Startup cria cadastro nacional de surdos

Startup cria cadastro nacional de surdos

Meta da Wise Hands é saber o tamanho atual da comunidade surda no Brasil para atender de maneira efetiva essa população, que movimenta R$ 576 bilhões por ano. País tem 10 milhões de pessoas com deficiência auditiva, diz IBGE. No mundo, segundo a OMS, são 500 milhões de surdos.

Luiz Alexandre Souza Ventura

08 de setembro de 2021 | 12h42

Foto de um note book aberto com a página da Campanha Nacional de Surdos, Amigos e Familiares da Wise Hands aberta na tela.

Cadastro é feito pela internet (clique aqui). Foto: blog Vencer Limites.


A startup Wise Hands está cadastrando pessoas surdas para saber o tamanho dessa comunidade no Brasil e conseguir oferecer conteúdos acessíveis que atendam essa população de maneira efetiva. O registro individual na Campanha Nacional de Surdos, Amigos e Familiares é feito pela internet (clique aqui).

“Queremos engajar as pessoas para que elas sejam bem atendidas, como todo cidadão tem direito, e estejam definitivamente inclusas no mercado de consumo e trabalho, seja para assistir a um filme, uma peça de teatro ou fazer um curso”, diz Júnior Gaino, CEO da Wise Hands.

Entre as soluções desenvolvidas pela startup está o SL Book, ou Livro em Língua de Sinais, com texto, áudio e vídeo da interpretação em Libras na mesma página. O formato foi apresentado em reportagem do blog Vencer Limites sobre o livro ‘Desobedeça’, de Mauricio Benvenutti.

Recentemente, a Wise Hands Tech School, em parceria com a StarSe e a ELFUTEC (Escola para Formação de Usuários em Tecnologia e Conhecimento), iniciou a capacitação da primeira turma de programadores web surdos, com 16 participantes.

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia Estatística) divulgou no ano passado que o Brasil tem mais de 10 milhões de pessoas com deficiência auditiva, o que equivale a 5% da população. Desse total, 2,7 milhões têm surdez profunda. Em todo o planeta, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), são 500 milhões de pessoas com deficiência auditiva.

Um pesquisa organizada pelo Instituto Locomotiva e a Semana da Acessibilidade Surda em 2019 destacou as barreiras aos surdos na educação e no trabalho, mostrou de que maneira o preconceito afeta o cotidiano das pessoas com deficiência auditiva, chamou atenção para a relação da surdez com o envelhecimento da população, reafirmou a urgência em acolher as pessoas com deficiência no País e constatou que brasileiros com deficiência auditiva movimentam R$ 576 bilhões por ano.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.