221 km de lentidão em São Paulo

Até 19 horas, choveu 20% do previsto para todo o mês; Metrô teve lentidão e linha da CPTM parou no horário de pico; Prefeitura sugere restrições ao estacionamento de veículos e ao tráfego de cargas em avenidas principais

O Estadao de S.Paulo

14 de março de 2008 | 00h00

No dia em que a Prefeitura de São Paulo anunciou um pacote parcial de medidas para tentar melhorar o trânsito, a capital registrou o maior índice de congestionamento desde 1999, 221 km às 19 horas. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) culpou a chuva: até as 19 horas, choveu 32 milímetros, o equivalente a 20% do previsto para todo o mês. A zona norte foi a mais atingida e mais de 50 pessoas estão desabrigadas, por causa do risco de desabamento de barracos na Vila Brasilândia. Toda a cidade ficou em estado de atenção entre 14h40 e 16h40 e o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) relatou 30 pontos de alagamento.Principais alternativas para escapar dos congestionamentos, os trens tiveram problemas no horário de pico. Com exceção da Linha 5-Lilás, em todos os trechos o metrô operou com velocidade reduzida, por causa da água na linha. Na CPTM, a queda de uma passageira no vão da plataforma e as falhas na Linha E (Luz-Guaianases) interromperam a circulação e causaram princípio de tumulto na Estação da Luz. Os passageiros seguiram para o metrô, sobretudo na Sé, e demoraram mais de três horas para embarcar. A CPTM só conseguiu normalizar a operação depois das 21 horas.Para evitar situações assim, a Prefeitura promete, a partir de abril, melhorar a sinalização em corredores e ampliar as restrições ao tráfego de cargas e ao estacionamento em vias principais - medidas que já foram adotadas anteriormente ou mesmo já foram rejeitadas pela atual gestão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.