“São tempos empolgantes para a acessibilidade”

“São tempos empolgantes para a acessibilidade”

Leia artigo de Vinton Gray Cerf, vice-presidente do Google, um dos fundadores da Internet, exclusivo para o blog Vencer Limites.

Luiz Alexandre Souza Ventura

24 de maio de 2022 | 13h02

Foto de Vinton Gray Cerf, homam branco de 78 anos, careca, de barba totalmente branca. Veste terno escuro e camisa clara com gravata azul. Está falando. Ao fundo, a logomarca do Google.

Vint Cerf é vice-presidente e Chief Internet-Evangelist do Google. Foto: Divulgação.


Acessibilidade e Tecnologia

Vint Cerf*

O computador é um dos instrumentos mais versáteis já inventados. Sua funcionalidade é limitada apenas por nossa capacidade de programação e nossa capacidade de imaginar possibilidades. Apesar disso, provou ser notoriamente difícil de entregar, de forma confiável, aplicativos que se adaptam bem à ampla gama de acessibilidades necessárias para permitir o acesso de pessoas com deficiência.

As deficiências vêm em uma variação aparentemente infinita. Não devemos nos surpreender com isso. O corpo humano é complexo e pode funcionar de infinitas maneiras. Algumas dessas deficiências são temporárias (por exemplo, um pulso quebrado) e algumas são crônicas e persistentes (por exemplo, surdez, cegueira, deficiências motoras e cognitivas). Mas não importa a situação: pessoas que enfrentam questões como essas precisam de diversos tipos de intervenção para poder usar aplicações de computador.

Eu tenho uma perda auditiva neural progressiva, então sou muito dependente de aparelhos auditivos binaurais para funcionar diariamente. Minha esposa tem dois implantes cocleares – uma tecnologia que ainda me deixa surpreso que funcione. Sou dependente de legendas para televisão, vídeos gravados e videoconferências. De maneira geral, minha deficiência me tornou consciente do valor das respostas técnicas para ajudar as pessoas com deficiência.

Sabemos muito sobre vários tipos de intervenções para melhorar a acessibilidade. Ampliação de imagens e texto, maximização de contraste e estilo de fonte, ‘leitores de tela’ para descrever oralmente o que está na tela do computador, transcrição de fala para pessoas surdas ou com deficiência auditiva, head-mounts para apontar quando os braços e as mãos não estão confiáveis, a lista continua. Alguns desses recursos estão integrados aos sistemas operacionais de computador, iPad e celular e podem ser ativados para fornecer a acomodação necessária.

Nem sempre é fácil saber como fazer isso facilmente. Talvez, mais importante, os projetistas de aplicativos baseados em computador possam não ter experiência ou intuição no uso de ferramentas de acessibilidade para tomar decisões de projeto que atinjam o nível de usabilidade desejado. A menos que o programador (ou consultor) seja um usuário experiente de leitores de tela, ele pode não saber como tornar uma página da Web acessível ao máximo com os leitores de tela disponíveis. Os usuários podem não conhecer as opções de configuração que tornariam um dispositivo mais útil. Mesmo quando escrevemos especificações detalhadas para combinações de cores, contraste, tamanhos de fonte, acomodação para ampliação (por exemplo, a página da Web ainda é renderizada de maneira útil quando ampliada?), pode não ser o caso de um programador ter a experiência e habilidade para transformar recomendações e padrões em aplicativos criados de forma acessível.

É aqui que as ferramentas para a elaboração de páginas web acessíveis com templates e exemplos de uso podem fazer a diferença. Assim como a criação de páginas da web era feita escrevendo manualmente páginas da web codificadas em HTML e agora é feita com ferramentas convenientes para composição e layout, é desejável haver ferramentas de composição que naturalmente ofereçam páginas da web acessíveis. Existem ferramentas de teste, diretrizes e editores de composição de páginas da web, mas geralmente fornecem apenas orientação ou assistência limitada.

Os programadores que buscam produzir aplicativos acessíveis precisam ter muita experiência no uso de mecanismos, padrões e ferramentas de acessibilidade para atingir o objetivo desejado.

Sem dúvida, existem algumas ferramentas destinadas a resolver este problema, mas são necessárias mais. Precisamos de mais treinamento e exemplos práticos de boas soluções que melhorem a capacidade dos fabricantes de ferramentas de ajudar os programadores a produzir objetos e serviços digitais acessíveis. Investir na compreensão do que torna um aplicativo acessível é outra área de pesquisa séria. Os profissionais de informática precisam passar tempo com pessoas que dependem de software e hardware assistivos para obter uma intuição mais profunda sobre o design acessível/utilizável. Pesquisas sérias são necessárias para desenvolver uma compreensão mais profunda da percepção e como as etapas podem ser tomadas para projetar para acessibilidade. Os padrões são necessários para permitir que os usuários expressem seus requisitos de configuração para que vários sistemas operacionais possam suportar facilmente aplicativos acessíveis. As interfaces e bibliotecas de programação de aplicativos são necessárias para dar suporte à configuração para acessibilidade. O treinamento para design acessível deve ser um requisito para programadores que pretendem criar aplicativos para usuários com deficiência.

Acredito que muitos dos ingredientes de que precisamos já estão presentes, incluindo algumas pessoas com formação e experiência extraordinárias em design para acessibilidade. Precisamos destilar esse conhecimento e incorporá-lo à realidade de aplicativos disponíveis destinados a ajudar os programadores a produzir acessibilidade por design. Embora não seja trivial, há experiência considerável nas comunidades de ciência da computação e engenharia, mas as ferramentas necessárias para uma acessibilidade confiável continuam a ser ilusórias. Nenhuma dessas ideias é nova. Eles só precisam ser aplicados com maior determinação e com práticas codificadas.

Estes são tempos empolgantes para alguns recursos de acessibilidade. Fala para texto, texto para fala, reconhecimento e compreensão de fala, tradução de idiomas, re-renderização de fala para melhorar a acuidade, reconhecimento óptico de caracteres (por exemplo, para traduzir menus), ferramentas de aprendizado de máquina para melhorar a interação com voz, vídeo e texto para pessoas com deficiência são todos exemplos de tecnologia desenvolvida em prol da acessibilidade. Podemos esperar mais a seguir.


Montagem com três fotos pretas e brancas de Vint Cerf que o mostram em diferentes frases da vida (adolescência, fase adulta e atual).

*Vinton Gray Cerf, ou Vint Cerf, é matemático, cientista de computação, engenheiro, professor universitário, investigador e evangelista tecnológico. Em 2005, assumiu o cargo de vice-presidente e Chief Internet-Evangelist do Google. Junto com Robert Kahn, criou os protocolos TCP/IP, por isso é chamado de um dos fundadores da Internet. Fotos: Google.


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.