante de Saúde da Pessoa com Deficiência, ou Estratégia APD, que faz parte da Rede de Cuidado à Pessoa com Deficiência da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS), desenvolvido em parceria com o Centro de Estudos e Pesquisas ‘Dr. João Amorim’ (CEJAM).

Na região sul da capital paulista, a APD Campo Limpo atendeu, entre janeiro e agosto, 140 pessoas com deficiência intelectual, trabalhando autonomia, protagonismo, constituição de vínculos e inclusão em espaços sociais. O atendimento individual tem participação de profissionais de terapia ocupacional, psicologia, fonoaudiologia, enfermagem e um acompanhante especialista.

“Os atendimentos são feitos até duas vezes por semana, na casa da pessoa, com atividades que envolvem toda a família, elaboradas para, em conjunto, trabalhar autonomia, independência e socialização”, explica Fernando Lemos, supervisor do programa.

“Em seis meses, que é a duração média do programa, percebemos uma importante evolução na forma como a pessoa desenvolve sua autonomia, conquistando seu espaço e tornando-se mais confiante de suas capacidades”, diz Lemos.

Neste ano, na APD Campo Limpo, 61 pessoas com deficiência intelectual concluíram a participação no programa e 18 já estão empregadas.



Vídeo produzido pela Helpvox com a versão da reportagem na Língua Brasileira de Sinais.

Para receber as reportagens do #blogVencerLimites no Whatsapp, mande ‘VENCER LIMITES’ para +5511976116558 e inclua o número nos seus contatos. Se quiser receber no Telegram, acesse t.me/blogVencerLimites.



Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: