Qual é o futuro do trabalho da pessoa com deficiência no Brasil?

Qual é o futuro do trabalho da pessoa com deficiência no Brasil?

Livro de Patrick Schneider, pesquisador e especialista em RH, analisa os principais desafios para a inclusão e aponta caminhos que podem ajudar na evolução desse processo. "É uma necessidade e uma urgência", diz o autor.

Luiz Alexandre Souza Ventura

17 de julho de 2021 | 15h46

'Futuro do trabalho da pessoa com deficiência: da Lei de Cotas à Agenda 2030', livro de Patrick Schneider, lançamento da editora Letramento, chega às lojas em versões impressa e digital. Crédito: Divulgação.

‘Futuro do trabalho da pessoa com deficiência: da Lei de Cotas à Agenda 2030’, livro de Patrick Schneider, lançamento da editora Letramento, chega às lojas em versões impressa e digital. Crédito: Divulgação.


“A pessoa com deficiência ainda é vista pela sociedade como alguém com restrições de capacidade”, afirma Patrick Schneider, pesquisador e especialista em Recursos Humanos, que lança o livro ‘Futuro do trabalho da pessoa com deficiência: da Lei de Cotas à Agenda 2030’, pela editora Letramento, nas lojas em versões impressa e digital.

“Precisamos entender que a inclusão não é favor ou compensação, mas uma necessidade, uma urgência, onde todas as partes ganham”, diz o autor, que investigou a evolução da pessoa com deficiência no mundo do trabalho para identificar o alinhamento com os objetivos do desenvolvimento sustentável (ODS) determinados pela Agenda 2030 proposta pela Organização das Nações Unidos (ONU).

Schneider faz uma retrospectiva da busca pelo espaço na sociedade, a entrada e o desenvolvimento no mercado, os efeitos da Lei 8.213/1991 – a Lei de Cotas -, que evidenciou o Brasil no cenário internacional, e os fundamentos do trabalho decente. O livro tem entrevistas com fiscais do trabalho, consultores de RH, gestores e profissionais com deficiência.

Alcançar emprego pleno e produtivo, trabalho decente, remuneração igual e mesmo valor para todos é um dos objetivos do desenvolvimento sustentável até 2030.

Um dos destaques do livro é o hexágono do trabalho decente da pessoa com deficiência. Criado a partir das conversas com profissionais de empresas referências no tratamento da diversidade e inclusão no País, mostra os seis principais desafios e entraves para inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho: seleção, desenvolvimento, inclusão, equidade, acessibilidade e cultura.

Nesta terça-feira, 20/7, às 18h, Patrick Schneider apresenta a publicação e debate o tema em um webinar, com participação de Katya Hemelrijk da Silva, consultora em diversidade e inclusão da Talento Incluir; Sandra Barquilha, diretora de RH e líder de diversidade e inclusão, e Silvia Zwi, diretora corporativa de RH da Eaton. O encontro tem mediação de Luiz Eduardo Drouet, managing partner da Share RH, e Marco Ornellas, consultor em desenvolvimento organizacional da Ornellas Consultoria (clique aqui fazer inscrição).


Patrick Schneider, é gaúcho, de Porto Alegre, tem 39 anos, casado. Gestor de Recursos Humanos com aproximadamente 20 anos de atuação em companhias globais. Pesquisador há mais de 12 anos sobre o Futuro do trabalho, trabalho decente (ODS08) e inclusão social por meio do mercado de trabalho. Graduado em Direito (UniRitter, Porto Alegre/RS – 2009), com especialização em Relações Trabalhistas (WCCA, Campinas/SP – 2015), Liderança Estratégica em Negócios e Pessoas e Design Thinking (ESPM, Porto Alegre/RS – 2011), MBA em Gestão Empresarial (Fundação Getúlio Vargas, São Paulo/SP – 2019), mestrado em Sustentabilidade (PUC Campinas/SP – 2020), Certificação Executiva em leading the future of work (MIT Sloan School of Management, Massachussets/EUA – 2021). Crédito: Divulgação / Gabriel Ambiel / Gara Fotografia.

Patrick Schneider, é gaúcho, de Porto Alegre, tem 39 anos, casado. Gestor de Recursos Humanos com aproximadamente 20 anos de atuação em companhias globais. Pesquisador há mais de 12 anos sobre o Futuro do trabalho, trabalho decente (ODS08) e inclusão social por meio do mercado de trabalho. Graduado em Direito (UniRitter, Porto Alegre/RS – 2009), com especialização em Relações Trabalhistas (WCCA, Campinas/SP – 2015), Liderança Estratégica em Negócios e Pessoas e Design Thinking (ESPM, Porto Alegre/RS – 2011), MBA em Gestão Empresarial (Fundação Getúlio Vargas, São Paulo/SP – 2019), mestrado em Sustentabilidade (PUC Campinas/SP – 2020), Certificação Executiva em leading the future of work (MIT Sloan School of Management, Massachussets/EUA – 2021). Crédito: Divulgação / Gabriel Ambiel / Gara Fotografia.


Para receber as reportagens do
#blogVencerLimites no Telegram,
acesse t.me/blogVencerLimites.



Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.