Redução do horário de trabalho para quem tem filho autista

Redução do horário de trabalho para quem tem filho autista

Advogada especializada na defesa dos direitos das pessoas com deficiência fala ao #blogVencerLimites sobre como a rotina intensa de crianças com Transtorno do Espectro Autista pode alterar a vida de mães e pais, além de destacar as garantias determinadas na legislação brasileira.

Luiz Alexandre Souza Ventura

21 de fevereiro de 2019 | 17h00

IMAGEM 01: Advogada especializada na defesa dos direitos das pessoas com deficiência fala ao #blogVencerLimites sobre como a rotina intensa de crianças com Transtorno do Espectro Autista pode alterar a vida de mães e pais, além de destacar as garantias determinadas na legislação brasileira. Descrição #pracegover: Foto da artista plastica Juliana Ali com o filho Teodoro, que tem autismo. Os dois estão em um quarto, brincando e sorrindo. Crédito: Rafael Arbex / Estadão.


Pessoas que têm o Transtorno do Espectro Autista (TEA) ainda são pouco compreendidas e, muitas vezes, aglomeradas na categoria da deficiência intelectual, sem avaliação especializada ou mais detalhada sobre suas habilidades, características ou dificuldades. Há também o estigma da ‘superinteligência’, frequentemente abordada em filmes, seriados, novelas e outras obras de ficção.

Para quem cria uma criança com autismo, a rotina pode ser bastante intensa, seja pela frequência em terapias, por necessidades médicas, para atividades recreativas ou fortalecimento educacional.

Por isso, é comum que mães e pais de crianças com autismo abandonem a vida profissional para cuidar de seus filhos em tempo integral. Quando isso não é possível – muita gente tem de trabalhar para pagar as contas – costuma ser difícil conciliar o cotidiano pessoal com as exigências do emprego.

“Embora já haja previsão legal para redução da jornada de trabalho, sem prejuízo do salário para alguns casos específicos, ainda temos um longo caminho para garantir o mesmo direito a todos os pais de filhos com Transtorno do Espectro Autista”, diz a advogada Diana Serpe, especializada na defesa dos direitos das pessoas com deficiência.



“A Lei Nº 13.370/2016 garante aos servidores públicos federais que tenham cônjuge, filho ou dependente com deficiência de qualquer natureza, a redução da jornada de trabalho sem redução salarial, além eliminar a exigência de compensação de horário”, explica a especialista. “Diante disso, para a concessão do benefício aos funcionários federais, em princípio, basta o requerimento administrativo”, ressalta a advogada.

Diana Serpe lembra que, para servidores estaduais e municipais, é necessário consultar estatutos em busca de normas específicas. “Quando essa redução não é aprovada, há possibilidade de ação judicial para equiparação do direito previsto aos funcionários federais”.

A advogada comenta que o sistema judiciário entende que servidores públicos, quando cuidadores de pessoas com deficiência, têm direito a redução de jornada de trabalho sem redução de salário.

CLT E SETOR PRIVADO – Os empregados que têm seus contratos regidos pela Consolidação das Leis de Trabalho (CLT), esclarece Diana Serpe, não têm nenhuma garantia legal para essa redução da jornada de trabalho.

“É importante consultar o sindicato e verificar os acordos ou convenções coletivas e as normas internas das empresas. Decisões judiciais recentes têm determinado a redução da jornada de empregados celetistas aplicando analogicamente a Lei Nº 8112/1990“, completa a especialista.


IMAGEM 02: Diana Serpe é advogada especializada na defesa dos direitos das pessoas com deficiência. Descrição #pracegover: Diana tem cabelo castanhos, cortados acima dos ombros. Ela olha para a câmera e sorri levemente. Veste roupa preta. Crédito: Divulgação.


O QUE VOCÊ QUER SABER SOBRE DIREITOS DAS PESSOAS COM AUTISMO?

A advogada Diana Serpe vai responder questões enviadas por leitores do #blogVencerLimites sobre direitos das pessoas com autismo e de seus parentes.

– Redução da jornada de trabalho?
– Inclusão na escola?
– Como acionar o plano de saúde?
– O que os governos federal, estaduais e municipais têm de fazer?
– Como exigir recursos acessíveis em espaços públicos e privados?
– O que diz a legislação sobre discriminação e preconceito?
– Qual é a sua dúvida?

Mande perguntas até a próxima quinta-feira, 28 de fevereiro, para blogvencerlimites@gmail.com com o assunto ‘DIREITOS DO AUTISTA’.

As respostas serão publicadas em março.

Para receber nossas notícias direto em seu smartphone, basta incluir o número (11) 97611-6558 nos contatos e mandar a frase ‘VencerLimites’ pelo Whatsapp. VencerLimites.com.br é um espaço de notícias sobre o universo das pessoas com deficiência, integrado ao portal Estadão. Nosso conteúdo também está acessível em Libras, com a solução Hand Talk, e áudio, com a ferramenta Audima. Todas as informações publicadas no blog, nas nossas redes sociais e enviadas pelo Whatsapp são verdadeiras, produzidas e divulgadas após checagem e comprovação. Compartilhe apenas informação de qualidade e jamais fortaleça as ‘fake news’. Se tiver dúvidas, verifique.


Mande mensagem, crítica ou sugestão para blogVencerLimites@gmail.com

Acompanhe o #blogVencerLimites nas redes sociais

Facebook Twitter Instagram LinkedIn Google+ YouTube


Tendências:

  • Novembro Azul: entenda a campanha de prevenção do câncer de próstata
  • DPVAT: o que é e como funciona o seguro obrigatório?
  • Yuval Harari: “Algoritmos entendem você melhor do que você mesmo se entende”