1 ano de pandemia
Conteúdo Patrocinado

1 ano de pandemia

Enquanto a crise atinge níveis criticamente altos, as pessoas tendem a olhar para o futuro ao mesmo tempo que tentam sobreviver

Media Lab Estadão, O Estado de S.Paulo
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

21 de março de 2021 | 07h00

De um lado, uma devastação de vidas e de empregos, que atingiu a humanidade de forma inédita. De outro, a primeira grande pandemia da era tecnológica também trouxe transformações até certo ponto positivas, que poderão ser muito duradouras se os governantes e as pessoas entenderem o processo que todos vivem. 

Como poderá ser visto nas próximas páginas, a educação, por exemplo, tem chances de sair ganhando com as mudanças tecnológicas que foram aceleradas durante uma das maiores crises sanitárias da história. Em compensação, o esforço de todos terá de ser grande para que a gigantesca desigualdade entre as redes pública e privada de ensino não cresça ainda mais.

Na área da saúde, as consequências terríveis da pandemia também mostraram como a ciência tem potencial para agir rapidamente e conseguir dar vazão aos anseios da sociedade. Mas, para isso, é preciso vontade política e orçamento adequado. A corrida inédita, em termos de velocidade, pelas vacinas é outro grande exemplo. Mesmo os hospitais públicos e privados também aprenderam muito com a doença. Mas tudo isso, claro, foi acompanhado de muita ansiedade, como também mostram os depoimentos de pessoas, conhecidas ou não, que viram suas vidas mudarem depois da chegada do vírus.

LEIA MAIS

Espaço público pode sair mais forte

Turismo ganha contornos domésticos

Na rede pública desafio é encuurtar vários déficits

Transformação digital veio para ficar

Nos hospitais, a crise tem várias facetas

Urgência pandêmica turbinou evolução da ciência

Convivendo com a Pandemia

Pandemia no olhar das crianças

 

 


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.