2 mil pessoas lembram a Revolução de 32 em SP

Dorina Nowill foi condecorada ontem pelo auxílio aos constitucionalistas

Mônica Cardoso, O Estadao de S.Paulo

10 Julho 2009 | 00h00

A luta da professora Dorina Nowill, de 90 anos, pela inclusão social dos deficientes visuais é amplamente conhecida. O que poucos sabem é que, aos 13, ela liderava campanhas para arrecadação de donativos para os combatentes da Revolução Constitucionalista de 1932. "No Clube Paulistano, as mulheres se reuniam para costurar as fardas dos soldados. Eu pregava os botões dos casacos e tricotava cachecóis", lembra.     Veja também: Moradores da Luz protestam na festa da Sala São Paulo Livro narra luta paulista em HQ 1932: uma luta pela democracia   GALERIA: São Paulo celebra 9 de julho com desfiles Após dia de sol, previsão é de chuva no fim de semana A história dos símbolos paulistas   Pelo seu engajamento, ela foi condecorada ontem como comandante do Exército Constitucionalista no 77º aniversário da Revolução. É a segunda vez que uma mulher recebe a honraria. "É uma grande homenagem. Éramos muito jovens, mas sabíamos do dever de contribuir para o bem do País." E são histórias como essa que vêm à tona durante o desfile anual do 9 de Julho. "Estávamos na cidade de Rincão e eu tinha visto os inimigos à noite, perto da ponte. Avisei o comandante da tropa, que mudou o caminho. No dia seguinte, a ponte foi dinamitada. Com isso, salvei 1.200 homens", lembra o ex-soldado Luiz Morelli, de 95 anos. Todos os anos, ele desfila com outros veteranos. Dos 300 mil combatentes na época da Revolução, apenas 200 estão vivos. Neste ano, as cinzas de dez ex-combatentes foram levadas para o Mausoléu do Soldado Constitucionalista. Para acompanhar o cortejo, a leitura da poesia Oração ante a última trincheira, do poeta modernista Guilherme de Almeida, que também lutou na Revolução. MEDALHAS Como é costume, 32 pessoas, entre civis e militares, foram laureadas com medalhas constitucionalistas entregues pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, e pelo secretário de Estado da Justiça, Luiz Antônio Marrey, que representou o governador José Serra. O tradicional desfile realizado na frente do Obelisco, no Parque do Ibirapuera, na zona sul, atraiu mais de 2 mil pessoas. Perto de 1.300 desfilaram, entre veteranos, estudantes, policiais militares e das Forças Armadas. Para terminar os festejos pelo aniversário da Revolução de 32, a Banda Sinfônica da Polícia Militar tocou Parabéns a Você. Mas à moda brasileira, em ritmo de samba.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.