‘The Last of Us Part II’: novo jogo tem mais de 60 configurações de acessibilidade

‘The Last of Us Part II’: novo jogo tem mais de 60 configurações de acessibilidade

Exclusivo para PlayStation, produto chega oficialmente ao mercado no dia 19 de junho. "Desde o princípio, nosso objetivo foi garantir a oportunidade de jogar ao maior número possível de fãs", diz Matthew Gallant, da Naughty Dog, criadora do game.

Luiz Alexandre Souza Ventura

13 de junho de 2020 | 11h02


Ouça essa reportagem com Audima no player acima ou acompanhe a tradução em Libras com Hand Talk no botão azul à esquerda.


Descrição da imagem #pracegover: A jovem Ellie, personagem de 19 anos do game ‘The Last Of Us: Part II’, está em uma floresta, sentada no chão, com as costas apoiada em uma árvore, tocando um violão. Crédito: Reprodução.


“Um dos desafios de criar um grande número de opções configuráveis é ter certeza que você saiba quais delas podem ser relevantes para as suas necessidades”, diz Matthew Gallant, Lead Systems Designer da Naughty Dog, empresa criadora do game ‘The Last of Us Part II’, que tem lançamento oficial previsto para 19 de junho, exclusivo para PlayStation (PS4).

A sequência de ‘The Last of Us’, de 2013, é ambientada cinco anos após os eventos do primeiro jogo e 25 anos após o início de um fenômeno epidêmico causado por uma mutação do fungo Cordyceps. Os jogadores assumem o papel de Ellie, que tem 19 anos e entra em conflito com cultos misteriosos em um Estados Unidos pós-apocalíptico.

O jogo tem elementos de survival horror, em terceira pessoa, com armas de fogo, arcos, armas improvisadas e furtividade para defesa contra seres humanos hostis e criaturas infectadas.

Em artigo publicado no PlayStation.Blog, Gallant destaca as mais de 60 configurações de acessibilidade para pessoas com deficiências que o game oferece.

“Temos três conjuntos pré-estabelecidos de opções para as configurações de acessibilidade recomendadas de visão, audição e acessibilidade motora. Esperamos que estes conjuntos sejam um bom ponto de partida, mas você sempre pode alterar opções individuais, mesmo após escolher um conjunto pré-estabelecido”, explica.

“Não vemos a hora dos jogadores utilizarem estas opções, e continuaremos a advogar pela consciência e acessibilidade nos games como um todo”, destaca.



“Pela primeira vez em um jogo da Naughty Dog, estamos oferecendo customização total dos controles. Isto permite que você mude todo comando para outro botão ou função, incluindo o touch pad, movimentos de deslizar e vibração. Já que segurar ou pressionar botões rapidamente pode ser difícil para alguns jogadores, temos opções individuais para alterar todo comando de pressionar um botão para um estado de alternância, e todo comando de pressionar repetidamente em um de segurar o botão. Assim como em Uncharted 4, também providenciamos opções expandidas para assistência de câmera e mira em lock-on”, ressalta Gallant.

Ampliação e Recursos Visuais – O game tem opções de sintonia fina para o tamanho, cor e contraste, além de um ampliador de tela que permite fazer zoom-in em qualquer parte da tela usando o touchpad.

Para evitar enjoo, o jogo ajusta a movimentação da câmera, desfoque de movimento, distância de câmera e até o campo de visão. Também tem um ponto branco opcional no centro da tela.

Para pessoas cegas ou com baixa visão –O recurso de assistência de navegação pode ser usado como guia pelo caminho da história central. E o modo ‘Enhanced Listen’ para sair procurando inimigos e itens. Há ainda opções de transporte simples, proteções em beiradas contra queda e a habilidade de pular os puzzles completamente.

O jogo tem várias opções para transmitir informação por som e vibração do controle. Os sinais de áudio e de travessia funcionam com o mapa de áudio para identificar sons em ações comuns (pegar ou procurar por itens, saltar por obstáculos, se esquivar de ataques). São catalogados em um glossário de áudio.

Menus e textos na tela podem ser transmitidos por voz usando a opção de Texto-para-Voz em Inglês, Inglês do Reino Unido, Francês, Italiano, Alemão, Dinamarquês, Turco, Russo, Tcheco, Grego, Finlandês, Sueco, Norueguês, Húngaro, Polonês, Português, Espanhol, Holandês, Chinês Tradicional, Chinês Simplificado, Japonês, Coreano, Croata e Espanhol da América Latina.



Acessibilidade de Combate – ‘The Last of Us Part II’ tem opção ‘Invisível Enquanto Agachado’, que dá mais tempo para mirar, ativando a câmera lenta.

Deficiência Auditiva – Para pessoas surdas ou com dificuldade auditiva, ou até mesmo para quem precisar jogar com há muitas opções que transmitem informação visualmente, como indicadores de percepção que mostram quando o jogador está sendo detectado no modo furtivo. Essas configurações também funcionam em combate, mostrando a direção de inimigos perigosos.

Também há legendas, que podem mudar de tamanho e cor, colocar fundo escuro para contraste, ativar o nome dos locutores e até uma seta apontando locutores fora da tela.

“Pela primeira vez em um jogo da Naughty Dog, também permitimos legendas para todo o diálogo dos inimigos durante cenas de furtividade ou de combate”, diz Matthew Gallant.

“Desde o princípio, o nosso objetivo foi garantir que o maior número possível de fãs tenha uma oportunidade de jogar o game com a ajuda de nossas ferramentas de acessibilidade, as mais robustas até então”, completa o Lead Systems Designer da Naughty Dog.



Para receber as reportagens do #blogVencerLimites no Whatsapp, mande ‘VENCER LIMITES’ para +5511976116558 e inclua o número nos seus contatos. Se quiser receber no Telegram, acesse t.me/blogVencerLimites.

VencerLimites.com.br é um espaço de notícias sobre o universo das pessoas com deficiência integrado ao portal Estadão. Nosso conteúdo também está acessível em Libras, com a solução Hand Talk, e áudio, com a ferramenta Audima.

Todas as informações publicadas no blog, nas nossas redes sociais, enviadas pelo Whatsapp ou Telegram são produzidas e publicadas após checagem e comprovação. Compartilhe apenas informação de qualidade e jamais fortaleça as ‘fake news’. Se tiver dúvidas, verifique.

Mande mensagem, crítica ou sugestão para blogVencerLimites@gmail.com. E acompanhe o #blogVencerLimites nas redes sociais:
Facebook.com/VencerLimites
Twitter.com/VencerLimitesBR
Instagram.com/blogVencerLimites



Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: