VÍDEO: Choque elétrico na cabeça de autistas

VÍDEO: Choque elétrico na cabeça de autistas

Luiz Alexandre Souza Ventura

11 de janeiro de 2022 | 20h30


VENCER LIMITES EM AÇÃO recebe Clay Brites, pediatra e neurologista infantil do Instituto NeuroSaber, e Alexandre Mapurunga, pessoa autista e diretor técnico da Abraça.

Na pauta, a consulta pública aberta neste mês pela Conitec (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde – SUS), vinculada ao Ministério da Saúde, sobre o ‘Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o Comportamento Agressivo no Transtorno do Espectro do Autismo’ que cita como opção de tratamento a eletroconvulsoterapia (ECT), procedimento que gera estimulação cerebral por corrente elétrica e provoca convulsões.

Alexandre Marupunga é pessoa autista, diretor técnico da Associação Brasileira para Ação por Direitos das Pessoas Autistas (Abraça), assessor técnico da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Ceará e foi escolhido neste mês para integrar o Conselho de Ética da Red Latinoamericana de Organizaciones de Personas con Discapacidad y sus Familias (RIADIS).

Clay Brites é médico pediatria e neurologista infantil, colaborador do Instituto Neurosaber, membro titular da Sociedade Brasileira de Pediatria, doutor em Ciências Médicas e Neurologia pela Unicamp, autor e coautor de artigos científicos e livros sobre transtornos de neurodesenvolvimento, neuropsicologia e neurociências aplicadas aos processos de desenvolvimento, aprendizagem e comportamento.

O projeto Vencer Limites em Ação tem apoio institucional do ICOM-Libras, serviço de tradução na Língua Brasileira de Sinais da AME (https://www.ame-sp.org.br)



LEIA A NOTA DE PROTESTO DA ABRAÇA.

LEIA OS ARTIGOS INDICADOS PELOS CONVIDADOS

SPRINGER.COM – Electroconvulsive Therapy (ECT) for Autism Spectrum Disorder Associated with Catatonia and Self-Injury: a Clinical Review

CAMBRIDGE CORE – Electroconvulsive therapy for depression: a review of the quality of ECT versus sham ECT trials and meta-analyses


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.