18 crianças ficam intoxicadas em creche municipal

Diretora é afastada; vítimas, entre 1 e 6 anos, foram levadas para os Hospitais Tatuapé e Sapopemba

Camilla Haddad e Fernanda Aranda, O Estadao de S.Paulo

25 Setembro 2007 | 00h00

A diretora da Creche Municipal Vereador Gabriel Nogueira Quadros, no bairro Jardim Record, zona leste de São Paulo, foi afastada ontem à noite, depois que 18 crianças, entre 1 e 6 anos, foram levadas aos hospitais Tatuapé e Sapopemba com suspeita de intoxicação por veneno. A unidade escolar havia passado por um processo de desratização no fim de semana e, ao meio-dia, um menino de 4 anos foi flagrado pela professora colocando uma ''''bolinha'''' de veneno de rato na boca. A diretoria chamou o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu), que levou o aluno e outros 17 colegas que estavam em volta de um ralo, que eles mesmo haviam aberto, às unidades de saúde próximas à creche, para passarem por exames. Das oito crianças que chegaram ao Hospital Sapopemba, quatro afirmaram ter colocado o veneno na boca e ficaram internadas. O estado delas não é grave, segundo o hospital. O restante foi liberado no fim da tarde de ontem. Já a unidade hospitalar do Tatuapé recebeu dez alunos. Nove tiveram alta sem sintomas de intoxicação. Apenas uma das crianças ficou em observação, mas, segundo os médicos, ela seria liberada ainda ontem. Os pais que estavam no Hospital Tatuapé reclamaram da falta de cuidados da creche, que segundo eles, não avisou nem os pais nem os professores sobre a desratização. A direção da creche foi procurada pela reportagem, mas o número de celular fornecido estava desligado. DESAUTORIZADO A Secretaria Municipal de Educação confirma que o procedimento não poderia ter sido realizado, ''''uma vez que o calendário escolar, por meio de uma portaria, não autoriza desratização fora dos períodos de recesso ou férias escolares''''. Uma sindicância foi aberta para apurar os responsáveis. O resultado deve sair em 20 dias. A creche é freqüentada por 144 crianças. Além das 18 crianças encaminhadas a hospitais, no fim da tarde de ontem outros cinco pais de alunos procuraram a unidade escolar, querendo atendimento médico para os filhos. O 41º Distrito Policial (Vila Rica) foi procurado para investigar o caso. Ontem, o delegado Leandro Resende Rangel determinou que a creche fosse periciada. Até as 22 horas a ocorrência não havia sido registrada. ''''Fomos procurados apenas no fim da tarde'''', afirmou o delegado. Hoje as crianças devem voltar às aulas normalmente. Os alunos intoxicados vão passar por novos exames amanhã e na sexta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.