Triatleta com síndrome de Down e protetor da Amazônia

Triatleta com síndrome de Down e protetor da Amazônia

Lucas Vasconcelos é o primeiro atleta com deficiência carbono neutro no Brasil. Esportista tem apoio de plataforma que transforma emissão de CO2 em recursos para projetos que beneficiam comunidades e mantêm a floresta viva.

Luiz Alexandre Souza Ventura

12 de março de 2021 | 17h50

Use 26 recursos de acessibilidade digital com a solução da EqualWeb clicando no ícone redondo e flutuante à direita, ouça o texto completo com Audima no player acima, acione a tradução em Libras com Hand Talk no botão azul à esquerda ou acompanhe o vídeo no final da matéria produzido pela Helpvox com a interpretação na Língua Brasileira de Sinais.


Foto de Lucas Vasconcelos olhando para a câmera e sorrindo, com o braço direito flexionado. Crédito: Divulgação.

Descrição da imagem #pracegover: Foto de Lucas Vasconcelos olhando para a câmera e sorrindo, com o braço direito flexionado. Crédito: Divulgação.


O triatleta Lucas Vasconcelos, de 21 anos, que tem síndrome de Down, é o primeiro esportista com deficiência do Brasil a transformar emissões de CO2 nos treinos, competições e viagens em recursos para projetos socioambientais certificados na Amazônia, que beneficiam comunidades locais e ajudam a manter a floresta viva.

A transferência de créditos é feita pela plataforma MOSS, empresa que patrocina Lucas. Cada crédito é cotado atualmente em R$ 98 e representa 1.000 quilos de carbono não emitidos ou retirados da atmosfera.

O crédito nunca perde a validade. Se não quiser repassar de imediato, a pessoa pode guardar, esperar valorizar e usar como investimento.

Lucas é campeão da categoria A4 de Triathlon. Começou a treinar aos 16 anos no Centro Paralímpico Brasileiro, em São Paulo. É o primeiro triatleta com síndrome de Down reconhecido pela Confederação Brasileira de Triathlon (CBtri) e filiado à Federação Paulista de Triathlon (Triathlon São Paulo). A partir desse reconhecimento, a CBtri criou a primeira categoria do mundo para atletas com deficiência intelectual (PTDI).

Ele também será o primeiro atleta patrocinado pelo KM Solidário, parceiro da MOSS, aplicativo que registra atividades físicas e ajuda instituições de assistência a pessoas e animais. Pela plataforma, o usuário doa quilômetros percorridos – caminhando, correndo ou pedalando – para um projeto social de sua escolha.


Foto de Lucas Vasconcelos no pódio de uma competição. Crédito: Divulgação.

Descrição da imagem #pracegover: Foto de Lucas Vasconcelos no pódio de uma competição. Crédito: Divulgação.


Pessoas físicas podem compensar suas emissões de carbono e destinar recursos para projetos de preservação ambiental por meio de plataformas como a MOSS. A compra e compensação do token de crédito é feita no site moss.earth.

A empresa nasceu no primeiro trimestre de 2020, já movimentou mais de 1 milhão de toneladas de CO2, arrecadou e enviou mais de US$ 10 milhões em receitas para projetos de conservação da Floresta Amazônica, o que resultou na expansão desses projetos para 300 mil hectares. Seu ativo de créditos de carbono tem 2 milhões de toneladas, o que equivale a US$ 36 milhões.


REPORTAGEM COMPLETA EM LIBRAS (EM GRAVAÇÃO)
Vídeo produzido por Helpvox com a versão da reportagem na Língua Brasileira de Sinais pela tradutora e intérprete Milena Silva.


Para receber as reportagens do #blogVencerLimites no Telegram, acesse t.me/blogVencerLimites.



Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.