Vencer Limites na Rádio Eldorado – 14

Vencer Limites na Rádio Eldorado – 14

Luiz Alexandre Souza Ventura

14 de dezembro de 2021 | 11h00


Neste 14º episódio da coluna Vencer Limites na Rádio Eldorado FM, falo sobre a campanha para inclusão da Acessibilidade como o 18º Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU).

Em 2015, a ONU estabeleceu 17 desses objetivos, que formam um apelo às nações para acabar com a pobreza, proteger o meio ambiente e o clima e garantir que todas as pessoas possam desfrutar de paz e de prosperidade.

Nenhum desses 17 objetivos trata diretamente da acessibilidade. Por isso, o Cid Torquato (ex-secretário municipal da pessoa com deficiência de São Paulo) e a Ciça Cordeiro (jornalista) estão liderando essa iniciativa aqui no Brasil para a criação do 18º objetivo.

A primeira ação foi o lançamento do ‘Guia Prático de Acessibilidade e Inclusão Digital’, desenvolvido pelo Legal Grounds Institute, antes chamado de Instituto LGPD. Nesse guia está publicado um artigo escrito pelo Cid e a Ciça que explica porque acessibilidade, inclusão, diversidade e sustentabilidade são conceitos essencialmente interligados, interconectados e interdependentes.

Leia a reportagem:
https://brasil.estadao.com.br/blogs/vencer-limites/guia-de-inclusao-digital-defende-acessibilidade-como-objetivo-de-desenvolvimento-sustentavel/


Capa do Guia Prático de Acessibilidade e Inclusão Digital na tela de um notebook. Imagem mostra foto sem cores de duas mãos sobre um teclado de computador.

Foto: blog Vencer Limites.


Também comento o filme do Leandro Hassum, ‘Amor Sem Medida’, na Netflix. As discussões sobre o longa, que bateu recordes na plataforma, expõem uma prática que deveria ser abandonada pela indústria do entretenimento, o cripface, quando artistas sem deficiência são modificados digitalmente para interpretarem personagens com deficiência.

A comédia tem Hassum no papel de um cardiologista com baixa estatura. Conta a história de amor entre a advogada Ivana, interpretada por Juliana Paes, e o conceituado médico. É a versão brasileira do longa argentino Corazón de León, de 2014. Assim como feito com o protagonista na argentina, Hassum foi ‘encolhido’ digitalmente.

Não deveria haver mais espaço para produções como essa e não se trata aqui de mais uma defesa dos ‘limites do humor’, porque o filme poderia sim ser muito engraçado se apostasse no trabalho de artistas com deficiência e tivesse no mesmo elenco atores famosos, como o próprio Leandro Hassum, em papéis bem elaborados.

O engraçado agora é escancarar os comportamentos preconceituosos para ampliar o conhecimento sobre o capacitismo, dar visibilidade às pessoas com deficiência, desmontar estereótipos, quebrar estigmas a respeito da diversidade e reforçar a importância da representatividade em todos os setores.

Leia a reportagem:
https://brasil.estadao.com.br/blogs/vencer-limites/filme-de-leandro-hassum-e-uma-oportunidade-perdida/


Foto de um notebook aberto com frame do longa 'Amor Sem Medida' que mostra o primeiro encontro das personagens de Juliana Paes e Leandro Hassum. Ela está espantada com a estatura dele.

Cripface coloca artistas sem deficiência modificados digitalmente para interpretarem personagens com deficiência. Foto: blog Vencer Limites.


E na dica de livro, ‘Como lidar com mentes a mil por hora’, publicado em outubro pela editora Gente, escrito pelo pediatra e neurologista infantil Clay Brites, sobre o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), que atinge entre 5% e 6% das crianças no mundo e entre 2% e 3% dos adultos É um tema pouco esclarecido e com muitos mitos.

A proposta é levar informação com base na ciência, mas de forma simples para ajudar pais, profissionais de saúde e educação, e quem mais estiver interessado.

O livro tem a história do TDAH, evidências científicas e como funciona o cérebro de uma pessoa que tem esse transtorno. Também explica como identificar em crianças, adolescentes e adultos, apresentando alguns critérios de diagnóstico. Orienta sobre o que fazer depois do diagnóstico, quais são os tratamentos e as abordagens terapêuticas. Derruba mitos e mostra o que é verdade. Além de tratar da inclusão escolar e dos direitos da pessoa com TDAH.



Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.