Projeto para jovens com e sem deficiência estimula o empreendedorismo social

Projeto para jovens com e sem deficiência estimula o empreendedorismo social

'Escola de Impacto' quer engajar adolescentes entre 14 a 18 anos, alunos de escolas públicas e particulares, e também aprendizes de programas empresariais, em ações de impacto social. Turma do Jiló e o Projeto Serendipidade são parceiros na iniciativa. Inscrições estão abertas até este sábado, 5, para as 100 vagas do primeiro grupo. Atividades começam no dia 14/9 e duram dois anos. Novo cadastro será aberto a cada seis meses.

Luiz Alexandre Souza Ventura

02 de setembro de 2020 | 17h28


Ouça essa reportagem com Audima no player acima ou acompanhe a tradução em Libras com Hand Talk no botão azul à esquerda.


Descrição da imagem #pracegover: Foto de sete jovens, sendo seis meninas sem deficiência e um rapaz com síndrome de Down. O grupo está reunido em volta de uma bancada de madeira, em uma cozinha profissional, onde um punhado de filetes de macarrão está espalhado sobre farinha branca. Todos vestem camiseta branca com o símbolo da Turma do Jiló, avental azul com um crachá de identificação pendurado. As meninas têm toca branca sobre os cabelos e o menino usa um lenço na cabeça com a marca do projeto Chefs Especiais. Crédito: Divulgação.


Estão abertas até este sábado, 5 de setembro, as inscrições para a Escola de Impacto, iniciativa da Turma do Jiló e do Projeto Serendipidade para estimular o empreendedorismo social entre jovens com e sem deficiência. São 100 vagas para o primeiro grupo, com início das atividades no dia 14 de setembro e duração de dois anos. Um novo cadastro será aberto a cada seis meses.

A ação é voltada a adolescentes entre 14 e 18 anos, alunos de escolas públicas e particulares e, também aprendizes em programas de empresas de todo o País.

Os alunos podem fazer cadastro direto na página escoladeimpacto.org e os aprendizes devem solicitar que as empresas façam a inscrição. Quem tiver deficiência tem de informar se precisa de recursos de acessibilidade e indicar quais usa.

“Queremos ver cada vez mais jovens engajados em causas relevantes, de propósito social, que possam agregar valor em setores que necessitam de atenção no nosso País”, diz Carolina Videira, idealizadora do Turma do Jiló.

“Esses adolescentes poderão conhecer a realidade de muitos brasileiros e desenvolver projetos para ajudar aqueles que mais precisam e ajudar a si mesmos, tornando-se futuros empreendedores sociais”, afirma Carolina.

“Sensibilizando a juventude de hoje, temos a segurança de um futuro melhor amanhã. Nossa ideia é formar a próxima geração de filantropos e empreendedores sociais de impacto do Brasil”, completa Henri Zylberstajn, fundador do Serendipidade.

Como funciona – No primeiro ano, os grupos são separados por idade, para a participação em oficinas online de conhecimento sobre temas como direitos humanos, educação política, inclusão e desigualdade social, racismo, cultura de doação e filantropia, preconceito, saúde mental, economia circular e sustentabilidade.

Essa fase da formação inclui trabalhos voluntários guiados, instrumento de sensibilização e concretização do estudo. A meta é ampliar o conhecimento sobre as demandas e problemas sociais do Brasil.

No segundo ano, os jovens colocam em prática o que aprenderam, por meio de um laboratório de experimentação com mentoria de especialistas, para desenvolverem projetos inovadores e de impacto social nas áreas em que desejarem. No final de todas as oficinas, os projetos serão apresentados a uma banca avaliadora para direcionamento da execução, incluindo possibilidade de aceleração e fomento.

Entre os mentores estão Edu Lyra (Gerando Falcões), Geyze, Ana Maria e Abílio Diniz (Instituto Península), Elie Horn (Instituto Cyrela), Rony Meisler (Reserva), Priscila Cruz (Todos Pela Educação), Celso Athayde (CUFA), Carlo Pereira (Pacto Global), Diego Calegari (Politize), Caroline Celico (Fundação Amor Horizontal), Sid Efromovich e Marina Feffer (Generation Plegde), Tatiana Sayeg e Paula Batista (TDJ).

O projeto será financiado por empresas parceiras. Alunos de escolas particulares pagam mensalidade. Há uma reserva de 10% de vagas para bolsistas.

________________________________________

Para receber as reportagens do #blogVencerLimites no Whatsapp, mande ‘VENCER LIMITES’ para +5511976116558 e inclua o número nos seus contatos. Se quiser receber no Telegram, acesse t.me/blogVencerLimites.

VencerLimites.com.br é um espaço de notícias sobre o universo das pessoas com deficiência integrado ao portal Estadão. Nosso conteúdo também está acessível em Libras, com a solução Hand Talk, e áudio, com a ferramenta Audima.

Todas as informações publicadas no blog, nas nossas redes sociais, enviadas pelo Whatsapp ou Telegram são produzidas e publicadas após checagem e comprovação. Compartilhe apenas informação de qualidade e jamais fortaleça as ‘fake news’. Se tiver dúvidas, verifique.

Mande mensagem, crítica ou sugestão para blogVencerLimites@gmail.com. E acompanhe o #blogVencerLimites nas redes sociais:
Facebook.com/VencerLimites
Twitter.com/VencerLimitesBR
Instagram.com/blogVencerLimites

________________________________________

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: