Funase
Funase

2 adolescentes morrem e 34 fogem de centro socioeducativo em PE

Rebelião aconteceu na madrugada desta segunda em Abreu e Lima, na região metropolitana do Recife

Monica Bernardes, especial para o Estado, e Felipe Cordeiro, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2017 | 09h24

SÃO PAULO - Um rebelião no Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Abreu e Lima, na região metropolitana do Recife, terminou com a morte de dois adolescentes e a fuga de 34 internos na madrugada desta segunda-feira, 5.

De acordo com informações da Secretaria de Desenvolvimento Social e Juventude, os internos conseguiram escapar através de um buraco escavado no muro externo, nas proximidades de uma das guaritas de segurança da unidade. A identidade das vítimas não foi oficialmente divulgada.

Segundo a Polícia Militar de Pernambuco, o motim começou por volta da 1 hora. Minutos depois, parte dos internos ateou fogo em colchões e cobertores, provocando tumulto e desespero. A direção da unidade acionou o Batalhão de Choque da PM, que chegou ao local pouco mais de meia hora após o início da rebelião. Cerca de três horas depois, já com a situação controlada, os agentes realizaram uma revista e a recontagem dos adolescentes.

Os corpos das vítimas foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML), na capital pernambucana. Não foi informado como as mortes aconteceram.

No fim da manhã, a direção da Fundação de Atendimento Socioeducativo  (Funase) divulgou uma nota oficial em que confirmou o número de mortos e internos fugitivos. 

A Corregedoria da fundação abriu uma sindicância para apurar a motivação e as responsabilidades do motim. A Funase afirmou, ainda, que está dando o apoio às famílias das vítimas, desde acompanhamento psicológico e social, até os custos com o funeral.

O clima entre os parentes e amigos dos internos, no entanto, é de revolta.

"Ninguém da Funase quer se responsabilizar. O filho da minha amiga foi assassinado quando estava sob a responsabilidade do Estado. Ele foi internado há uns seis meses por conta de um assalto", afirmou a faxineira Marluce Silva, vizinha de uma das vítimas. "A gente queria que ele se arrumasse, virasse gente. Os pais estão arrasados, querem morrer junto com o menino. E me diga qual foi chance que ele teve de mudar?"

Outros motins

Antes da rebelião e da fuga em massa, a unidade - que tem capacidade para 98 internos - abrigava 174 adolescentes. No dia 24 de abril, seis internos ficaram feridos durante um tumulto envolvendo pelo menos 50 jovens.

Antes disso, em 19 de março, outro adolescente foi morto.

Já em janeiro, durante uma outra fuga em massa, doze adolescentes conseguiram escapar da unidade.

Paraíba

Na Paraíba, sete adolescentes foram assassinados no Centro Educativo Lar do Garoto Padre Otávio Santos, em Lagoa Seca, durante uma rebelião na madrugada do sábado, 3. Cinco deles foram queimados ainda vivos dentro de uma cela destinada a presos provisórios. Ao menos 30 conseguiram fugir.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.