2008: gasto ficou abaixo do orçado

Mesmo sem crise, os projetos de corredores e terminais de ônibus, o Fura-Fila e o metrô não receberam a verba prevista no orçamento do ano passado. Dos R$ 59,8 milhões reservados para a instalação e manutenção de corredores e terminais, por exemplo, só R$ 20,1 milhões (33,6%) foram empenhados - prometidos para gasto. O Expresso Tiradentes recebeu empenho de R$ 74,1 milhões, pouco mais da metade (51,7%) dos R$ 143,2 milhões que estavam previstos. As informações estão disponíveis no site da Secretaria Municipal de Planejamento. "É um problema crônico: há anos não gastam o que está previsto em transporte coletivo", afirma o engenheiro e consultor de trânsito Horácio Figueira. "É um crime contra a cidade. Parece que a Prefeitura não quer que as pessoas andem de ônibus."Já o urbanista João Valente Filho afirma que é normal haver gasto menor em ano de eleição. O motivo é que a Lei Eleitoral determina que os investimentos públicos sejam contratados até junho. "E é preciso ter reserva para ser usada no caso de um imprevisto, como uma grande enchente."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.